Colunas


Coluna Existir e Resistir

Por Coluna Existir e Resistir -

A branca tá usando trança! E agora?


Por Sabrina Vianna

 

Bora virar assinante para ler essa e todas as notícias do portal DIARINHO? Usuários cadastrados têm direito a 10 notícias grátis.


Esqueci minha senha




Se você ainda não é cadastrado, faça seu cadastro agora!


 







 





Se aparece uma personalidade na mídia branca que utiliza trança, dread, turbante, enfim, algo relacionado à cultura do povo preto, automaticamente a acusam de cometer apropriação cultural! Mas o que é isso de fato? O que vai mudar na vida do povo preto proibir uma pessoa branca de usar tranças? Absolutamente NADA! Mas pera lá, vamos aos fatos para não escrever um texto baseado em achismos ou opinião pessoal.

Comecemos com o que é cultura. São costumes, comidas, crenças, artes, conhecimentos de um determinado grupo de pessoas de uma região. E apropriação? Conforme o dicionário etimológico, o termo apropriação tem origem latina e significa “[...] apoderação, apoderamento, posse de alguma cousa, tornar alguma cousa sua, de sua propriedade.” E juntando o termo apropriação cultural é tomar pra si a cultura de um povo como se fosse sua. Só que um individuo não consegue fazer isso, quem faz é a indústria, o mercado. Quando se coloca numa passarela uma modelo branca de tranças com trajes africanos, é mostrado ao mundo que o padrão de beleza é a mulher branca usando e quando se mostra a pessoa preta em um local periférico, marginalizado, sem o glamour, é visto como algo feio, sujo e fedorento. Quando se pensa em acarajé, automaticamente vem em nossa mente a imagem da baiana do acarajé, ancestralidade, Bahia. Agora imagine se um chef da Alemanha começa a dizer que quem inventou o acarajé foi a Alemanha? Que foi receita dele! E em todos os meios de comunicação isso fosse divulgado como verdade? Isso é roubo, é apropriar-se de uma comida que faz parte da cultura preta. Somos um povo miscigenado, mas na escola estudamos a História pela ótica do povo europeu, dos colonizadores que chegaram aqui e se apropriaram de uma terra que já tinha dono, mas nos livros são colocados como os “Descobridores do Brasil” e não como ladrões que cometeram genocídio e impuseram sua cultura aos índios e aos pretos. Em um dos textos que escrevi para essa coluna, falei sobre o poder do Black Money, e como o mercado enxergou nisso uma possibilidade de renda, entretanto o povo preto precisa brigar sempre por espaços na mídia pois a cultura preta vende, mas nossos traços, nossos corpos, não são europeus e para mídia não é vendável. Cada vez mais surgem influenciadores pretos que falam sobre o autocuidado, a autoaceitação, mas ainda é muito recente. Mulher branca de trança é linda e mulher preta ou homem são mais lindos ainda! Pois além de ser um penteado poderoso, traz pra nós parte da nossa história, carregamos com orgulho e ressaltamos nossos traços. E se aceitar preto em um país racista como o Brasil dói muito, mas é um ato de resistência e luta. Então, povo branco, use sim, mas quando o fizer, seja respeitoso. Nós pretos não temos o direito de impedir e nem de julgar, mas nos elogiem quando estivermos com nossa cultura.


Comentários:

Deixe um comentário:

Somente usuários cadastrados podem postar comentários.

Para fazer seu cadastro, clique aqui.

Se você já é cadastrado, faça login para comentar.

Leia mais

Coluna Existir e Resistir

A importância das palavras

Coluna Existir e Resistir

O fato

Coluna Existir e Resistir

Militância de internet

Coluna Existir e Resistir

Dia Nacional do Samba: o que seria do Brasil sem este gênero musical?

Coluna Existir e Resistir

Racismo: um tema que não pode sair do nosso radar!

Coluna Existir e Resistir

Existir e Resistir

Coluna Existir e Resistir

O pensamento social brasileiro e a cultura do esquecimento

Coluna Existir e Resistir

A política da morte

Coluna Existir e Resistir

Carta ao Rei T’Challa

Coluna Existir e Resistir

Preguiça de falar sobre os males que o racismo causa

Coluna Existir e Resistir

Somos um país racista

Coluna Existir e Resistir

25 de julho – dia Internacional da mulher negra latino-americana e caribenha

Coluna Existir e Resistir

O choro é livre

Coluna Existir e Resistir

Brasil, lugar de todos?

Coluna Existir e Resistir

Igualdade e fraternidade: o diálogo como porta para a empatia

Coluna Existir e Resistir

A onda negra

Coluna Existir e Resistir

Sobre a liberdade

Coluna Existir e Resistir

Combate ao preconceito marcado em uma profissão

Coluna Existir e Resistir

Thelma e a ascensão do povo preto

Coluna Existir e Resistir

Coronavírus e a disparidade racial nos EUA



Blogs

Blog da Jackie

Novidadeiras

Blog do JC

Aditivo

Blog da Ale Francoise

Fortificante Natural de Uva!

Blog Clique Diário

Primeira Foto do voo inaugural do helicóptero Ingenuity Mars da NASA

Blog Doutor Multas

CNH Bloqueada? Veja o que fazer para regularizar

A bordo do esporte

Tradicional regata Rolex Capri Napoli confirmada em maio

Blog do Ton

Terrazza Praia Brava

Bastidores

Um olhar sobre o teatro de escola



Entrevistão

Volnei Morastoni

"Estamos vivendo a politização da covid”

Marcelo werner

"Quando o Estado publica um decreto às 11 horas da noite para que no dia seguinte seja cumprido, está faltando sintonia com a sociedade”

Marquinhos Kurtz

“[...} O meu posicionamento é contrário ao fechamento total. Eu acho que nós temos que trabalhar, nós temos que ter cuidado, e as coisas precisam funcionar”

Fabrício Oliveira

"Se nós tivéssemos leitos hospitalares nós não estaríamos discutindo lockdown'

TV DIARINHO

Confira os destaques desta terça-feira



Podcast

Minuto DIARINHO 20/04/2021

Publicado 20/04/2021 21:32


Hoje nas bancas


Folheie o jornal aqui ❯