Colunas


Artigos

Por Artigos -

"No meu quintal, não!"


* Márcio Cristiano Dornelles Dias

A manifestação recente nas redes sociais contra a ocupação de terrenos por um empreendimento no Canto do Morcego (na verdade a ocupação e o empreendimento são na Brava Norte), é mais um evento semelhante ao NIMBY (Not In My Backyard, que significa “no meu quintal, não”, em português tradução livre).

O NIMBY é uma expressão usada em outros países para definir a oposição de um grupo de pessoas contra determinada obra ou atividade no entorno de onde se vive. Porém, o “direito defendido”, muitas vezes, é só o pretexto para a manutenção de privilégios de alguns.

O NIMBY pode ser praticado em grupos de ativismo que se dizem a favor do meio ambiente, por exemplo, de forma que a mobilização consiga barrar desde a construção de um determinado empreendimento imobiliário ou até a abertura de novas vias que necessitem de supressão de vegetação, mas seriam importantes para setores da cidade e poderiam proporcionar amplas compensações ambientais.

Apesar de ser legítima em alguns casos, há manifestações que geram muito mais prejuízo do que se imagina. E isso se deve ao motivo da resistência exagerada e alarmista a mudanças necessárias. É comum que iniciativas atacadas sejam benéficas para a população da cidade e da região como um todo – como um complexo residencial com moradias de alto padrão, que contemple um shopping de serviços e gastronomia e até mesmo um colégio conceituado, que segue a legislação e contribui para a valorização do bairro –, mas por motivos simplesmente ideológicos, alguns projetos são alvo de manifestações contrárias.

Para angariar apoiadores e influenciar a opinião pública, as pessoas desse movimento chegam a “aumentar um conto” sobre os verdadeiros impactos dos projetos, afirmando, sem comprovar – é claro –, que a vegetação será toda suprimida, faltará água no bairro e sombra na praia, por exemplo. Tudo para convencer que o projeto será um desastre na área.

O prejuízo citado acima mora aqui: esse movimento (sem comprovar) pode gerar a paralisação ou até a desistência do projeto.

Com numerosas regras a serem respeitadas no Brasil (leis, decretos, portarias e resoluções, instruções normativas etc.), e com a fiscalização do Poder Público, parece inaceitável que esse movimento seja recorrente, alardeie inverdades e interrompa a construção de empreendimentos legalmente aprovados, fundamentais para dar suporte ao crescimento de um bairro.

É compreensível o receio de que a verticalização excessiva altere as características atuais da Praia Brava. Mas não se pode pretender que os terrenos hoje desocupados permaneçam assim, sob pena de se gerar – aí sim – impactos negativos com ocupações desordenadas e clandestinas.

Impedir a urbanização razoável da Praia Brava é promover um boicote contra o futuro de Itajaí, já que essa área, servida de todo tipo de infraestrutura, na melhor praia da região, subutilizada na maior parte do ano e a meio caminho das duas cidades polos da região, é não só a área mais valorizada do município: é também a mais propícia para um crescimento comedido e necessário, capaz inclusive, de proporcionar contrapartidas ambientais relevantes.

Em seu livro “Os Centros Urbanos” – A Maior Invenção da Humanidade”, Edward Glaeser, professor de economia de Harvard, constata: cada vez que se proíbe a construção de novos empreendimentos compatíveis e estudados para se adequar a realidades locais, a cidade vai-se tornando mais cara e excludente. E isso provoca a perda de oportunidades de desenvolvimento para as cidades, a criação de favelas e ocupações ilegais ao seu redor.

 

* Márcio Cristiano Dornelles Dias, advogado, atua há 20 nos na Praia Brava.


Comentários:

Paulo Nascimento

19/06/2021 09:32

Belo testo Dr. Márcio , esses Nimbys, são pequenos grupos que dizem representar todos os moradores da Praia Brava, uma inverdade , são pessoas que a anos vem prejudicando o desenvolvimento de nossa cidade, impedindo os empresários de gerar empregos e riqueza para nossa cidade, principalmente na Praia Brava. Usam varias formas de impedir que as construtoras desenvolvam seus projetos, primeiro não queriam as pavimentações das ruas, depois entraram com ação pública para impedir o subsolo inviabilizando os projetos , depois, outra ação para impedir o solo criado , agora vieram com o absurdo do tal do sombreamento, como se a sombra não fosse benéfica para o bem estar das pessoas. Esquecem eles que tem milhares de pessoas desempregadas. Todo esse absurdo em nome do meio ambiente, só se preserva com o desenvolvimento sustentável. Viva a Brava, ela é de todos.

Deixe um comentário:

Somente usuários cadastrados podem postar comentários.

Para fazer seu cadastro, clique aqui.

Se você já é cadastrado, faça login para comentar.

Leia mais

Artigos

Amigo é um lugar

Artigos

Saneamento é saúde

Artigos

O grande desafio da educação em SC

Artigos

Livros embarcados

Artigos

Cuidar da água

Artigos

Concessão, sim. Sem nova pista, não! (Por Paulo Bornhausen)

Artigos

Porque toda a tragédia tem um pouco de comédia - Por Kátia Nascimento

Artigos

Cade proíbe cobrança de THC2/SSE

Artigos

Cade proíbe cobrança de THC2/SSE

Artigos

Começou um novo ano: 2021

Artigos

Brava: Um olhar para o futuro

Artigos

“Roda mundo, roda gigante, roda moinho, roda pião...” por Marisa Lajolo

Artigos

APM Terminals Itajaí não tem espaço para operar carga

Artigos

O fator Múcio

Artigos

“Na escola da Bibiana”

Artigos

“Quem é burro, vai pra Barra”

Artigos

Navegantes 58 anos: Beleza, tradição e desenvolvimento

Artigos

“Mais um para Brusque”

Artigos

Entre e Iguape e Cananéia   

Artigos

Já vi essa história em outra história



Blogs

A bordo do esporte

Semana de Vela de Ilhabela promove regata com crianças

Blog do JC

Se presidente vetar o Fundão, Centrão defende volta de doações empresariais

Blog da Ale Francoise

Dê olho na sua saúde!

Blog Doutor Multas

Proteção veicular: o que é e vale a pena contratar?

Blog Clique Diário

Retornando...

Blog da Jackie

CasaCor Santa Catarina

Blog do Ton

One of a Kind: coleção inédita será apresentada pela joalheira Cristina Pessoa durante evento na Praia Brava

Bastidores

Um olhar sobre o teatro de escola



Entrevistão

Jorginho Mello

“Eu tenho o compromisso do presidente: se eu for disputar a eleição para governador, tenho o apoio dele”

André Gobbo

"Eu tenho absoluta certeza que estamos formando profissionais para o presente e para o futuro”

Vinicius Lummertz

"A grande aliança é para a retomada com saúde. São Paulo fará vacinas para o Brasil e América Latina ”

Élcio Kuhnen

“O maior ensinamento que a covid vai deixar: a ciência está muito à frente da sua opinião”

TV DIARINHO

Confira os destaques desta segunda-feira



Podcast

Minuto DIARINHO 26/07/2021

Publicado 26/07/2021 21:05


Especiais

Referência

Balneário Shopping é porta de entrada de grandes marcas

Boas compras

Diversidade e qualidade caracterizam o comércio de Balneário Camboriú

Uma nova BC

Investimentos públicos pesados para a retomada da economia

Cartão postal de Balneário Camboriú

Roda-gigante mudou a paisagem para sempre

Parque Unipraias

Tedesco é pioneiro no turismo de BC



Hoje nas bancas


Folheie o jornal aqui ❯