Matérias | Geral


INDICADORES SOCIAIS

Pobreza aumenta em SC, mas estado ainda é o com menos pobres do Brasil

Segundo a pesquisa divulgada, 43 mil catarinenses entraram pra faixa abaixo da linha da pobreza em 2020

Redação DIARINHO [editores@diarinho.com.br]

Média salarial dos 40% mais pobres é de R$ 1113 em SC; e dos mais ricos, R$ 8096 (foto: joão batista)

Há 137,5 mil pessoas vivendo em situação de miséria em Santa Catarina (foto: João Batista)


 

Continua depois da publicidade



Há 137,5 mil pessoas vivendo em situação de miséria em Santa Catarina (foto: João Batista)

 

Há 137,5 mil pessoas vivendo em situação de miséria em Santa Catarina (foto: João Batista)

 

Continua depois da publicidade



Pesquisa do IBGE de Indicadores Sociais 2021, divulgada na sexta-feira, mostra que a pobreza aumentou em Santa Catarina, mas o estado ainda segue com o menor percentual de pessoas abaixo da linha da pobreza do Brasil. Conforme o resultado, Santa Catarina apresenta a melhor distribuição de renda do país e também se destaca em diversos indicadores do mercado de trabalho.

O destaque negativo foi a alta de pessoas pobres. Cerca de 43 mil catarinenses entraram pra linha da pobreza em 2020, com o estado somando 615 mil pessoas nessa condição. Apesar da piora, a quantidade ainda é a menor do país. O estado aparece com 8,5% dos trabalhadores abaixo da linha da pobreza e 1,9% abaixo da linha de pobreza extrema.

Os percentuais para Santa Catarina são os menores do país, mas aumentaram respectivamente, 0,5% e 0,4% em 2020 em relação ao indicador em 2019. Santa Catarina tinha no ano passado 615,3 mil pessoas abaixo da linha da pobreza, com 43,2 mil a mais que em 2019, e 137,5 mil pessoas em pobreza extrema, número que aumentou em 10,7 mil.

A classificação leva em conta as referências do banco Mundial para as linhas de pobreza, quando a renda familiar mensal é até R$ 450, e de pobreza extrema, quando as famílias vivem com menos de R$ 155 por mês.

O rendimento médio dos 10% da população catarinense mais bem remunerada é de R$ 8096, enquanto que o dos 40% dos catarinenses com menores salários tem média de R$ 1113, apenas R$ 13 a mais que o salário mínimo.

A desigualdade entre os rendimentos médios, com diferença de quase 7 vezes, é a menor do país. No Brasil, os 10% mais bem pagos tem 12,2 vezes maior rendimento que os 40% com menor remuneração.

Também há desigualdade nos rendimentos entre homens e mulheres, que seguem ganhando menos. Em Santa Catarina, eles têm renda média de R$ 2946, valor 26,8% maior que a média das mulheres, de R$ 2323. A diferença, no entanto, caiu em relação à 2019, quanto o índice era de 32,1%.

O estudo sobre as condições de vida dos brasileiros leva em conta o índice Gini, que varia de 0 a 1 e indica maior desigualdade social quanto mais se aproxima do zero. Em Santa Catarina, o indicador caiu para 0,412 em 2020, contrastando com o cenário nacional, que teve queda para 0,524.

Florianópolis é a cidade com índice mais próximo do nacional (0,505), sendo a 8ª capital melhor classificada, com queda de cinco posições em relação à 2019.

Mercado de trabalho

Estado tem a menor taxa de desemprego do Brasil: 6,4% (foto: João Batista)

Nos indicadores do mercado de trabalho, o estado manteve bons resultados, continuando entre os melhores do país. Em 2020, Santa Catarina registrou a menor taxa de desocupação (6,4%) e a maior parcela da população (84,4%) com trabalho habitual ao menos por 40 horas semanais.

A taxa de formalização atingiu o maior patamar histórico: 79 de cada 100 trabalhadores catarinenses estavam com emprego formal no ano passado. A taxa de 79,4% foi a maior entre os estados do sul, contra 73% no Rio Grande do Sul e 71% no Paraná. Maior desocupação foi registrada entre mulheres e pessoas pretas e pardas.

O rendimento domiciliar por pessoa no estado foi o que apresentou o menor impacto dos benefícios de programas sociais, como o auxílio emergencial. A renda das famílias teria sido 2% mais baixa se não fossem os benefícios. No país, esse impacto foi de 5,9% no ano passado. Sem programas sociais, 32% dos brasileiros estariam em situação de pobreza.

Conforme a pesquisa, cerca de 3 milhões de catarinenses têm renda de até um salário mínimo. Houve redução da proporção de pessoas nas três faixas superiores de rendimentos, ou seja, há menos pessoas ganhando salários acima de um salário mínimo.

 

Catarinenses avaliam que moram bem

Catarinenses avaliaram as condições de moradia como satisfatórias (foto: João Batista)

Os indicadores da pesquisa para Santa Catarina mostram que 78% dos catarinenses avaliaram como bom o padrão de moradia das famílias. O percentual representa 5,5 milhões da população do estado.

Entre as pessoas que relataram algum problema na moradia, casos de fundação, parede ou chão úmidos foram os mais citados (21,4%), seguidos da falta de espaço (20,7%) e janelas, portas ou assoalhos precários (18%).

Na pesquisa anterior, entre 2008 e 2009, o problema de pouco espaço na casa era considerado o maior, sendo quase 30% das queixas. As famílias com estudantes de escolas privadas são as que mais têm computador ou notebook com acesso à internet em casa. A taxa foi de 92,7%, contra 67,5% de alunos da rede pública.

Na área da saúde, o estudo registrou que 61% dos catarinenses tem cobertura com atendimento do SUS, índice maior que a média nacional, de 56%. O gasto médio mensal das famílias catarinense com saúde foi de R$ 141,87, pouco acima da média nacional, de R$ 133,24.

 

Família do Santa Regina pede doações de alimentos

Família pede doações e ajuda da comunidade

A família de Tatiane Cidade Serpa e Marcelo Serpa segue precisando de doações para dispor do básico para a sobrevivência. O casal mora no residencial São Francisco de Assis, no bairro Santa Regina, com as filhas pequenas, uma de quatro anos e outra de 11 meses. Eles estão desempregados e ainda não foram encaixados em programas sociais.

Marcelo faz tratamento psiquiátrico contra um quadro de depressão profunda e esquizofrenia. A esposa conta que ele já passou por perícia mas ainda não recebeu o benefício social. Tatiane trabalha às vezes com limpeza, mas o que ganha não é suficiente pra bancar as despesas básicas.

A família conta apenas com um benefício da secretaria de Assistência Social, não conseguiu o auxílio Emergencial neste ano e aguarda entrar no novo Bolsa Família.

“Faço um pedido de uma mãe desesperada. Estou sem nada. Minha menina está precisando de leite Mucilon, alimentos e fraldas”, apela. O casal recebe qualquer ajuda em dinheiro, produtos da cesta básica e alimentos para as crianças. O PIX para transferência é o telefone (47) 99776-3869.

Desde 2017, a família de Tatiane vive em condições difíceis. O casal ficou conhecido pela tragédia onde perdeu três filhos eletrocutados por um fio energizado que arrebentou e caiu numa poça perto de onde as crianças brincavam durante um temporal. Na época, a família vivia na rua João Dalmolin, no bairro Carvalho, numa área de ocupação irregular. Uma ação na justiça cobra responsabilização da Celesc.




Comentários:

Somente usuários cadastrados podem postar comentários.

Para fazer seu cadastro, clique aqui.

Se você já é cadastrado, faça login para comentar.


Envie seu recado

Através deste formuário, você pode entrar em contato com a redação do DIARINHO.

×





54.92.164.9

Últimas notícias

HORA DA VERDADE

Domingo de pancadaria entre Whindersson Nunes e Popó de Freitas

3ª RODADA DO CATARINENSE

Barra enfrenta o Avaí; Cílio o Próspera e Camboriú o JEC

Piçarras

Vazam informações sobre ação de sonegação de empresário

Previsão do tempo

Final de semana com tempo chuvoso

Problema social

Moça vive em ponto de ônibus há meses

Contra a desinformação

Médico esclarece dúvidas sobre a vacinação de crianças contra a covid

Turismo

Paisagens de Balneário Piçarras vão virar cartões-postais

Mais de 10 tiros

Homem é executado enquanto dormia

ITAJAÍ

"Ponte" para a pedra de Cabeçudas vira polêmica

Crime Ambiental

PM apreende 1,6 km de rede de pesca ilegal



Colunistas

JotaCê

Assunto da semana

Instituto Ion | Informando e Inovando

Acabar com a pobreza e a Agenda 2030

Na Rede

Na Rede

Via Streaming

Dono da bola

Jackie Rosa

Frase mais dita: O que é esse calor?

Canal 1

Comentarista de arbitragem é ganho na TV esportiva

Coluna Adjori SC

Lideranças empresariais lançam manifesto por mais investimentos no Oeste catarinense

Coluna Esplanada

Linha de frente

Espaço InovAmfri

O novo mundo do 5G

Clique diário

Navio da Marinha

Coluna Tema Livre

Nem guru e nem político de estimação

Artigos

Poeta mensageiro

Coluna do Janio

Boa estreia

Coluna Exitus na Política

“Espelho, espelho meu”

Coluna do Ton

Na Pose

Coluna Fato&Comentário

Tespis Cia. de Teatro: memória e história

Coluna esquinas

Grasna, pato, grasna

Coluna do Frei Betto

Feliz Ano Novo



TV DIARINHO


Entrevistão com Luciana de Castro Ribeiro - Delegada Chefe da Polícia Federal de Itajai





Especiais

Fausto Rocha Jr

21 anos da morte do ator que Barra Velha (quase) esqueceu

Tradição

DIARINHO: 43 anos na liderança do jornalismo regional

PREVISÕES 2022

Oráculos apostam em um ano de desafios e solidariedade

TUDO JUNTO

Itajaí Shopping une compras, serviços e lazer

COLETA SELETIVA

Navegantes, Penha e Piçarras ainda não dispõem de coleta seletiva



Blogs

A bordo do esporte

Regata final do Brasileiro de Snipe 2022 terá disputa baiana pelo título

Blog do JC

Operação Coruja

Blog do Ton

Evie Sushi chega a Balneário Camboriú com inspiração nos grandes centros urbanos

Blog da Ale Francoise

Biorressonância na prevenção de sua saúde

Blog Doutor Multas

Como falar de improviso?

Bastidores

Grupo Risco circula repertório pelo interior do Estado

Blog da Jackie

BALNEÁRIO FASHIOW foi SHOW

Blog Clique Diário

Ilha das Cabras - Balneário Camboriú



Entrevistão

Luciana de Castro Ribeiro

"A Polícia Federal sabe que um dos principais pontos de lavagem de dinheiro no Brasil é na região de Itajaí”

Gabriel Castanheira

"Se tiver que prender mil vezes o cara, vamos prender mil vezes. É isso que eu converso com a tropa. Tem casos de pessoas que nós prendemos mais de 40 vezes [...] Cometeu um crime? Encaminha para a delegacia.”

Rodrigo Fernandes

"Os jovens, com certeza, têm a capacidade e o potencial de mudar o resultado de uma eleição”

Érica Becker e Pedro Junger

“Já tem dados que comprovam que o ser humano está ingerindo o próprio plástico que insere nos oceanos”, Érika Becker



Hoje nas bancas


Folheie o jornal aqui ❯