Matérias | Geral


Imunização contra a covid

Vacina não é obrigatória pra matrícula de alunos mas gera polêmica

Em Itajaí, pais relataram que posto estaria exigindo a vacina pra liberar documento necessário pra matrícula escolar

Redação DIARINHO [editores@diarinho.com.br]

Posto do Santa Regina foi tomado por pais que queriam vacinar os filhos contra a doença (foto: leitor)

A exigência da vacinação contra a covid-19 para matrícula de estudantes é uma questão sem consenso no país e gerou polêmica em Itajaí nesta semana.  A razão é que as escolas cobram a caderneta de vacinação em dia, mas a vacina da covid-19 não está entre as obrigatórias no calendário, embora seja recomendada. Entre especialistas, há entendimento de que a vacina da covid poderia ser exigida pra matrícula.


Em Santa Catarina, desde 2009, a carteira de vacinação de alunos até 18 anos deve ser apresentada no ato de matrícula nas redes pública e privada, seguindo os critérios do calendário vacinal do ministério da Saúde. A diretoria Estadual de Vigilância Epidemiológica (Dive) informou que leis municipais também regulamentam a caderneta de vacinação, mas o órgão ressaltou que não tem o poder de “obrigar” a apresentação.

Continua depois da publicidade



Em Itajaí, a secretaria de Saúde destacou que a vacina da covid não é obrigatória pra emitir a declaração de vacinação, documento necessário pra matrícula escolar. Mas pais relataram que postos de saúde estariam exigindo a vacinação da covid-19 em crianças acima de 12 anos pra entrega do documento.

A exigência teria provocado aglomeração nos postos por famílias que foram atrás da declaração, inclusive com relatos de que pais foram obrigados a aceitar a vacina pra garantir o documento da matrícula. A secretaria de Educação esclareceu que os pais têm que apresentar a carteira de vacinação, mas não há obrigatoriedade pra vacina da covid-19. Nos postos, as equipes estariam sensibilizando os pais à vacinação.

Os critérios das matrículas preveem o comprovante de vacinação pra covid-19 no ensino fundamental, mas só no caso de o estudante já ter sido vacinado. A vigilância Epidemiológica esclareceu que desde 2018 a declaração de vacinação é uma exigência para matrícula e rematrículas na rede Municipal.

O documento serve pra comprovar se a criança está com as vacinas em dia. “O documento foi implantado como uma estratégia para ampliar a cobertura das vacinas de rotina estabelecidas pelo calendário Nacional de Imunização, como sarampo, poliomielite, varicela, meningite, entre outras”, informa.

Continua depois da publicidade



Sobre o comprovante da vacinação contra Covid-19 para adolescentes com 12 anos ou mais, a secretaria disse que ele não é obrigatório e deve ser entregue apenas se o aluno foi vacinado, para fins de registro da unidade escolar. “A vacina contra o coronavírus não é obrigatória para entrega da declaração de vacinação”, frisa a secretaria.

Cidades seguem lei estadual

Na rede estadual, a coordenadora Regional de Educação, Cleonice Berejuk, informa que o plano de matrícula pede a comprovação de vacinação como é feito todos os anos, mas não faz menção específica à imunização contra a covid-19.

Ela ressaltou que, como essa vacina não é obrigatória, ainda não há como cobrar o comprovante. A secretaria de Educação informou que a equipe técnica “ainda está em tratativas” com a secretaria de Saúde sobre a exigência da vacinação pra covid nas escolas.

Por enquanto, segue valendo a lei 17.821/2019 que trata da apresentação da carteira de vacinação. “Mas a não apresentação da mesma não proíbe a matrícula. Essa é a base legal que os municípios estão se guiando”, informou a secretaria Estadual de Saúde. Em Balneário Camboriú, a carteira de vacinação é exigida pra matrícula, mas também sem obrigatoriedade pra vacina da covid.

No estado, pra a aplicação da vacina da Pfizer, única liberada pra adolescentes, os pais precisam assinar um termo de consentimento autorizando a vacinação. Esse termo, porém, não é necessário pra matrícula, sendo exigência do governo pra liberação da vacinação de adolescentes.

 

Segundo advogada, exigência pra matrícula é legal

Advogada diz que pais devem zelar pela saúde das crianças

O programa Nacional de Imunização (PNI) estabelece a obrigatoriedade da vacinação desde 1970. Embora a vacina da covid-19 ainda não seja obrigatória no calendário vacinal, o estatuto da Criança e do Adolescente (ECA) diz que é obrigatória a vacinação das crianças nos casos recomendados pelas autoridades. O descumprimento dos pais pode levar até a perda da guarda dos filhos.

A presidente interina da OAB de Balneário Camboriú, advogada Emanuelle Ormeneze, analisou que há fundamentos tanto pra exigência como pro direito não se vacinar. Ela lembrou que, na pandemia, o governo federal sancionou lei que prevê a vacinação compulsória entre as medidas de combate à doença.

A discussão da obrigatoriedade chegou até o supremo Tribunal Federal, que julgou que a vacinação obrigatória já existe desde a criação do PNI. Emanuelle destaca, porém, que a obrigatoriedade não significa vacinação forçada. “É certo que a questão de se vacinar ou não reflete em um direito pessoal e autônomo de cada indivíduo, no entanto, é pertinente mencionar que também envolve matéria de ordem pública apta a reduzir substancialmente os óbitos ocasionados pelo novo coronavírus”, destacou.

No caso das crianças, a advogada frisa que os pais ou responsáveis devem zelar pela saúde dos filhos, os vacinando, sob risco das punições legais. “Conclui-se, portanto, que o Estado está autorizado e apto a exercer a vacinação obrigatória de toda a população por meio da aplicação de medidas indiretas, como por exemplo, exigir a comprovação da vacinação dos menores no momento da rematrícula para o ano letivo de 2022”, diz.

Segundo a advogada, essa exigência não representaria abuso ou ilegalidade. “Diante de uma crise excepcional de saúde pública e da relatividade dos direitos fundamentais de cada um, certas liberdades podem e devem ser suprimidas, priorizando o interesse público”, completa a especialista.

 

Pai denunciou obrigação

No bairro Santa Regina, o pai de duas crianças denunciou que o posto de saúde estaria exigindo a vacina a partir de 12 anos pra entregar a declaração de vacinação pra matrícula. Além disso, a assinatura do termo de consentimento pra aplicação da vacina tava sendo imposta aos pais.

“Somente depois que fiz a denúncia à vigilância e ao setor epidemiológico que elas voltaram atrás e me liberaram a declaração sem obrigação de vacina”, disse. Conforme ele, vários pais deram a autorização pra vacina mesmo contrariados, só pra garantir a declaração necessária pra matrícula dos filhos.

Devido à procura pelo documento, moradores relataram lotação nos postos do Santa Regina e no Jardim Esperança, no bairro Cordeiros, com aglomeração na entrada e demora no atendimento. No posto de Cordeiros, a fila chegou até o portão.

Conforme a prefeitura, para evitar aglomerações nas unidades de saúde, a secretaria de Educação ampliou nessa semana o prazo para entrega da declaração de vacinação até o dia 7 de fevereiro de 2022. O cronograma de matrículas começou na segunda-feira e segue até dia 4 de fevereiro.




Comentários:

Somente usuários cadastrados podem postar comentários.

Para fazer seu cadastro, clique aqui.

Se você já é cadastrado, faça login para comentar.


Envie seu recado

Através deste formuário, você pode entrar em contato com a redação do DIARINHO.

×





54.211.101.93

Últimas notícias

Navegantes

Motociclista morre ao invadir contramão da BR 470

Itajaí

Motorista passa direto em cruzamento e causa acidente no centro

Novo sucesso

Vitor Kley lança versão acústica de "O Amor Machuca Demais"

Santa Catarina

Matriz de risco da covid aponta 13 regiões no nível moderado

Reconhecimento

Prêmio Fritz Müller é entregue a entes públicos e privados que aliam sustentabilidade e produção

Chegou a hora

Temporada de verão abre neste sábado em BC

Acidente

Carro invade trevo de acesso à Itajaí

Olho na sorte

Mega-Sena pode pagar prêmio de R$ 16 milhões neste sábado

Pandemia 

Penha cancela réveillon e programação de shows nacionais  

São Chico 

Suspeito de estuprar senhora com uso de vibrador é preso no litoral



Colunistas

JotaCê

Novo tempo

Jackie Rosa

Um café daqueles...

Via Streaming

“Raised by Wolves”

Na Rede

Na Rede

Instituto Ion | Informando e Inovando

O PIX veio para ficar ou não?

Canal 1

SBT tem uma cartilha de mudanças para os próximos tempos

Coluna Adjori SC

Abaixo-assinado cobra mais atenção para as rodovias federais catarinenses

Coluna Esplanada

O “terrível” Grandioso

Espaço InovAmfri

Dados para salvar o meio ambiente

Clique diário

Paisagem

Coluna esquinas

Ferida aberta

Coluna do Janio

Boas notícias no Marinheiro

Coluna Tema Livre

Corrida presidencial

Coluna Exitus na Política

Sonhos em Tarimbas

Coluna do Ton

Inauguração

Coluna Fato&Comentário

“Anuário de Itajaí”- edição especial

Coluna do Frei Betto

Império do medo

Artigos

Um tributo à verdade



TV DIARINHO


Entrevistão Rodrigo Fernandes Juiz do Tribunal Regional Eleitoral de Santa Catarina





Especiais

Meio Ambiente

Juarez Müller, o homem das árvores e flores, recebe homenagem na Câmara de Vereadores

Escotismo

Grupo Lauro Müller volta renovado após quase dois anos de incertezas

REGIÃO

Confira a lista das escolas particulares

SESC/SENAI

Escola S alia grade curricular básica ao ensino tecnológico e bilíngue

Colégio Energia

Líder em aprovação, Energia acumula 25 anos de credibilidade, qualidade e inovação



Blogs

Blog do JC

Instagram de controlador da prefa de Penha é hackeado

A bordo do esporte

Contagem regressiva de sete meses para a Globe 40

Blog Doutor Multas

Recurso suspensão CNH: como fazer?

Blog do Ton

Líbere Fashion Show

Blog da Ale Francoise

Você conhece a seiva do dragão?

Blog da Jackie

BALNEÁRIO FASHIOW foi SHOW

Blog Clique Diário

Ilha das Cabras - Balneário Camboriú

Bastidores

Um olhar sobre o teatro de escola



Entrevistão

Rodrigo Fernandes

"Os jovens, com certeza, têm a capacidade e o potencial de mudar o resultado de uma eleição”

Érica Becker e Pedro Junger

“Já tem dados que comprovam que o ser humano está ingerindo o próprio plástico que insere nos oceanos”, Érika Becker

Ciro Gomes

"O brasileiro tá pagando agora o preço do derivado de petróleo, da gasolina, em dólar”

Guido Petinelli

O melhor empreendimento é aquele que enriquece o bairro.”



Hoje nas bancas


Folheie o jornal aqui ❯