Matérias | Polícia


caso mariane

Polícia investiga assassinato de mulher de pastor

Vítima desapareceu na quinta-feira. Corpo, com mãos amarradas, foi jogado no rio

Franciele Marcon [fran@diarinho.com.br]

Mariane não costumava falar da vida pessoal


Durou 18 horas o mistério sobre o desaparecimento de Mariane Kelley dos Santos, 35 anos, atendente de uma cafeteria e esposa de um pastor evangélico de Itajaí. Ela foi brutalmente assassinada. A polícia investiga a suposta participação de uma vizinha e não descarta que haja o envolvimento do marido da vítima no bárbaro crime.


Mariane desapareceu no final da tarde de quinta-feira quando encerrou o turno de trabalho numa cafeteria do bairro São João. O corpo dela só foi encontrado no início da tarde de sexta- ...

 

Bora virar assinante para ler essa e todas as notícias do portal DIARINHO? Usuários cadastrados têm direito a 10 notícias grátis.


Esqueci minha senha




Se você ainda não é cadastrado, faça seu cadastro agora!


 







 






Mariane desapareceu no final da tarde de quinta-feira quando encerrou o turno de trabalho numa cafeteria do bairro São João. O corpo dela só foi encontrado no início da tarde de sexta-feira, com as mãos amarradas, boiando no rio Itajaí-açu. Ela teria levado uma pancada na cabeça, segundo a polícia.

Continua depois da publicidade



Mariane é esposa de Joedson dos Santos, 40, o pastor Jota. O marido comunicou o desaparecimento de Mariane à polícia ainda na quinta-feira. Ele publicou o caso nas redes sociais, falou com jornalistas e registrou um boletim de ocorrência na polícia.

Segundo ele,  Mariane sumiu depois do trabalho, às 18h53, ao supostamente entrar em um carro de aplicativo para ir para casa.

O pastor Jota mobilizou amigos e colegas do centro Evangelístico de Itajaí (CEI), do bairro São Vicente, atrás da mulher, mas a procura só teve fim por volta das 14h de sexta-feira, quando o corpo de Mariane foi resgatado por um pescador, no bairro Volta Grande, em Navegantes. Ela ainda vestia o uniforme da cafeteria em que trabalhava e estava com a aliança de casamento. As mãos da vítima estavam amarradas e havia marcas de um trauma na cabeça.

Marido mentiu

Continua depois da publicidade



A polícia Militar conseguiu identificar o veículo que levou Mariane da saída do trabalho.  Ela embarcou no carro de uma vizinha e não num veículo de aplicativo, como afirmou o marido à polícia. 

O pastor, que esteve no local onde o corpo foi localizado, foi levado pela equipe do delegado Angelo Fragelli para prestar esclarecimentos.

Na delegacia, o pastor confirmou que a esposa pegou carona com uma vizinha, que tem um carro prateado. O carro já foi usado por ele mesmo, muitas vezes, segundo apurou a investigação. A vizinha não foi encontrada pela polícia Civil até o fechamento desta matéria.  O pastor foi liberado da delegacia após prestar depoimento. “Como não localizamos ou tomamos o depoimento da vizinha, não pode-se afirmar que ela praticou o crime, mas a participação não está descartada”, informou o delegado. Ele também não descarta a participação do pastor no crime.

O delegado repassou o inquérito policial para a divisão de Investigação Criminal (DIC) de Itajaí. O delegado Sérgio Sousa tocará a investigação a partir de agora  O laudo do Instituto Geral de Perícia (IGP) vai confirmar a causa exata da morte de Mariane.

Joedson e Mariane eram casados há 20 anos. Eles  moravam na rua Cosme Bussarello, no bairro Cordeiros. Nascidos na Bahia,viviam na região há nove anos. O casal tem uma filha de 16 anos.

Joedson, além de pastor do CEI, coordenou um centro de recuperação de dependentes químicos. Ele foi demitido do local há cerca de um mês.

“Era uma menina doce e responsável”, diz dona de cafeteria