Matérias | Geral


Terceirização dos presídios: Liminar do TJ suspende pregão que contratou nova empresa gestora de unidades prisionais

Redação DIARINHO [editores@diarinho.com.br]

O tribunal de Justiça de Santa Catarina deu decisão liminar favorável à empresa PRM Serviços de Mão de Obra Especializada, de Itajaí, que pedia a suspensão do pregão pra contratação de cogestão do presídio Masculino de Lages. O desembargador Vilson Fontana reconheceu “excesso de formalismo” no edital. O contrato foi vencido pela Soluções Serviços Terceirizados. A empresa ganhou também os contratos do complexo Penitenciário da Canhanduba, em Itajaí, e da penitenciária Industrial de Joinville em outros dois pregões. A escolha da empresa é contestada pelo sindicato dos Vigilantes de Lages em uma ação popular que está em andamento. A liminar foi dada pelo desembargador na segunda-feira da semana passada, determinando a suspensão do pregão 0057/2019, relativo à licitação de Lages. Antes da decisão, em 17 de novembro, o governo estadual já havia homologado o resultado e assinado o contrato de R$ 13,4 milhões com a empresa. A PRM, desclassificada da concorrência, discorda do resultado, defendendo que preencheu todos os requisitos legais. A desclassificação se deu pela falta de balanço patrimonial, mas a empresa alega que a exigência seria indevida e que os dados já estariam no certificado de Cadastro de Fornecedores, apresentado na disputa. O desembargador concordou com a alegação. “A exigência prévia de apresentação em separado do balanço patrimonial, sem razão que transcenda um mero formalismo, soa mesmo irrazoável e desprivilegia a ampla concorrência, se a situação patrimonial da impetrante era aceitável”, anotou no despacho. O pedido de liminar foi feito no início do novembro, quando o resultado da licitação ainda não havia sido homologado. Apesar da contestação da empresa e da ação do sindicato de Lages contra a contratação da vencedora nos pregões das três unidades prisionais, o governo estadual seguiu com os procedimentos. Decisão afeta contrato já assinado Conforme representante da PRM, a decisão do TJ vai implicar agora na suspensão da contratação, considerando que o contrato já foi assinado. Apesar de a contratação firmada, o entendimento do tribunal é que o mandado de segurança não perde a razão de ser, por que o certame estaria “eivado de nulidades” que contaminam a celebração do contrato. A empresa ainda avaliou que o recurso foi aberto antes da homologação do resultado pelo estado. Para a empresa, isso significa que o caso pode ter dois desdobramentos, a classificação da PRM na disputa ou o cancelamento do pregão. A concorrente já pediu que a suspensão da licitação fosse estendida à assinatura e à execução contratual. Em despacho na última segunda-feira, o desembargador Vilson Fontana, não atendeu ao pedido, informando que vai aguardar informações a serem prestadas pela secretaria estadual de Administração sobre a situação do certame. A secretaria Estadual de Administração informou que recebeu a notificação sobre a liminar. O processo seguiu pra análise da consultoria jurídica pra posterior resposta ao Tribunal. O órgão adiantou, no entanto, que não será possível cancelar a licitação. Pregões são alvos de ação popular Os pregões do estado pra gestão terceirizada de serviços nas unidades prisionais de Itajaí, Lages e Joinville também estão no alvo de uma ação popular aberta na quinta-feira passada pelo sindicato de Vigilantes de Lages. A entidade aponta supostas irregularidades na contratação da empresa Soluções e pede a suspensão do contrato e o lançamento de novos editais, com adequações nos termos. Segundo o sindicato, as exigências nas contratações não são compatíveis com os requisitos técnicos previstos nos editais, que terminaram com uma empresa ganhando os três contratos. A entidade ainda citou um relatório técnico do tribunal de Contas, que teria apontado erro graves nos pregões e alertado pra necessidade de retificações, ignoradas pelo estado. Os três contratos de cogestão prisional já foram assinados pelo governo com a empresa vencedora. Para o complexo de Itajaí, incluindo a penitenciária e o presídio, o contrato de serviços é de R$ 50 milhões, assinado no dia 23 de novembro. Na penitenciária de Joinville, o valor é de R$ 17,6 milhões, com contrato firmado em 17 de novembro. A empresa tem 30 dias pra assumir os serviços a partir das datas de assinaturas.




Comentários:

Somente usuários cadastrados podem postar comentários.

Para fazer seu cadastro, clique aqui.

Se você já é cadastrado, faça login para comentar.


Envie seu recado

Através deste formuário, você pode entrar em contato com a redação do DIARINHO.

×





3.233.242.204

TV DIARINHO


Confira os destaques desta quinta-feira



Podcast

Minuto DIARINHO 23/09/2021

Publicado 23/09/2021 20:50



Especiais

AMPLIAÇÃO

Portonave projeta investimentos de mais R$ 500 milhões

NAVEGANTES

Atividade portuária consolida a economia

SANTA CATARINA

Navegantes tem o segundo maior aeroporto do estado

NAVEGANTES

Cluster da construção naval é aqui

MERCADO

Navship volta a contratar



Blogs

Blog do JC

Linguagem neutra

A bordo do esporte

Fãs disputam em leilão itens históricos e raridades da Stock Car para Instituto Ingo Hoffmann

Blog do Ton

Chefs Bruno Faro e Willian Vieira comandam noite gastronômica nesta quinta-feira no Quatro7, em Balneário Camboriú

Blog da Ale Francoise

Remédio natural para picada

Blog Doutor Multas

Financiamento e refinanciamento de veículo: afinal, é a mesma coisa?

Blog Clique Diário

O Auditório de Tenerife

Blog da Jackie

CasaCor Santa Catarina

Bastidores

Um olhar sobre o teatro de escola



Entrevistão

Ana Tereza Canziani Pereira Boschi

"O Implanon é tecnologia de ponta, e a gente vai oferecê-lo para as mulheres de Itajaí”

Ana Paula Bastos Cardoso

“O luto tem que ser encarado como uma forma natural da vida”

Fábio da Veiga

"Todos os players do mercado são favoráveis a esse modelo de gestão Landlord”

Francisco Graciola

"O patrimônio é o cliente”



Hoje nas bancas


Folheie o jornal aqui ❯