Matérias | Geral


Itajaí

Prefa não tem como brecar cambalachos

Secretário de Administração, João Batista, admite que não tem como garantir que a turma que ganhou a concessão não vá passar os quiosques pra frente

Redação DIARINHO [editores@diarinho.com.br]

Os novos quiosqueiros da beira-mar da praia central do Balneário Camboriú podem começar a assumir seus postos na semana que vem, mas a administração municipal já adiantou que não tem condições de fiscalizar o que os caras farão com as casinhas. Quatro dos 32 negociantes abocanharam mais de um quiosque pra chamar de seu nos próximos 16 meses.


 

Bora virar assinante para ler essa e todas as notícias do portal DIARINHO? Usuários cadastrados têm direito a 10 notícias grátis.


Esqueci minha senha




Se você ainda não é cadastrado, faça seu cadastro agora!


 







 






A listagem com os escolhidos foi divulgada ontem no DIARINHO. Entre os selecionados, quatro pessoas conseguiram ter o direito de tocar mais de um quiosque ao mesmo tempo. O secretário de Administração, João Batista, afirma que é permitido que uma pessoa entre em mais de uma concorrência, desde que não alugue a casinha pra outras pessoas. “Se terão empregados, deixarão com familiares, não interessa, só não podem locar”, adianta.

Continua depois da publicidade



Apesar da proibição, Batista admite que não há como saber o que eles farão com os quiosques. “Não temos como descobrir se quem está lá dentro alugou ou é contratado”, admite. Ele afirma que não há pessoal que faça o trampo de fiscalização. Conta que a administração pode apenas ter o controle caso alguém apareça na prefa pedinchando pra trocar o nome no papéli, coisa que não deve acontecer. “Caso isso aconteça, o proprietário perde a concessão na hora, mas se o contrato for de gaveta, não temos como saber,” confessa.

Esganados

A equipe do DIARINHO fuçou a lista dos selecionados e descobriu que a nova dona do quiosque 1, Margarete Manuel Machado, tá disposta a pagar a bagatela de quase R$ 500 mil pra tocar as casinhas 1, 14, 25 e 31. A muié não quis conversar com a reportagem sobre o arremate dos quatro quiosques. Margarete, atualmente, é dona de um quiosque e de uma barraquinha de milho.

Já a Isaura Maria Alves Manoel ganhou o arrego de tocar os quiosques 11, 26 e 43 pelo valor de R$ 422 mil. Paulo Thomsen terá que desembolsar R$ 250 mil pra ficar com os quiosques 17 e 23. Eles não foram encontrados pra comentar o assunto.

Continua depois da publicidade



A administradora do quiosque 10, Neide Regina Pereira, conta que arrematou os quiosques 6 e 10 por cerca de R$ 400 mil, mas vai desistir de uma das casinhas por problemas de saúde. “Na semana que vem eles vão chamar os inscritos e vou informar que abro mão do quiosque 6”, disse. Pelo edital, será chamado o segundo colocado na concorrência pela casinha. Neide conta que, se não fosse o problema de saúde, dividiria o trampo com os familiares.


Comentários:

Somente usuários cadastrados podem postar comentários.

Para fazer seu cadastro, clique aqui.

Se você já é cadastrado, faça login para comentar.


Envie seu recado

Através deste formuário, você pode entrar em contato com a redação do DIARINHO.

×





3.238.206.122

TV DIARINHO


Confira os destaques desta terça-feira



Podcast

Minuto DIARINHO 20/04/2021

Publicado 20/04/2021 21:32



Blogs

Blog da Jackie

Novidadeiras

Blog do JC

Aditivo

Blog da Ale Francoise

Fortificante Natural de Uva!

Blog Clique Diário

Primeira Foto do voo inaugural do helicóptero Ingenuity Mars da NASA

Blog Doutor Multas

CNH Bloqueada? Veja o que fazer para regularizar

A bordo do esporte

Tradicional regata Rolex Capri Napoli confirmada em maio

Blog do Ton

Terrazza Praia Brava

Bastidores

Um olhar sobre o teatro de escola



Entrevistão

Volnei Morastoni

"Estamos vivendo a politização da covid”

Marcelo werner

"Quando o Estado publica um decreto às 11 horas da noite para que no dia seguinte seja cumprido, está faltando sintonia com a sociedade”

Marquinhos Kurtz

“[...} O meu posicionamento é contrário ao fechamento total. Eu acho que nós temos que trabalhar, nós temos que ter cuidado, e as coisas precisam funcionar”

Fabrício Oliveira

"Se nós tivéssemos leitos hospitalares nós não estaríamos discutindo lockdown'



Hoje nas bancas


Folheie o jornal aqui ❯