Matérias | Geral


Sul do Brasil

Receita faz leilão de mercadorias apreendidas

Entre os produtos que vão pro pregão estão veículos, celulares, videogames e eletrônicos

Franciele Marcon [fran@diarinho.com.br]

Tem veículos, celulares, videogames e eletrônicos(Foto: Divulgação)


A Receita Federal abriu o envio de lances pro 4º leilão regional de mercadorias, que abrange produtos em seis unidades:  Itapoá (SC), Joinville (SC), Cascavel (PR), Foz do Iguaçu (PR), Curitiba (PR) e Maringá (PR). No total serão 286 lotes, a maioria de veículos usados, celulares, videogames e outros tipos de eletrônicos.


As mercadorias têm valor estimado de R$ 31,2 milhões. Os interessados em comprar mercadorias nos leilões da Receita podem acessar a página do órgão [www.gov.br/receitafederal] e clicar no link Leilão. Os lances são realizados através do sistema disponibilizado na Central de Atendimento Virtual ao Contribuinte (Portal e-CAC).

Continua depois da publicidade



As propostas podem ser apresentadas até o dia 17 de maio às 21h. No dia 18, às 10 horas, as propostas serão reveladas e terá início a sessão pública de lances pros lotes em que a concorrência foi mais acirrada, conforme as regras do leilão [http://www25.receita.fazenda.gov.br/sle-sociedade/portal/edital/900100/4/2021].

Podem participar do leilão pessoas físicas e jurídicas, sendo que 186 lotes têm concorrência apenas às empresas por serem de lotes de mercadorias que podem ser destinadas à revenda ou ter uso comercial. Por exemplo, estarão no leilão os lotes de simuladores computadorizados de direção usados em autoescolas, que serão leiloados pela unidade de Itajaí.

As pessoas físicas que quiserem participar do pregão têm que respeitar o limite de propostas. Sendo de até duas propostas nos lotes de veículo, videogame e relógio/parte.  Uma proposta para moto aquática e embarcação. Entre os lotes dos veículos, 21 estão com restrição judicial para circulação, além de outros veículos que apresentam problemas mecânicos ou avarias.

Não caia no golpe

Continua depois da publicidade



A Receita diz que a única maneira segura de acessar o leilão é pela página da Receita Federal. Em outros leilões, golpistas tentaram se passar pela página de leilões da Receita Federal. Para evitar cair em fraudes, é importante lembrar que o domínio de acesso oficial da Receita Federal sempre terminará em gov.br, e que todos os pagamentos são realizados através do Documento de Arrecadação de Receitas Federais (DARF), sem necessidade de transferências ou depósitos adicionais.

leilãoreceitafederaleletrônicos


Comentários:

Somente usuários cadastrados podem postar comentários.

Para fazer seu cadastro, clique aqui.

Se você já é cadastrado, faça login para comentar.


Envie seu recado

Através deste formuário, você pode entrar em contato com a redação do DIARINHO.

×





3.236.117.38

TV DIARINHO


Confira os destaques desta quarta-feira



Podcast

Minuto DIARINHO 23/06/2021

Publicado 23/06/2021 21:20



Especiais

Mundo da pesca

Oceanógrafo criou raízes, mesmo que aquáticas

Urbanismo

Desafio da praia Brava é crescer mantendo as características de paraíso

Economia

Atividade pesqueira requer atenção especial

Bom momento

Construção civil ganha destaque na economia

Itajaí do rio e do mar

Empresas dos setores náutico e naval reforçam economia



Blogs

Blog Doutor Multas

Proteção veicular pode ser opção melhor que seguro: entenda os motivos

A bordo do esporte

Designer ilustra equipe olímpica de vela no estilo mangá

Blog do JC

Sonhando com o pai Atanásio

Blog Clique Diário

Pássaros

Blog da Jackie

Fondue

Blog da Ale Francoise

Que tal um kombucha que hoje!?

Blog do Ton

Habbitat

Bastidores

Um olhar sobre o teatro de escola



Entrevistão

Vinicius Lummertz

"A grande aliança é para a retomada com saúde. São Paulo fará vacinas para o Brasil e América Latina ”

Élcio Kuhnen

“O maior ensinamento que a covid vai deixar: a ciência está muito à frente da sua opinião”

Heli Schlickmann

" Nas cidades arborizadas as pessoas são mais felizes”

Liba Fronza

"O Navegay traz uma multidão de pessoas, não gera receita financeira e causa uma demanda social muito grande”



Hoje nas bancas


Folheie o jornal aqui ❯