Matérias | Polícia


Itajaí

Maioria da mulherada que apanha em casa não leva a denúncia pra frente

Em apenas 73 dias, depê registrou cerca de 500 casos de violência doméstica em Itajaí. Em 80% das agressões, mulheres retiraram a queixa contra os agressores

Redação DIARINHO [editores@diarinho.com.br]

Se as estatísticas de violência doméstica contra mulheres já é de espantar, ainda pior é a proporção de vítimas que, na hora agá, resolve não apresentar queixa contra o agressor. Pelas contas do delegado Fabrício Wloch, cerca de 80% dos registros acabam em pizza. “Isso porque a mulher registra o fato, mas depois não tem interesse em efetivamente representar criminalmente ou então representa criminalmente contra o agressor e depois, em Juízo, retrata-se da representação e o processo é extinto”, diz o dotô.


 

Bora virar assinante para ler essa e todas as notícias do portal DIARINHO? Usuários cadastrados têm direito a 10 notícias grátis.


Esqueci minha senha




Se você ainda não é cadastrado, faça seu cadastro agora!


 







 






E olha que não são poucos os casos. Num levantamento feito pelo delegado Fabrício, entre 1º de agosto e 11 de novembro deste ano, nada menos que 567 queixas de violência doméstica foram feitas na depê em que ele trampa. Só de ameaças de porrada e agressões foram 467 naquele período de apenas 73 dias.

Continua depois da publicidade



O problema é que os registros não são tocados pra frente, pois pela legislação é preciso que a mulher faça o exame de corpo de delito pra comprovar a violência física sofrida e depois volte à delegacia pra fazer a representação criminal. É nesse ínterim que a mulherada muda de ideia e desiste da queixa contra o companheiro.

Pro delegado Fabrício, um dos motivos é que em muitos casos rola uma lua de mel entre os casais, que voltam a viver temporariamente em harmonia. Por isso, não interessaria à mulher tocar o caso pra frente, com medo de que a violência possa voltar por conta disso.

Há ainda os casos, analisa o dotô, que o inferno continua dentro de casa, mas mesmo assim a mulherada recua na denúncia. “Tem aquelas que não voltam pra lua de mel e ainda têm receio e medo de retaliações por parte do (ex)companheiro”, afirma.

Pra juíza Sônia Moroso Terres, da da 1ª vara Criminal peixeira, a situação é grave. A retirada da queixa por parte da mulherada só contribui pra piorar a situação dentro de casa. “Mostra que a mulher não consegue sustentar sua defesa. O companheiro acaba não respeitando, e a violência se repete”, analisa a juíza.

Continua depois da publicidade



Oscip promove amanhã encontro pra mulherada

A juíza é uma das fundadoras da Ong Estrela de Isabel, uma organização da Sociedade Civil de Interesse Público (Oscip) que dá apoio às mulheres vítimas de violência doméstica.

Amanhã, o pessoal da Ong promove um encontro chamado “A Mulher e a Paz”. A ideia, explica a dotora Sônia, é chamar a atenção da sociedade pras várias causas da violência doméstica contra a mulherada, que rola com agressão psicológica, física e sexual.

O encontro é aberto à toda comunidade e terá dinâmicas com uma equipe do curso de psicologia da Univali, além de uma palestra com a própria juíza. O evento vai rolar na escola Básica João Duarte, no bairro São João, a partir das 19h.

Dona de casa que foi esgoelada pelo marido desistiu da queixa quando chegou na depê

Ontem de madrugadinha, a dona de casa M.M.S., 43 anos, que mora na Praia Brava, reforçou as estatísticas da mulherada que, na hora do vamo vê, desiste de denunciar o marido violento. Mesmo tendo sido esgoelada por Flávio Altamiro dos Santos, 50, ao chegar na depê ela não quis registrar o boletim de ocorrência. “Ficou com pena dele e retirou a queixa”, informou um tira, que atendeu o caso. Flávio, que estava bêbado quando agrediu a esposa, acabou liberado.

A ocorrência movimentou a polícia Militar aos primeiros minutos da madruga de quarta-feira. M. bateu um fio pro 190 e disse que o maridão tentou matá-la. Pelo telefone, explicou que havia discutido com o esposo. Com a cara cheia da manguaça, Flávio teria tentado estrangulá-la. “A vítima estava com lesões no braço direito e arranhões no pescoço e nos braços”, informou a PM, no relatório divulgado à imprensa.

Uma baratinha foi até a baia onde o casal vive, na rua Margarida Nicolau, na Praia Brava. Lá, os homi encontraram a dona de casa desesperada e aos berros. O marido, aparentemente bebum, segundo os policiais, tentava se esconder dentro da baia. Acabou detido e levado, junto com M., até a delegacia.

O tira da 1ª depê que atendeu o caso disse que a prisão de Flávio, que cheirava à cachaça, só dependia mesmo de M. formalizar a denúncia. A mulher, no entanto, teve uma recaída inexplicável e preferiu retirar a queixa contra o maridão. “Quando chegou aqui, ela se arrependeu e disse ‘Ai, meu bem’. Ficou com pena de deixar ele preso”, contou o policial de plantão. Flávio se deu bem na história. Teve que ser colocado em liberdade.

Na 1ª depê peixeira, pelo menos um caso de violência doméstica rola a cada plantão da noite ou madruga. “Em dias de semana é pouco comum acontecer. Normalmente as ocorrências acontecem à noite e nos finais de semana”, informou o policial civil.

 


Comentários:

Somente usuários cadastrados podem postar comentários.

Para fazer seu cadastro, clique aqui.

Se você já é cadastrado, faça login para comentar.


Envie seu recado

Através deste formuário, você pode entrar em contato com a redação do DIARINHO.

×





3.226.76.98

TV DIARINHO


Confira os destaques desta quinta-feira



Podcast

Minuto DIARINHO 22/04/2021

Publicado 22/04/2021 22:04



Blogs

A bordo do esporte

The Ocean Race anuncia nova iniciativa sobre a mudança climática

Blog da Jackie

Novidadeiras

Blog do JC

Aditivo

Blog da Ale Francoise

Fortificante Natural de Uva!

Blog Clique Diário

Primeira Foto do voo inaugural do helicóptero Ingenuity Mars da NASA

Blog Doutor Multas

CNH Bloqueada? Veja o que fazer para regularizar

Blog do Ton

Terrazza Praia Brava

Bastidores

Um olhar sobre o teatro de escola



Entrevistão

Volnei Morastoni

"Estamos vivendo a politização da covid”

Marcelo werner

"Quando o Estado publica um decreto às 11 horas da noite para que no dia seguinte seja cumprido, está faltando sintonia com a sociedade”

Marquinhos Kurtz

“[...} O meu posicionamento é contrário ao fechamento total. Eu acho que nós temos que trabalhar, nós temos que ter cuidado, e as coisas precisam funcionar”

Fabrício Oliveira

"Se nós tivéssemos leitos hospitalares nós não estaríamos discutindo lockdown'



Hoje nas bancas


Folheie o jornal aqui ❯