Matérias | Entrevistão


Ciro Gomes

"O brasileiro tá pagando agora o preço do derivado de petróleo, da gasolina, em dólar”

Vice-presidente Nacional do PDT

Redação DIARINHO [editores@diarinho.com.br]

(fotos: FOTOS: MARCOS PORTO)



Ciro Gomes completa, neste sábado, 64 anos de idade, sendo que mais de três décadas de sua existência são dedicadas à política. Um dos desejos de Ciro Gomes é se tornar presidente do Brasil. Na semana passada, o vice-presidente Nacional do PDT passou por Itajaí e fez uma palestra na Univali. Em entrevista à jornalista Franciele Marcon, Ciro falou sobre os seus projetos para governar o Brasil, teceu duras críticas ao atual presidente Jair Bolsonaro, mas não poupou o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva. Também atacou o ex-juiz e ex-ministro da Justiça, Sergio Mouro. Ciro foi confrontado sobre a falta de apoio a Fernando Haddad, na eleição de 2018, quando Bolsonaro foi eleito. Ele ainda avaliou o processo de privatização do porto de Itajaí e da Petrobras, além da alta no preço dos combustíveis e dos derivados de petróleo. A entrevista foi concedida ao DIARINHO uma semana antes de Ciro anunciar a suspensão de sua pré-candidatura. Ele decidiu tirar o time de campo porque a bancada do PDT contribuiu para que a PEC dos Precatórios, do governo federal, fosse aprovada em primeira votação. A candidatura está suspensa até que a bancada reavalie a posição e mude o voto no segundo turno. O presidente do PDT, Carlos Luppi, já adiantou que a candidatura de Ciro é irreversível. O leitor pode acompanhar a entrevista completa com Ciro Gomes no portal Diarinho.net e nas redes sociais. 


BASE POPULAR DO CIRO GOMES

Continua depois da publicidade



Ciro Gomes: Eu tô tentando unir todo o Brasil que trabalha e o Brasil que produz. A minha base social é o mundo empresarial de médio e pequeno portes. As pequenas e médias empresas de capital nacional. A agricultura familiar que já se compenetrou de introduzir a mecânica da sustentabilidade nas suas práticas produtivas. E o mundo do povão. Essa classe emergente, que mora na favela, que vai para o trabalho junto com dois colaboradores no mesmo carro, e que é um mundo completamente diferente. Porque o PT, você tem razão, nasce da expressão organizada do sindicalismo de classe média, bancários, servidores públicos e metalúrgicos de São Paulo. Eu brincava com o Lula que, com o salário de um metalúrgico de São Paulo, a pessoa entra pela porta da frente do Clube Náutico Atlético Cearesene, que é da classe média do Ceará. Mas essa estrutura tá morrendo, e o PT não se reciclou. Eu falo pra esse mundo emergente, do microempreendedor da favela, especialmente, o jovem que faz a ponta da lança do Projeto Nacional de Desenvolvimento.

FALTA DE POSICIONAMENTO NO SEGUNDO TURNO DA ELEIÇÃO DE 2018

Ciro Gomes: Eu escolhi! Na noite do dia da eleição, eu escolhi um lado, o lado que o meu partido determinou, apoio crítico ao Haddad contra o Bolsonaro. Eu tomei lado na mesma hora. O que eu não fiz, e não farei jamais, é campanha junto com aquilo que considero uma quadrilha de assaltantes: a burocracia do PT. Pra mim, a burocracia do PT, liderada pelo Lula, não merece respeito moral. E desastrou o país. Na minha opinião, se a gente perguntar porque nós temos essa tragédia chamada Jair Messias Bolsonaro na presidência da República, é impossível sem compreender as consequências da tragédia econômica e moral que o Lula produziu no Brasil.

ARREPENDIMENTO DE TER IDO PRA PARIS

Continua depois da publicidade



Ciro Gomes: Em absoluto. Mas eu quero só corrigir: eu fui pra Portugal. E voltei pra votar. Eles mentem. Agora, vamos recuperar a história, minha irmã. O Lula, descaradamente, de dentro da cadeia, mentiu para o povo brasileiro que era candidato. Você não lembra disso? Ele, de dentro da cadeia, mentiu dizendo que era candidato e enganou a população brasileira até 24 dias antes da eleição. Aí, escolhe como candidato, para substituí-lo nessa fraude, um camarada que, um ano antes, tinha perdido a reeleição em São Paulo em todas as urnas. E eu que sou o responsável por essa contradição? Eu tava, lá, na eleição. Fui pro debate na Globo, com a sonda pendurada na perna, depois de uma cirurgia, pra não faltar ao debate. Me sacrifiquei como ninguém. No primeiro turno, o PT só se lembrava de me atacar. Não tem uma frase do PT contra o Bolsonaro, como tá acontecendo hoje. Porque o Lula depende que o país se desastre, que a situação seja uma situação trágica, pra que a gente vote nele à força, esquecendo que ele é o responsável pelo Geddel [Vieira Lima], pelo [Antonio] Palocci, pelo Eduardo Cunha, pelo Michel Temer. Ou fui eu que nomeei? É uma pergunta simples: fui eu que nomeei o Palocci? O Palocci é um acidente? Palocci é fundador, braço direito! E, agora, nós vamos chamar o nosso povo de fascista, de gado?! 70% do povo de Santa Catarina é fascista? É gado? Que o PT sustente isso! Eu tô em outra...

CHAPA COM ACM PARA A ELEIÇÃO DE 2022

Ciro Gomes: Olha, vice, no caso brasileiro, é produto de algumas variáveis que não estão dadas ainda. A amiga está intoxicada, e é natural a grande mídia estar assim, com a ideia de que a eleição de 2022 já está polarizada. Eu, que tenho estrada, nunca vi pesquisa a tal distância do pleito revelar o que vai acontecer. Pode até ser que aconteça, sempre é possível, mas eu nunca vi. E é fácil... Vocês vão no Google e vejam o que as pesquisas de outubro de 2017 diziam das eleições. Nenhum de nós dava um centavo furado pela possibilidade de um deputado obscuro, do baixo clero, virar presidente do Brasil. Porque a polarização, na época, que eles diziam, era o Alckmin contra o Lula. O Alckmin perdeu pra mim não foi no Brasil, perdeu pra mim em São Paulo. Porque a democracia é uma coisa maravilhosa. Tem um elemento que se chama “povo”. E sabe o que tá acontecendo com esse elemento chamado povo? Está passando a vida que o diabo amassou no pão. Sofrendo desemprego, a humilhação do SPC, sofrendo medo, sofrendo a violência, sofrendo o luto de 608 mil pessoas que morreram de covid. E não tem nenhuma centralidade, neste momento, na cabeça do povo de eleição. Quando a eleição começar, o debate, aí, nós vamos ver. Aí, nós vamos ver...

SÉRGIO MORO NA POLÍTICA

Ciro Gomes: Eu acho é que precisamos ajudar o povo brasileiro a entender que o Sérgio Moro é uma grande doença que aconteceu no Brasil. E veja, eu não tô falando da retórica dele, que é o combate à corrupção. Combate à corrupção é central, na necessidade de mudança no Brasil. Eu falo isso com certa autoridade, porque tenho 40 anos de vida pública. Fui ministro duas vezes da República. Fui governador de um estado, prefeito de uma capital, parlamentar estadual, parlamentar federal. Fui secretário de estado, e nunca respondi por uma acusação de corrupção na vida. O que é absolutamente raro. Porque sempre me comportei com decência, nunca deixei roubar e nunca roubei. Isso nada mais é que a minha obrigação. Mas isso me dá autoridade pra dizer: como é que pode alguém, que é juiz, entrar pra política? É uma coisa simples de entender. Qual é a lógica de um juiz? O juiz tem uma tarefa divina, já se diz, isso é minha profissão, é o Direito, de julgar o semelhante. A lei e a moral exigem que esse cidadão, que está exercitando uma função divina de julgar o semelhante, seja isento. A política é o oposto da isenção, concorda comigo? Eu sou do PDT. Olho tudo do mundo pelo filtro da minha paixão, que é o PDT. E sou tratado como adversário de quem pensa diferente, o que é normal. Numa democracia, a gente se apresenta, minha ideia, minha proposta, meus companheiros. E o eleitorado, livremente, bem informado por uma imprensa livre, informa e as pessoas escolhem. Como é que pode um juiz, isso que é o que a gente precisa parar pra pensar, um juiz condenar um político. Esqueça quem é o político. Condena o político, tira o político da eleição e, depois, vai ser ministro do político que ganhou a eleição, porque o outro político não tava na eleição. Isso é corrupção! Depois, porque ele faz esse movimento, para além de ser um suspeito, como o Supremo Tribunal decretou, eu já tinha dito isso mil vezes antes, ele aceita uma proposta de vantagem ilícita. O nome disso é corrupção passiva. Está no Código Penal. Se ele tivesse recebido um saco de dinheiro, todo mundo entendia o que eu tô falando. Ele não recebeu um saco de dinheiro, mas recebeu uma promessa de cargo vitalício no Supremo Tribunal Federal. Todo mundo sabe que isso é verdade. Isso também é uma promessa de vantagem ilícita, corrupção passiva. Depois, vira ministro de um governo, e todos os movimentos que ele fez foi para acobertar os filhos do Bolsonaro. Bandidos, os filhos corruptos do Bolsonaro, as imprudências do Bolsonaro e a manipulação do Bolsonaro. E, depois, trai o Bolsonaro, como o verme que ele é. Porque, aqui pra nós, ele não saiu do governo por conta de divergência orgânica, funcional, programática ou moral com o Bolsonaro. Saiu por oportunismo. Porque viu o Bolsonaro se desmoralizando e resolveu, como um rato que ele é, fugir do barco. Esse daí é um elemento que tira a legitimidade, não faz juízo de conveniência nenhuma. Porém, mas grave, e eu duvido que ele seja candidato a presidente, porque eu ponho o dedo no nariz dele, porque o Sérgio Moro, meu irmão, está a serviço das estruturas de inteligência estrangeiras. O Sérgio Moro fez tudo o que fez, aqui no Brasil, escorado, de forma ilegal, na CIA e na NSA, que são agências norte-americanas. Isso tudo tá demonstrado. Usou a CIA, usou o FBI, fora dos canais oficiais, de forma clandestina. E, hoje, o Sérgio Moro trabalha para uma empresa norte-americana, sediada em Washington D.C., a capital do Estados Unidos, que simplesmente administra a massa falida da Norberto Odebrecht, que ele quebrou. Isto pode aspirar, com que autoridade, à presidência do Brasil? Não permitirei isso.

SANTA CATARINA E BOLSONARO

Ciro Gomes: Com muito respeito e conhecendo a história deste grande povo catarinense, Santa Catarina deu vitória ao Leonel Brizola. É o mesmo estado, com a mesma tradição de severidade, de decência, de trabalho, de religiosidade. Um estado etnicamente maravilhoso, melting pot [caldeirão], a maior miscigenação de imigrantes, de brasileiros de todo tipo. Uma economia diversificada. É um povo que olha a política com um certo distanciamento. Porque é um povo que desenvolveu um sentimento de autoajuda, de resolver seus desafios por si mesmo. E, portanto, vota com liberdade. Se o Brizola ganhou aqui, não tem defeito genético aqui. Eu me recuso a essa ideia petista de que Santa Catarina é um estado de direita. Nada disso. Eu, sendo ex-governador, tenho uma amizade com todas as grandes lideranças, inclusive do campo conservador, de Santa Catarina. Fui colega do Vilson Kleinübing, fui muito amigo do Luiz Henrique da Silveira. Fui colega do Vilson Kleinübing, vivíamos os dois juntos, trabalhando, vim pra cá muitas vezes. Sou amigo do Luiz Henrique. O [Fernando] Coruja foi meu colega, deputado, nós somos muito amigos. O Jorge Bornhausen me apoiou em 2002, fiz comício com ele aqui. Vou conversar com o povo de Santa Catarina. Vou conversar com às suas lideranças e pedir a Deus que ilumine a minha palavra.

 

O Bolsonaro é um grande mentiroso e um grande incompetente”

 

PAULO GUEDES, INFLAÇÃO, SELIC, GÁS E GASOLINA

Ciro Gomes: Eu sou o único pré-candidato que tem um projeto, ou as bases de um projeto, lançado, escrito num livro, com detalhes. Tem um livro chamado “Projeto Nacional: o dever da esperança”, em que examino, faço um diagnóstico, o que vai me guiar no debate. O que aconteceu pra economia brasileira, a que mais crescia no mundo, e, agora, é a que menos cresce? Nós tínhamos uma inflação debelada, e eu ajudei a fazer o Plano Real. Agora, a inflação volta com tanta força. Porque o Brasil tem, consistentemente, há três décadas, a taxa de juros mais alta do mundo? Está tudo explicadinho ali. Isso não é acidente. O Brasil tinha um projeto nacional de desenvolvimento chamado “nacional desenvolvimentismo”. Esse projeto dependia de duas pernas que morreram: o financiamento externo, de longo prazo, de juros baratos e a lentidão da velocidade tecnológica. Quando, em 79, os juros internacionais explodiram e a tecnologia começou a ter esse efeito de disruptura das práticas produtivas, o Brasil tinha uma ditadura, e nós não tínhamos como debater a solução. Quando a democracia veio, o colapso do modelo introduziu a emergência da inflação. Nós enfrentamos a inflação como emergência, sem resolver o problema do modelo que tinha morrido. Fizemos uma espécie de antipirético, digamos assim. O Plano Real era sério, bem intencionado. Mas era só pra tirar a febre, para preparar o país pra uma coisa. O Fernando Henrique fraudou essa coisa. Porque o Real teve tanta popularidade que ele introduziu a reeleição e quebrou o país. Aí ,vem o Lula, beija a cruz, assina a Carta aos Brasileiros, e replica o mesmo modelo. O Lula diz: “O Ciro me ataca”. Eu não tô atacando, meu irmão! Eu tô respondendo a sua pergunta. Se não entender o problema, não acha a solução jamais. Qual é o modelo econômico do Fernando Henrique: câmbio flutuante, superávit primário, meta de inflação. Qual é o modelo do Lula? Câmbio flutuante, superávit primário, meta de inflação. Qual o modelo do Bolsonaro? Câmbio flutuante, superávit primário, meta de inflação. [Qual o modelo do Ciro?] O meu modelo é meta de crescimento, de reindustrialização do país, capacitação da mão de obra e dizer de onde vem o dinheiro para financiar isso. Eu tenho uma proposta de reforma tributária com começo, meio e fim. Digo de onde virão R$ 3 trilhões, em 10 anos, pra fazer a revolução da virada, da retomada do desenvolvimento brasileiro.

REFORMA TRIBUTÁRIA

Ciro Gomes: O grande problema do Brasil é o conflito distributivo. Vamos lá, qual é a minha proposta? No Brasil, e apenas no Brasil e na Estônia, os empresários que sacam lucros e dividendos da Petrobrás não pagam um centavo de imposto. Eu vou introduzir o imposto de renda à pessoa física sobre lucros e dividendos empresariais. Com isso, eu arrecado R$ 70 bilhões por ano; em 10 anos, R$ 700 bilhões. O mundo inteiro faz. Eu já fiz quando fui Ministro da Fazenda, e o Lula e o Fernando Henrique revogaram com retórica de esquerda. Agora estão distribuindo, da Petrobras, R$ 32 bilhões do trimestre. E os caras vão meter R$ 32 bilhões no bolso livre de imposto. E você chega, no fim do mês, com mil contas pra pagar, e, quando recebe seu salário, morre com 27,5%. A propósito, quando eu fui Ministro da Fazenda, e vou reintroduzir, eu criei uma faixa de progressividade do imposto de renda maior. Reduzir o imposto pra classe média e aumentar o tributo dos supersalários de um milhão, R$ 1,5, R$ 2 milhões, para 35%. Quem é que propõe isso? Só eu. [...] O mundo inteiro cobra tributos, com alíquota moderada sobre os grandes patrimônios, e o Brasil não cobra. Se eu cobrar meio por cento nos patrimônios acima de R$ 20 milhões, eu tô dando detalhes da minha proposta, que é a única que tá no mercado. Eu arrecado R$ 60 bilhões e cobro, sabe de quantas pessoas? 58 mil.

COMBUSTÍVEIS E ICMS COBRADO PELOS ESTADOS

Ciro Gomes: O Bolsonaro é um grande mentiroso e um grande incompetente. Porque o Bolsonaro não consegue explicar que o ICMS é, por regra, 27% sob o combustível há três décadas. E não mudou. E o barril de petróleo, esse varia pra mais e pra menos. No Brasil, só sobe. O ICMS é uma incidência percentual sob a base que a Petrobras cobra. Ele insulta a dignidade e a inteligência do povo brasileiro, porque todo mundo percebe o dia em que começou essa tragédia. E ela começou quando? Com Michel Temer, colocado na linha de sucessão brasileira pela irresponsabilidade política do Lula. Eles querem que a gente esqueça isso. Mas quem foi que trouxe o Michel Temer pra ser vice da Dilma? O último deputado mais votado de São Paulo era o Michel Temer. Corrupto, ligado à corrupção do Porto de Santos. O Lula bota o Michel Temer, que faz um golpe e assume. Quando assume, nomeia um cidadão chamado Pedro Parente. Eu tô dizendo isso para as pessoas pesquisarem. Aí, o Pedro Parente reúne o conselho de administração. Bolsonaro diz: “Ah, eu não posso fazer porque a lei...”. Mentira do Bolsonaro. Bolsonaro é um mitomaníaco. O escalão que definiu essa política de preço foi uma reunião, cuja ata eu tenho nas mãos, do conselho de administração da Petrobras, em que ele diz: “Nós vamos mudar, a partir de agora, a política de preço da Petrobras”. Qual é a política de preço da Petrobras, desde que ela foi criada em 1954? É a política de preço do formador de preço do restaurante de Itajaí. Custo mais rentabilidade. Não é assim que se calcula o preço das coisas? Pois bem, a Petrobras, desde 1954, fazia custo Petrobras, em real, mais o lucro em real. Porque ela tira o petróleo do Brasil, paga o salário dos funcionários da Petrobras em real, paga os impostos em real e recebe no posto de gasolina em real. Qual é a razão pra ser outra política? O que se faz, nesse dia, numa reunião do conselho, agora vai ser assim: “Nós, ao invés de vender o barril de petróleo pelo custo na produção no Brasil, nós vamos vender pelo preço de oportunidade que teríamos se vendêssemos no estrangeiro. A gente tira um barril de petróleo do pré-sal, por 15 dólares, e o barril de petróleo, nesse mesmo dia, que custou 15 dólares pra nós, está sendo vendido a 80, 60, 70 dólares em Rotterdam. E, aí, tira 15, bota 80, bota 70, bota 60...”. Começou a tragédia...  [...] O brasileiro tá pagando, agora, o preço do derivado de petróleo, da gasolina, em dólar. Como é que eu faria? Uma reunião do Conselho de Administração para dizer, doravante, vai ser como era antes.

 

Sérgio Moro é uma grande doença que aconteceu no Brasil”

 

PETROBRAS x PRIVATIZAÇÃO

Ciro Gomes: No mundo, minha irmã, petróleo é um elemento absolutamente essencial. Seja porque é sensível, estratégico. É com petróleo que você movimenta a sua máquina de defesa, por exemplo. É com petróleo que você faz os insumos da sua indústria, por exemplo. É com petróleo que você ativa a sua economia ou paralisa a sua economia. Nenhum país sério do mundo entrega essa política, essa sensibilidade ao capital privado estrangeiro. Nenhum. (...) Os americanos vão à guerra por conta do provimento do abastecimento delas e tal. Qual é o lugar do Brasil? Entregar essa coisa para os outros ou ter a nossa companhia integrada como é o nosso plano estratégico? Evidentemente, que é integrá-la. Se não, não existe Brasil, não existe soberania nacional. E, basicamente, nós vamos destruir a nossa autonomia em matéria de formação de preço. Percebe? Porque, na hora que a gente privatizar, essa política de preço não será mais resolvida por um conselho de administração controlado pelo estado. Será resolvida assim mesmo como está. Essa é a sequela da privatização.

DESESTATIZAÇÃO DO PORTO DE ITAJAÍ

Ciro Gomes: Eu presidente, quem decide é o município. Aquilo que o município de Itajaí achar que é prudente e oportuno será feito. Porque eu não tenho nada contra a privatização da telefonia, por exemplo. Quando foi feita a privatização, eu fui a favor. Mas eu sabia por que. Qual é a minha questão na telefonia. É que o marco regulatório e a agência reguladora da telefonia colapsaram. Qual era a ideia no princípio? Era você privatizar, dividir a Telebras em grandes blocos regionais e criar empresas espelho para dinamizar a competição. Este era um modelo muito bom. Porque é um setor que é extremamente intensivo de tecnologia. Agora vai vir o 5G, vai mudar tudo. O estado não tem as agilidades, nem institucionais e nem financeiras, para fazer. Fiscalizar isso é muito fácil... Pois bem, o que aconteceu? Privatizaram, e fracassou o modelo. Nós não temos as empresas espelho, as agências foram corrompidas e nós cartelizamos, dramaticamente, o sistema de telefonia no Brasil. Resultado prático: a tarifa hoje do Brasil de celular é a mais cara do mundo. Está dolarizada também, na prática, que é o IGPM. Vamos reestatizar a telefonia? Não! É preciso regular melhor. Às vezes, a tarefa é regular melhor. Não tenho nada contra. Agora, um porto. Um porto é uma coisa que pode ser privada, não vejo religiosidade, não tenho preconceito nenhum, pode ser, sem problema nenhum. Ele vai cumprir a estratégia para a qual ele existe? A privatização vai ser decente? Vai remunerar o imobilizado dinheiro público histórico que foi feito? As autoridades locais tão de acordo? Porque vira um monopólio, concorda? Monopólio já precisa ser regulado. Porque monopólio é o seguinte, se você quer exportar por Itajaí, vai morrer na minha tarifa. Eu me acerto com o outro lado da baía, que tá, aí, competindo, são dois empresários. Se eu virar privado aqui, o outro é privado já. Eu me reúno com ele, em um jantar lá em Fortaleza, e combinamos: “Ô, quem quiser sair por Itajaí morre na nossa mão”. Eu meto uma tarifa artificial e você vai se queixar pro Papa. Ninguém pode pensar em privatização como elemento religioso como esse mundo faz. Hoje, a autoridade portuária é o município de Itajaí. Qual é a eficiência do Porto de Itajaí? Consta ser uma das melhores do Brasil. Tem ineficiência? Aponte, vamos corrigir. Então, continua, pra que mudar?! Agora, não. O município acha que tem que privatizar? Tá bom, a autoridade portuária tem que fazer. Qual é a preocupação regulatória? É como é que não vai deixar o empresariado, todo mundo da logística, que morre aqui, ficar na mão de um monopólio privado.

VOTO DE PROTESTO E AS CONSEQUÊNCIAS

Ciro Gomes: Claro que o povo votou pra protestar. O que eu vou tentar dizer é que não é possível que a gente use o voto, mesmo sendo magoado, que a gente use o voto com essa pressa, com esse descuido. Porque, se a gente jogar uma pedra numa vitrine pra protestar, a vitrine quebra, e você conserta. Mas você usar o seu voto pra destruir o outro, despreocupado com o país, com a política econômica, com a estratégia de desenvolvimento, sem olhar a biografia do cara. Francamente, o Bolsonaro é um picareta. 28 anos integrando o baixo clero. Picareta, corrupto. Roubava dinheiro da gasolina, ensinou os filhos a roubar, ensinou a ex-mulher a roubar. O Bolsonaro é um incompetente, um desastrado, mentiroso. E interpretou com fidelidade a propaganda que dizia que ele era a solução para a imoralidade, a corrupção e o desastre econômico do PT. Ok, eu entendo. Mas foi um erro. E eu digo, com muito respeito, com muita humildade, vamos corrigir o erro como? Voltando ao passado que deu caos a essa tragédia? O que eu vou propor ao povo brasileiro é: “Vamos cortar essa corrente que nos amarra nessa bola de chumbo ao passado. Você votar no Bolsonaro pra se livrar do Lula e, agora, votar no Lula para se livrar do Bolsonaro. Só tem uma vítima: o Brasil. Vai se liquidar o Brasil. Vou tentar fazer o que tiver ao meu alcance, pedindo a Deus que ilumine a minha palavra, trabalhando de manhã, de tarde, de noite e de madrugada para construir um caminho.

 

Raio X

NOME: Ciro Gomes

 

Natural: Pindamonhangaba/SP

 

Idade. 64 anos

 

Estado civil: casado

 

Filho: quatro filhos

 

Formação: advogado, professor universitário e político brasileiro filiado ao Partido Democrático Trabalhis-ta (PDT)

 

Trajetória:  atual vice-presidente Nacional do PDT; deputado federal pelo Ceará (2007/2011); ministro da Integração Nacional do Brasil (2003/2006); ministro da Fazenda do Brasil (1994/1995); governador do Ceará (1991/1994); prefeito de Fortaleza (1989/1990) e deputado estadual do Ceará (1983/1989)




Comentários:

JORGE66 Reis

13/11/2021 17:10

Uma vergonha falar que o brasileiro paga a gasolina em dólar , não só nós como o mundo inteiro está pagando ! Santa Catarina é o Brasil que dá certo porque é direita sim !

Somente usuários cadastrados podem postar comentários.

Para fazer seu cadastro, clique aqui.

Se você já é cadastrado, faça login para comentar.


Envie seu recado

Através deste formuário, você pode entrar em contato com a redação do DIARINHO.

×





54.158.251.104

Últimas notícias

BALNEÁRIO

Tradicional festa de Iemanjá é cancelada

TRISTEZA

Criador do “carro Balada” perde tudo em incêndio

Decisão judicial

Beach clubs de Jurerê Internacional vão ter que demolir estruturas construídas após 2005

Camboriú

Moradores reclamam do abandono de rua em loteamento

Acidente grave

Jogador do Flamengo atropela ciclista que morre a caminho do hospital

Balneário 

Prefeitura vendeu área de praça recém-urbanizada

ITAJAÍ

Noivos usam Chevette 78 conversível em festa de casamento

Entenda

Tarifa Social de Energia Elétrica tem novas regras

Investigação

Motorista de aplicativo é suspeito de furtos na região

Penha

Morre a segunda vítima do atropelamento no ponto de ônibus



Colunistas

JotaCê

Novo tempo

Jackie Rosa

Um café daqueles...

Via Streaming

“Raised by Wolves”

Na Rede

Na Rede

Instituto Ion | Informando e Inovando

O PIX veio para ficar ou não?

Canal 1

SBT tem uma cartilha de mudanças para os próximos tempos

Coluna Adjori SC

Abaixo-assinado cobra mais atenção para as rodovias federais catarinenses

Coluna Esplanada

O “terrível” Grandioso

Espaço InovAmfri

Dados para salvar o meio ambiente

Clique diário

Paisagem

Coluna esquinas

Ferida aberta

Coluna do Janio

Boas notícias no Marinheiro

Coluna Tema Livre

Corrida presidencial

Coluna Exitus na Política

Sonhos em Tarimbas

Coluna do Ton

Inauguração

Coluna Fato&Comentário

“Anuário de Itajaí”- edição especial

Coluna do Frei Betto

Império do medo

Artigos

Um tributo à verdade



TV DIARINHO


Entrevistão Rodrigo Fernandes Juiz do Tribunal Regional Eleitoral de Santa Catarina





Especiais

Meio Ambiente

Juarez Müller, o homem das árvores e flores, recebe homenagem na Câmara de Vereadores

Escotismo

Grupo Lauro Müller volta renovado após quase dois anos de incertezas

REGIÃO

Confira a lista das escolas particulares

SESC/SENAI

Escola S alia grade curricular básica ao ensino tecnológico e bilíngue

Colégio Energia

Líder em aprovação, Energia acumula 25 anos de credibilidade, qualidade e inovação



Blogs

Blog do JC

Instagram de controlador da prefa de Penha é hackeado

A bordo do esporte

Contagem regressiva de sete meses para a Globe 40

Blog Doutor Multas

Recurso suspensão CNH: como fazer?

Blog do Ton

Líbere Fashion Show

Blog da Ale Francoise

Você conhece a seiva do dragão?

Blog da Jackie

BALNEÁRIO FASHIOW foi SHOW

Blog Clique Diário

Ilha das Cabras - Balneário Camboriú

Bastidores

Um olhar sobre o teatro de escola



Entrevistão

Rodrigo Fernandes

"Os jovens, com certeza, têm a capacidade e o potencial de mudar o resultado de uma eleição”

Érica Becker e Pedro Junger

“Já tem dados que comprovam que o ser humano está ingerindo o próprio plástico que insere nos oceanos”, Érika Becker

Ciro Gomes

"O brasileiro tá pagando agora o preço do derivado de petróleo, da gasolina, em dólar”

Guido Petinelli

O melhor empreendimento é aquele que enriquece o bairro.”



Hoje nas bancas


Folheie o jornal aqui ❯