Matérias | Geral


Padre diz que é vítima de perseguição e intolerância religiosa

Redação DIARINHO [editores@diarinho.com.br]

O padre Fabrício Adão Bernardo, 30 anos, que pertence à igreja Católica Apostólica Brasileira, registrou um boletim de ocorrência contra a arquidiocese de Florianópolis acusando a igreja Católica Apostólica Romana de perseguição e de intolerância religiosa. Fabrício diz que a arquidiocese emitiu uma nota, assinada pelo arcebispo metropolitano Dom Wilson Tadeu Jonk, afirmando que Fabrício não faz parte da igreja Apostólica Católica Romana. Fabrício é representante da “Missão Vida em Oração”, da Igreja Católica Apostólica Brasileira (ICAB ), na região de Bombinhas, que é uma dissidência da igreja romana. O padre chegou a comandar algumas missas na paróquia de Bombinhas antes da confusão. Só que a nota da arquidiocese, no entendimento de Fabrício, teve um tom preconceituoso contra a igreja brasileira. "Ele não é padre católico, não pertence à Igreja Católica Apostólica Romana. Os sacramentos que ele realiza não têm validade no âmbito da Igreja Católica Apostólica Romana. Se alguém, inadvertidamente, foi batizado por ele, ou casou sob sua assistência, e quiser permanecer na Igreja Católica Apostólica Romana, deverá procurar seu Pároco para acertar sua condição sacramental", diz parte da nota que o padre Fabrício achou ofensiva. O padre alega que passou a sofrer perseguição e intolerância religiosa nas redes sociais depois da nota oficial. "Causando um dano moral, ético e ministerial. Sou sacerdote da Igreja Católica Apostólica Brasileira, dissidência da igreja romana, juridicamente fundada. Em nota, a arquidiocese enfatiza que não sou sacerdote católico, além de explicitamente estar demonstrando intolerância religiosa, criando proibições do direito de ir e vir", acredita. Para Fabrício, a arquidiocese infringiu o artigo 208 do Código Penal, que é escarnecer de alguém publicamente por motivo de crença ou função religiosa. O padre diz que vai representar a arquidiocese e seus responsáveis cível e criminalmente."A nota foi divulgada amplamente em todo o território da arquidiocese, em grupos de redes sociais, causando um dano gigantesco na minha imagem, na minha moral e no meu ministério. Diversas pessoas têm me acusado de falso padre, picareta, que vendo sacramentos,” desabafa. O DIARINHO não teve retorno da assessoria de imprensa da arquidiocese de Floripa até o fechamento desta matéria. Tem que representar na justiça A delegada Luana Backes, de Porto Belo, cuidou do caso. Ela diz que, com base nas declarações do padre Fabrício, após a nota divulgada pela arquidiocese, não foi apurada a prática do crime de injúria racial. "Em relação aos comentários injuriosos de diversas pessoas no Facebook, numa publicação contendo o nome dele, o padre deveria ingressar com queixa-crime, vez que se trata de ação penal privada", informou. O caso, segundo está encerrado na polícia Civil. Nota ácida, diz filósofo O filósofo e ex-seminarista Nahor Lopes leu a nota da arquidiocese e opinou sobre o assunto. "Quando eles fizeram a nota, deveriam marcar as diferenças entre as duas igrejas, respeitando os demais. Porém, eles fizeram algo ácido no sentido de dizer que a igreja católica brasileira não era válida. Claro que para a igreja católica romana, a brasileira não é válida, mas a nota da arquidiocese deveria ser educativa, marcando as diferenças e não invalidando a outra crença", opinou. Nahor explica que a igreja católica brasileira surgiu em 1945 porque o bispo de Botucatu, Dom Carlos Duarte Costa, começou a fazer críticas públicas à autoridade católica e ao Vaticano. No final da segunda guerra mundial, ele acusou bispos romanos de terem ajudado nazistas a fugir, entre outras críticas, como ao celibato. "Ele foi aposentado pela igreja católica romana, mas acabou fundando a igreja Católica Brasileira. Nos ritos são iguais. O que difere é que os padres podem ser casados, eles aceitam a segunda união, e têm posturas mais flexíveis em relação às posturas da igreja Católica Romana. Eles são autônomos", explica. Confira na íntegra a nota da arquidiocese de Florianópolis NOTA DE ESCLARECIMENTO CONSIDERANDO que têm chegado à Cúria Metropolitana de Florianópolis diversos pedidos de esclarecimentos acerca de postagens nas mídias sociais de um padre, chamado Pe. Fabrício Adão Bernardo, particularmente com a disponibilidade para celebrações de sacramentos (missas, batizados, matrimônios, etc.). CONSIDERANDO que, acessando as redes sociais (Facebook), encontramos informações por ele mesmo dadas, a saber: Pe. Fabrício Adão Bernardo, da “Missão Vida em Oração”, da ICAB (sigla de: Igreja Católica Brasileira). A Arquidiocese de Florianópolis ESCLARECE o quanto segue. Este padre, como ele mesmo se apresenta, pertence à Igreja Católica Brasileira (ICAB). Não é padre da Igreja Católica Apostólica Romana e, portanto, não está em comunhão com o Romano Pontífice (o Papa) nem com nosso Arcebispo Metropolitano. A confusão pode ser gerada, entre outros fatores, pelo fato de usar parâmentos iguais aos de nossos padres, de celebrar missas, batizados e casamentos do mesmo modo que nós, e de manifestar devoção à Nossa Senhora e aos santos católicos. Mas, repetimos, ele não é padre católico, não pertence à Igreja Católica Apostólica Romana. Os sacramentos que ele realiza não têm validade no âmbito da Igreja Católica Apostólica Romana. Se alguém, inadvertidamente, foi batizado por ele, ou casou sob sua assistência, e quiser permanecer na Igreja Católica Apostólica Romana, deverá procurar seu Pároco para acertar sua condição sacramental. Respeitando as variadas manifestações da fé cristã, recordamos que devemos evitar qualquer confusão ou risco de indução ao erro. Portanto, os responsáveis pelas nossas igrejas (igrejas paroquiais, de comunidades, de irmandades, santuários, etc.), devem estar atentos para não permitirem que padres ou outros ministros de outras igrejas utilizem nossos ambientes, nem usem objetos próprios de nosso culto e de nossas devoções… Advertimos, também, que não é autorizado realizar imagens (fotos) em nossas igrejas (ambientes) por ministros de outras igrejas. Colocamo-nos à disposição para outros esclarecimentos. Na fé em Cristo, Senhor e Salvador, Dom Wilson Tadeu Jönck - Arcebispo Metropolitano de Florianópolis




Comentários:

Somente usuários cadastrados podem postar comentários.

Para fazer seu cadastro, clique aqui.

Se você já é cadastrado, faça login para comentar.


Envie seu recado

Através deste formuário, você pode entrar em contato com a redação do DIARINHO.

×





3.236.55.22

TV DIARINHO


Confira os destaques desta quarta-feira



Podcast

Minuto DIARINHO 15/09/2021

Publicado 15/09/2021 20:10



Especiais

AMPLIAÇÃO

Portonave projeta investimentos de mais R$ 500 milhões

NAVEGANTES

Atividade portuária consolida a economia

SANTA CATARINA

Navegantes tem o segundo maior aeroporto do estado

NAVEGANTES

Cluster da construção naval é aqui

MERCADO

Navship volta a contratar



Blogs

Blog do JC

Irmão Maier chegou

A bordo do esporte

Vela mundial perde o diretor de regatas Jack Loyd

Blog Doutor Multas

Multa por dirigir embriagado: entenda como é

Blog do Ton

Siberiano Drink Club

Blog da Ale Francoise

Você conhece os benefícios do cravo?

Blog Clique Diário

O Auditório de Tenerife

Blog da Jackie

CasaCor Santa Catarina

Bastidores

Um olhar sobre o teatro de escola



Entrevistão

Ana Paula Bastos Cardoso

“O luto tem que ser encarado como uma forma natural da vida”

Fábio da Veiga

"Todos os players do mercado são favoráveis a esse modelo de gestão Landlord”

Francisco Graciola

"O patrimônio é o cliente”

Jorginho Mello

“Eu tenho o compromisso do presidente: se eu for disputar a eleição para governador, tenho o apoio dele”



Hoje nas bancas


Folheie o jornal aqui ❯