Colunas


Coluna esquinas

Por Coluna esquinas -

Ferida aberta


 

 

Bora virar assinante para ler essa e todas as notícias do portal DIARINHO? Usuários cadastrados têm direito a 10 notícias grátis.


Esqueci minha senha




Se você ainda não é cadastrado, faça seu cadastro agora!


 







 





Nossa história sempre clamou por heróis. E um herói  não pode ter medos. Onde estão os heróis quando o medo se ocupa de todos? Eles deveriam estar de plantão para nos salvar de qualquer ameaça.

Nossa sociedade faz uma confusão grande que coloca medo e covardia como sinônimos. A palavra MEDO vem acompanhada da palavra VERGONHA.  Do herói de narrativas épicas, passando pelo cavaleiro medieval ou generais em estratégias de guerra e  chegando aos heróis do cinema o fato é que os heróis destemidos estavam preparados para governar o mundo.  Apenas discursos em épocas diferentes. Medo e covardia não são sinônimos.

Houve um tempo na história da humanidade ocidental em que os medos vividos tinham sua origem na natureza: medo do mar, tempestades, raios e trovões. Superada essa fase de nossa história – mesmo que ainda tenhamos medo de chuvas, enxurradas e enchentes – qual é o maior medo que a humanidade tem hoje? A própria humanidade.

Os perigos que rondam nossas vidas estão vindo muito mais dos humanos do que da natureza. Não tememos mais que o céu caia sobre nossas cabeças, mas trememos ao pensar em nossas dívidas com instituições criadas por humanos.

Os medos contemporâneos passam pela morte, pela profunda solidão mesmo no meio de uma multidão anônima, pelo fracasso financeiro diante de um grupo social almeja posses de bens, resultam em inveja do sucesso alheio. Tememos o envelhecimento e alimentamos a indústria das academias e produtos que prometem a eterna juventude. Temos amores e as paixões para não sofrermos depois e muitos reclamam de falta de sentido da vida sentados em divãs de analistas.

Muitos dos medos contemporâneos são oriundos de nosso medo da própria humanidade. Absurdo não acha? Incompletudes que fazem com que nos sintamos amedrontados.

Existem medos naturais e outros inventados. O medo é uma defesa primordial, uma garantia contra perigos que permite aos seres vivos escaparem provisoriamente da morte. Quando ultrapassa um limite suportável, passa a ser doença.

O que é um medo inventado? Um indivíduo da antiguidade temia os deuses, ou um morador de uma vila medieval temia não ir para o céu, os africanos temiam os espíritos materializados em máscaras ritualísticas, as perseguições feitas pela igreja aos hereges queimados em praça pública para purificar seus pecados, os monstros habitantes dos oceanos que engoliam barcos e impediam novas descobertas.

Tantos medos que a história humana enfrentou. Tantos que hoje parecem ridículos e absurdos aos olhos contemporâneos. Olhamos com tranquilidade os medos na História, tememos olhar nossos próprios.

A vida é construída entre o medo e a segurança.  Afinal, qual é seu medo?

Fica a dica:

Livro A HISTÓRIA DO MEDO NO OCIDENTE de JEAN DELUMEAU. Editora Cia das letras. 2009.


Comentários:

Deixe um comentário:

Somente usuários cadastrados podem postar comentários.

Para fazer seu cadastro, clique aqui.

Se você já é cadastrado, faça login para comentar.

Leia mais

Coluna esquinas

Grasna, pato, grasna

Coluna esquinas

Quinquilharias

Coluna esquinas

Touch, mentiras e uma hashtag

Coluna esquinas

Os 10 dias em que ouvimos a palavra GRITO

Coluna esquinas

Proa da palavra

Coluna esquinas

Breve história de um muro

Coluna esquinas

A mão invisível da realidade

Coluna esquinas

O segredo dos dias

Coluna esquinas

Pantufas para pisar na lua

Coluna esquinas

Exercício de ser criança

Coluna esquinas

O instante antes do escuro

Coluna esquinas

Dentro da noite

Coluna esquinas

Bolhas

Coluna esquinas

Imagino, logo existo

Coluna esquinas

Hoje é quase horizonte

Coluna esquinas

Língua Solta

Coluna esquinas

Curto-circuito

Coluna esquinas

Posso dar um pitaco?

Coluna esquinas

Tirando poeira das ideias

Coluna esquinas

Qual é a sua felicidade?



Blogs

A bordo do esporte

ABB Formula E abre oitava temporada na Arábia Saudita

Blog do JC

Fabrício Oliveira e Luciano Hang juntos

Blog do Ton

Evie Sushi chega a Balneário Camboriú com inspiração nos grandes centros urbanos

Blog da Ale Francoise

Biorressonância na prevenção de sua saúde

Blog Doutor Multas

Como falar de improviso?

Bastidores

Grupo Risco circula repertório pelo interior do Estado

Blog da Jackie

BALNEÁRIO FASHIOW foi SHOW

Blog Clique Diário

Ilha das Cabras - Balneário Camboriú



Entrevistão

Gabriel Castanheira

"Se tiver que prender mil vezes o cara, vamos prender mil vezes. É isso que eu converso com a tropa. Tem casos de pessoas que nós prendemos mais de 40 vezes [...] Cometeu um crime? Encaminha para a delegacia.”

Rodrigo Fernandes

"Os jovens, com certeza, têm a capacidade e o potencial de mudar o resultado de uma eleição”

Érica Becker e Pedro Junger

“Já tem dados que comprovam que o ser humano está ingerindo o próprio plástico que insere nos oceanos”, Érika Becker

Ciro Gomes

"O brasileiro tá pagando agora o preço do derivado de petróleo, da gasolina, em dólar”

TV DIARINHO

Confira os destaques desta quarta-feira



Podcast

Minuto DIARINHO 26/01/2022

Publicado 26/01/2022 21:09


Especiais

Criador da Festa do Pirão 

Fausto Rocha Jr.: 21 anos da morte do ator que Barra Velha (quase) esqueceu

Tradição

DIARINHO: 43 anos na liderança do jornalismo regional

PREVISÕES 2022

Oráculos apostam em um ano de desafios e solidariedade

TUDO JUNTO

Itajaí Shopping une compras, serviços e lazer

COLETA SELETIVA

Navegantes, Penha e Piçarras ainda não dispõem de coleta seletiva



Hoje nas bancas


Folheie o jornal aqui ❯