Colunas


Coluna esquinas

Por Coluna esquinas -

Grasna, pato, grasna


Paramos de contar os mortos.

 

Bora virar assinante para ler essa e todas as notícias do portal DIARINHO? Usuários cadastrados têm direito a 10 notícias grátis.


Esqueci minha senha




Se você ainda não é cadastrado, faça seu cadastro agora!


 







 





Paramos de contar os mortos.

Paramos de contar os mortos.

Seiscentos e vinte mil vidas findas e paramos de contar os mortos.

Parece uma qualidade intrínseca do ser humano: adaptar-se. Andando pelas ruas, comprando pão, selecionando as frutas no supermercado, nas filas dos bancos, na balada, nos bares à beira-mar, dá para ver a olho nu que a humanidade se adaptou até mesmo a uma pandemia.

Acostumamos às dores, às ausências, às faltas. Acostumamos e passamos a habitar a insensibilidade. Humanos fedem de longe: cagam, mijam, vomitam líquidos ou palavras, arrotam, peidam e anos após anos discursam sobre a ilusória ideia de que são a única espécie existente nas galáxias.

Humanos querem satisfazer desejos e não necessidades, como apregoam fazer. Mesmo que para isso botem os pés pelas mãos cotidianamente. O pão subiu em cifrões, a carne está inacessível aos pobres e os combustíveis beiram ao assalto.

Paramos de contar os mortos.

Paramos.

Na praia falta areia e sobra lixo. Muito lixo. No bar tem cerveja gelada e fila. A música sai de caixas de som particularizadas em rodas de amigos, coloniza ouvidos alheios com melodias baratas. Tiramos as máscaras e o ano começa com promessa de dias de sol.

Paramos de contar os mortos.

Morreram pequenas memórias dos que tinham entes queridos, cachorro, gato, jardins, livros ou músicas que embalaram amores. Tinham sonhos e costumavam se deliciar com algum prato especial.

Mas paramos. Paramos de contar os mortos para aproveitar o instante efêmero do sol.

Paramos mesmo foi de reafirmar nossa humanidade.

Paramos de contar os mortos.

Enquanto isso, no país das maravilhas, o inominável pescou tranquilamente nas águas azuis dos mares catarinenses (que por sinal teve registrado até hoje mais de 20 mil mortos). A Bahia clama por ajuda, o país vizinho oferece ajuda humanitária que é oficialmente negada e o caos rege a orquestra desafinada que continua vociferando bobagens.

E, pasmem, paramos de contar os mortos.

Sou daqueles que desejam que 2022 venha com uma virada histórica para que essa escória vá para a lata de lixo.

P.S.: logo, logo virá um pato amarelo vociferar contra esse cronista e chamar esse veículo de comunicação de jornaleco. Pato bom não sabe falar, só grasna. Vai, pato, grasna.


Comentários:

Deixe um comentário:

Somente usuários cadastrados podem postar comentários.

Para fazer seu cadastro, clique aqui.

Se você já é cadastrado, faça login para comentar.

Leia mais

Coluna esquinas

Quinquilharias

Coluna esquinas

Touch, mentiras e uma hashtag

Coluna esquinas

Os 10 dias em que ouvimos a palavra GRITO

Coluna esquinas

Ferida aberta

Coluna esquinas

Proa da palavra

Coluna esquinas

Breve história de um muro

Coluna esquinas

A mão invisível da realidade

Coluna esquinas

O segredo dos dias

Coluna esquinas

Pantufas para pisar na lua

Coluna esquinas

Exercício de ser criança

Coluna esquinas

O instante antes do escuro

Coluna esquinas

Dentro da noite

Coluna esquinas

Bolhas

Coluna esquinas

Imagino, logo existo

Coluna esquinas

Hoje é quase horizonte

Coluna esquinas

Língua Solta

Coluna esquinas

Curto-circuito

Coluna esquinas

Posso dar um pitaco?

Coluna esquinas

Tirando poeira das ideias

Coluna esquinas

Qual é a sua felicidade?



Blogs

A bordo do esporte

Especialistas em cripto jogos apostam em projetos como o Meta Soccer para jovens investidores

Blog do JC

Ou vai ou racha?

Blog Doutor Multas

Como falar de improviso?

Blog da Ale Francoise

Conhece os benefícios para sua saúde do ILIB!?

Bastidores

Grupo Risco circula repertório pelo interior do Estado

Blog do Ton

Banho Energético para a Virada de Ano

Blog da Jackie

BALNEÁRIO FASHIOW foi SHOW

Blog Clique Diário

Ilha das Cabras - Balneário Camboriú



Entrevistão

Gabriel Castanheira

"Se tiver que prender mil vezes o cara, vamos prender mil vezes. É isso que eu converso com a tropa. Tem casos de pessoas que nós prendemos mais de 40 vezes [...] Cometeu um crime? Encaminha para a delegacia.”

Rodrigo Fernandes

"Os jovens, com certeza, têm a capacidade e o potencial de mudar o resultado de uma eleição”

Érica Becker e Pedro Junger

“Já tem dados que comprovam que o ser humano está ingerindo o próprio plástico que insere nos oceanos”, Érika Becker

Ciro Gomes

"O brasileiro tá pagando agora o preço do derivado de petróleo, da gasolina, em dólar”

TV DIARINHO

Confira os destaques desta segunda-feira



Podcast

Minuto DIARINHO 17/01/2022

Publicado 17/01/2022 21:37


Especiais

Tradição

DIARINHO: 43 anos na liderança do jornalismo regional

PREVISÕES 2022

Oráculos apostam em um ano de desafios e solidariedade

TUDO JUNTO

Itajaí Shopping une compras, serviços e lazer

COLETA SELETIVA

Navegantes, Penha e Piçarras ainda não dispõem de coleta seletiva

BALNEÁRIO CAMBORIÚ

Crescimento da coleta seletiva



Hoje nas bancas


Folheie o jornal aqui ❯