Matérias | Geral


Moradores reclamam de buzinaço de caminhões na fila do porto de Itajaí

Redação DIARINHO [editores@diarinho.com.br]

Vizinhos e moradores de bairros próximos ao porto de Itajaí estão reclamando, novamente, da barulheira e do buzinaço dos caminhoneiros que ficam na fila de espera pra entrar na APM Terminals. O problema acontece durante o dia e também durante a noite e a madrugada, perturbando o sossego dos vizinhos, inclusive de moradores dos bairros São João e na Barra do Rio, onde a fila chega a se estender. O problema se acentuou nos últimos dias. Os caminhoneiros, por outro lado, ficam na bronca com a APM Terminals, pela demora em atender os caminhões, o que provoca as filas. A empresa informou que houve um aumento da movimentação de contêineres acima do normal nas últimas semanas e que tem orientado os motoristas a não buzinarem ao longo da fila pra não prejudicar a comunidade. De acordo com o gerente de logística Maurício França, de 58 anos, que mora na rua Heitor Liberato, a barulheira dos caminhões tem sido recorrente. “Todos os dias tem buzinaço, de dia e de madrugada. Nós não aguentamos mais”, relata. Ele informou que já fez queixa junto à superintendência do porto, na Codetran, na polícia Militar e na polícia Civil. “Mas nenhuma ação foi tomada pra resolver a situação”, frisa. O barulho na fila ao longo da avenida Irineu Bornhausen, a Caninana, também pode ser ouvido por morador da rua José Pereira Liberato, no São João. Segundo um comerciante, o problema perdura há dias e perturba o sono da vizinhança. Já os caminhoneiros jogam a culpa na APM Terminals, relatando falta de agilidade no recebimento e na saída de contêineres. A demora pra entrar no terminal, conforme relatou um motorista, chega até 12 horas. “Na madrugada a fila se estende até a Barra do Rio”, conta. O caminhoneiro ainda ressalta que, após entrar no porto, também há demora na liberação interna, em atraso que tem somado cerca de seis horas. Os motoristas dizem que o problema não ocorre no porto de Navegantes porque lá tem mais portões de acesso. Movimentação acima do normal Em nota, a APM Terminals disse que houve aumento na movimentação nas últimas semanas devido ao atendimento de navios que estavam fora da data programada, por “questões alheias ao terminal”. Segundo a empresa, houve problemas climáticos no Caribe que gerou atrasos e os navios acumularam. A situação já estaria se normalizando. “Com isso, a demanda de caminhões para entrega e retirada de contêineres subiu muito também, o que gerou filas e impactou no tempo de permanência dos caminhões”, informou a APM, que lembrou que a movimentação no terminal cresceu mais de 13% nesse ano. Pra atender a demanda, a empresa ressaltou que as equipes foram reforçadas e novos equipamentos foram comprados ou alugados. “A APM Terminals pede desculpas e lamenta o impacto causado na comunidade e pede aos motoristas que não buzinem ao longo da fila e rodovias, já que tal ação não acelera o atendimento e prejudica toda a comunidade vizinha”, informou. Reunião vai tratar assunto O chefe da Codetran, Robson Costa, disse que está sendo acionada uma reunião com a APM, superintendência do Porto e outros envolvidos na questão. “Todos terão que se comprometer a ajudar nessa logística portuária. APM tem que saber que existe limite por hora para entrada de caminhões. Não adianta chamar 100 caminhões se a capacidade operacional do porto é 30 por hora”, observa. Robson destacou que os agentes estão fazendo o possível pra agilizar as filas, com apoio no trânsito na região do porto e na entrada e saída do terminal. Ele informou que os tempos do sinaleiro na frente do porto foram ajustados. “Mas de nada adianta se a APM não tiver agilidade e organização na recepção dos caminhões. A Codetran sozinho jamais conseguirá resolver esse problema”, afirma. A assessoria da superintendência do Porto de Itajaí (SPI) confirmou o buzinaço tem realmente ocorrido nas últimas semanas, como reflexo da alta movimentação no terminal, que acarreta inclusive o travamento de senhas no sistema. O órgão lembrou que, 2016, eram cinco mil contêineres movimentados por mês. Em outubro desse ano, foram 55 mil. A SPI ainda informou que as áreas internas do porto estão quase todas ocupadas. Com isso, guindastes e caminhões precisam operar devagar pra evitar acidentes, gerando lentidão na produção. Outro fator que afeta as operações é o afastamento de servidores, portuários e funcionários da APM por covid-19, prejudicando as escalas, segundo a SPI.




Comentários:

Somente usuários cadastrados podem postar comentários.

Para fazer seu cadastro, clique aqui.

Se você já é cadastrado, faça login para comentar.


Envie seu recado

Através deste formuário, você pode entrar em contato com a redação do DIARINHO.

×





3.237.2.4

TV DIARINHO


Confira os destaques desta quinta-feira



Podcast

Minuto DIARINHO 23/09/2021

Publicado 23/09/2021 20:50



Especiais

AMPLIAÇÃO

Portonave projeta investimentos de mais R$ 500 milhões

NAVEGANTES

Atividade portuária consolida a economia

SANTA CATARINA

Navegantes tem o segundo maior aeroporto do estado

NAVEGANTES

Cluster da construção naval é aqui

MERCADO

Navship volta a contratar



Blogs

Blog do JC

Linguagem neutra

A bordo do esporte

Fãs disputam em leilão itens históricos e raridades da Stock Car para Instituto Ingo Hoffmann

Blog do Ton

Chefs Bruno Faro e Willian Vieira comandam noite gastronômica nesta quinta-feira no Quatro7, em Balneário Camboriú

Blog da Ale Francoise

Remédio natural para picada

Blog Doutor Multas

Financiamento e refinanciamento de veículo: afinal, é a mesma coisa?

Blog Clique Diário

O Auditório de Tenerife

Blog da Jackie

CasaCor Santa Catarina

Bastidores

Um olhar sobre o teatro de escola



Entrevistão

Ana Tereza Canziani Pereira Boschi

"O Implanon é tecnologia de ponta, e a gente vai oferecê-lo para as mulheres de Itajaí”

Ana Paula Bastos Cardoso

“O luto tem que ser encarado como uma forma natural da vida”

Fábio da Veiga

"Todos os players do mercado são favoráveis a esse modelo de gestão Landlord”

Francisco Graciola

"O patrimônio é o cliente”



Hoje nas bancas


Folheie o jornal aqui ❯