Matérias | Geral


Não entre nessa

Campanha fará alerta contra “escolha” de vacina da covid-19

Preferência das pessoas pelas doses da Pfizer não tem justificativa científica; orientação é se vacinar com doses disponíveis

Redação DIARINHO [editores@diarinho.com.br]

Órgãos de saúde e prefeituras informam que todas as vacinas são eficazes e eventuais reações são monitoradas (Foto: Divulgação/Secom SC)


A diretoria da Amfri prepara uma campanha para estimular a vacinação na região e orientar as pessoas que tem deixado de se vacinar por preferirem as doses da Pfizer em relação as da Coronavac e AstraZeneca. A ideia é destacar a importância da vacinação, independentemente da marca, e incentivar ainda a procura pela segunda dose. No estado, o governo lançou a campanha “Eu escolhi ser vacinado”, também reforçando as orientações.


A “escolha” pela vacina da Pfizer tem sido um problema enfrentado pelos municípios país afora, diante da alegação de menos reações adversas e mais eficácia que as outras. Os municípios da região não têm registros de recusa, mas confirmam que o comportamento de querer “escolher” a vacina está ocorrendo. Segundo a Amfri, há casos de pessoas que se negaram a tomar a vacina disponível nos postos porque não era a da Pfizer.

Continua depois da publicidade



A entidade diz que a imunização é importante e que todas as vacinas têm eficácia contra a covid. “Há uma grande preocupação de todos os municípios da Amfri em relação a essa questão, de muitos não tomarem a segunda dose, e de outros não tomarem nem a primeira por não aceitarem tomar a vacina disponível”, conta o presidente da associação, Emerson Stein.

A campanha da Amfri ainda está sendo planejada e poderá ser feita em conjunto com as associações de municípios do Médio e Alto Vale do Itajaí. As entidades já têm ações articuladas pela prevenção do coronavírus na região, com a produção de vídeos de conscientização e orientações pelas redes sociais. A questão será tratada em assembleia geral com os prefeitos da Amfri na próxima sexta-feira.

Os possíveis casos de reações à vacina são acompanhados pela diretoria Estadual de Vigilância Epidemiológica (Dive), segundo informou a secretaria Estadual de Saúde. Até o momento, segundo o órgão, os casos analisados são considerados muitos comuns, com intensidade de leve a moderada, como dor no local de aplicação e dores no corpo e na cabeça.

Conforme a secretaria, uma reação adversa pós-vacinação pode ocorrer com qualquer vacina. “Entretanto, como as vacinas contra o novo coronavírus são recentes, esse acompanhamento é fundamental para saber o que, de fato, pode ser considerado um Evento Adverso Pós-Vacinação que merece uma atenção especial”, informa.

Continua depois da publicidade



Todas as vacinas são seguras

Diante da “preferência” pelas doses da Pfizer, em Itajaí a secretaria de Saúde divulgou material orientando que todas as vacinas ofertadas – entre Pfizer, Coronavac e AstraZeneca – são aprovadas, seguras e eficazes contra a covid-19.

“Em função da quantidade limitada de doses, não é possível escolher qual imunizante tomar, mas todos passaram por estudos e foram aprovados para uso. Neste momento, o mais importante é estar protegido contra a doença”, ressalta a diretora da vigilância Epidemiológica de Itajaí, Paola Vieira.

De acordo com a diretora, é normal que surjam alguns efeitos colaterais, como dor de cabeça, dor no corpo, fadiga, febre e sensibilidade no local da aplicação. Estes sintomas são comuns também em outros tipos de vacinas já aplicadas no país e, segundo especialistas, desaparecem após alguns dias.

Sobre a procura pela segunda dose, o município informa que o percentual de não comparecimento é bem baixo. Entre os idosos com 60 anos ou mais, apenas 1,31% ainda não fez a segunda aplicação, representando 175 pessoas pra dose de Coronavac. Para a vacina da Astrazeneca, 100% tomaram a segunda dose.

Em Balneário Camboriú, a secretaria de Saúde faz chamadas coletivas para quem ainda não tomou a segunda dose. O índice de não-comparecimento é de apenas 0,1% dos vacinados com a primeira aplicação.

 

“Escolher qual vacina tomar é um ato de egoísmo”, diz médica

Amfri quer incentivar moradores a se imunizarem, independente da marca da vacina disponível (foto: divulgação)

De acordo com a professora Ana Angélica Steil, doutora em imunologia, existem grandes diferenças na plataforma de preparo das vacinas. “Porém, em termos de eficácia, todas têm se mostrado eficientes para inibir óbitos e casos graves da doença. Em termos populacionais, não faz diferença qual vacina você recebe, o importante é ter o máximo de pessoas vacinadas”, ressalta.

A médica observa que a vacina da Pfizer pode parecer mais eficaz por ser bem específica, mas destaca que, com o surgimento de novas variantes, é possível que esta vacina perca a eficácia e a Coronavac continue tendo alguma eficácia.

“Ao meu ver, neste momento, escolher qual vacina vai tomar é um ato de egoísmo. Precisamos pensar no todo e não no individual, pois neste assunto de vacinas, a proteção individual depende da proteção coletiva e da redução da circulação do vírus”, avalia.

Em nota pública, a diretoria Estadual de Vigilância Epidemiológica (Dive) alertou que “não se deve escolher a vacina, mas escolher a vacinação”. O órgão reforçou que o fundamental é que a imunização alcance o maior número de pessoas, pois só com mais de 70% da população vacinada é possível interromper a circulação do vírus.

“Quem não se vacina ou atrasa a vacinação esperando uma determinada vacina não coloca apenas a própria saúde em risco, mas também a de seus familiares e outras pessoas com quem tem contato, além de contribuir para aumentar a circulação de doenças”, informa da Dive.

Em Santa Catarina, quase 29% da população já tomou a primeira dose, enquanto a segunda dose foi aplicada em 10% dos catarinenses. No total, são 2,7 milhões de doses aplicadas. 

 

Conheça as vacinas

Coronavac

É produzida pelo instituto Butantan em parceria com o laboratório chinês Sinovac, apresenta 98% de eficácia na prevenção de mortes e 96% em internações por covid-19. O imunizante é feito de vírus inativado, que não é capaz de causar a doença.

Pfizer

A vacina da norte-americana Pfizer, desenvolvida com a BioNTech, apresentou 95% de eficácia a nível mundial e também se mostrou eficaz contra as variantes identificadas  no Reino Unido e na África do Sul. A vacina foi produzida com técnicas de engenharia genética, sem usar grandes quantidades de vírus na formulação.

AstraZeneca

Criada  pela universidade Oxford e produzida no Brasil pela Fiocruz. Tem eficácia 76% a 81% após a segunda dose. O imunizante usa partículas virais de adenovírus e não é capaz de causar a doença. A aplicação está suspensa para gestantes e mães de recém-nascidos com comorbidades,  até a conclusão de estudos.

 



Comentários:

Somente usuários cadastrados podem postar comentários.

Para fazer seu cadastro, clique aqui.

Se você já é cadastrado, faça login para comentar.


Envie seu recado

Através deste formuário, você pode entrar em contato com a redação do DIARINHO.

×





34.204.180.223

Últimas notícias

BASQUETE

Piçarras vai sediar finais da copa e da taça Santa Catarina

Serra catarinense

Policial Militar morre em acidente provocado por gelo na pista

São João Batista

Homem morre afogado ao cair em vala

BALNEÁRIO CAMBORIÚ

Morador está fazendo vaquinha online para pagar cirurgia bariátrica

Morta 

Baleia jubarte aparece morta na praia de Barra Velha

BALNEÁRIO

Morre a professora Marlene Demonti

Tribunal do júri 

Homem que matou ex com 66 facadas é condenado pela justiça

NAVEGANTES

Vão começar as aulas de ginástica artística

Ameaça de greve 

Justiça determina reposição da inflação aos servidores de Itajaí

OLIMPÍADAS

Rebeca Andrade está no pódio em Tóquio com apresentação ‘Baile de favela’



Colunistas

JotaCê

Papo

Espaço InovAmfri

Um novo tempo para a inovação da região

Clique diário

Pesca

Coluna Esplanada

Coringa e ponte

Canal 1

A Olimpíada, com problemas e diferenças, mexe com a emoção de todos

Coluna do Frei Betto

Democracia cultural

Coluna Tema Livre

Corrida para governar SC

Coluna do Janio

Abaixo da crítica

Coluna Exitus na Política

A política da prova de cuspe

Coluna do Ton

Points da Brava

Na Rede

NA REDE

Via Streaming

Tempos complicados

Coluna Adjori SC

Governo admite emendas à Previdência

Coluna Fato&Comentário

Frederico Latta*, pintor alemão em Itajaí

Artigos

Amigo é um lugar

Coluna Animal Humano

Parafraseando Clarice Lispector...

Jackie Rosa

Julina

Coluna Existir e Resistir

Yasuke: O primeiro samurai negro



TV DIARINHO


Confira os destaques desta quarta-feira





Especiais

Referência

Balneário Shopping é porta de entrada de grandes marcas

Boas compras

Diversidade e qualidade caracterizam o comércio de Balneário Camboriú

Uma nova BC

Investimentos públicos pesados para a retomada da economia

Cartão postal de Balneário Camboriú

Roda-gigante mudou a paisagem para sempre

Parque Unipraias

Tedesco é pioneiro no turismo de BC



Blogs

Blog do JC

Projeto Nacional

A bordo do esporte

Dia decisivo para RS:X em Tóquio; Scheidt volta a competir

Blog Doutor Multas

Cassação do direito de dirigir: dúvidas frequentes

Blog da Ale Francoise

Dê olho na sua saúde!

Blog Clique Diário

Retornando...

Blog da Jackie

CasaCor Santa Catarina

Blog do Ton

One of a Kind: coleção inédita será apresentada pela joalheira Cristina Pessoa durante evento na Praia Brava

Bastidores

Um olhar sobre o teatro de escola



Entrevistão

Jorginho Mello

“Eu tenho o compromisso do presidente: se eu for disputar a eleição para governador, tenho o apoio dele”

André Gobbo

"Eu tenho absoluta certeza que estamos formando profissionais para o presente e para o futuro”

Vinicius Lummertz

"A grande aliança é para a retomada com saúde. São Paulo fará vacinas para o Brasil e América Latina ”

Élcio Kuhnen

“O maior ensinamento que a covid vai deixar: a ciência está muito à frente da sua opinião”



Hoje nas bancas


Folheie o jornal aqui ❯