Matérias | Geral


Itajaí

Trabalhadores de hotéis, bares e restaurantes fazem manifestação e discutem hoje se entram em greve

Turma se reúne hoje às 17h pra decidir se cruza os braços pra melhorar o salário

Redação DIARINHO [editores@diarinho.com.br]

Numa mobilização inédita, os trabalhadores do comércio hoteleiro, bares, restaurantes e similares realizaram ao meio-dia de ontem uma manifestação num dos principais centros comerciais da cidade: o Balneário Camboriú Shopping. O ato rolou na praça de alimentação, em frente ao restaurante Sapore Speciale, e reuniu cerca de 40 trabalhadores pra protestarem contra a postura do setor patronal, que vem se recusando a negociar um acordo pra convenção Coletiva de Trabalho.


 

Bora virar assinante para ler essa e todas as notícias do portal DIARINHO? Usuários cadastrados têm direito a 10 notícias grátis.


Esqueci minha senha




Se você ainda não é cadastrado, faça seu cadastro agora!


 







 






Além da manifestação no shopping, durante toda a quinta-feira dois atores vestidos de garçom, com megafones nas mãos, saíram às avenidas Atlântica, Brasil e Gastronômica pra convidar os trabalhadores a participar da assembleia. A categoria se reúne hoje, às 17h, na sede do sindicato, na rua 600, número 701. A assembleia decidirá se eles vão paralisar as atividades do setor.

Continua depois da publicidade



“O que a diretoria do Sechobar [sindicato dos Empregados no Comércio Hoteleiro, Bares, Restaurantes e Similares de Balneário Camboriú e Região] mais temia está se concretizando: às vésperas de uma temporada de verão, estamos na iminência de uma paralisação, com a interrupção das atividades e a perturbação do ambiente de trabalho, quando neste momento todos deveriam estar concentrados em bem servir e ganhar dinheiro”, lamenta a presidente Olga Ferreira. Pra ela, a greve é a única alternativa que restou para sensibilizar os patrões.

Salário decente

Há dois meses os funcionários tentam um acordo com o sindicato patronal. A classe reclama que ganha menos do que qualquer trabalhador de outro setor. A presidente do sindicato diz que os trabalhadores pedem salários dignos e não querem fazer faxina, situação a que muitos deles têm se submetido. “Garçom é pra atender cliente”, lembra. A proposta feita por eles é que o piso salarial seja de R$ 835 até 120 dias da contratação, e R$ 940 após esse período. Os patrões não aceitam o reajuste. Atualmente, o piso é R$ 740.

Continua depois da publicidade




Comentários:

Somente usuários cadastrados podem postar comentários.

Para fazer seu cadastro, clique aqui.

Se você já é cadastrado, faça login para comentar.


Envie seu recado

Através deste formuário, você pode entrar em contato com a redação do DIARINHO.

×





3.236.231.61

TV DIARINHO


Confira os destaques desta terça-feira



Podcast

Minuto DIARINHO 11/05/2021

Publicado 11/05/2021 22:10



Blogs

Blog Clique Diário

A Ilha de Pedra

Blog Doutor Multas

Modelo de recurso de multa online

Blog do JC

Salvo pela velha política?

A bordo do esporte

Inmarsat será pela sexta vez parceira de comunicações via satélite da The Ocean Race

Blog do Ton

Maior importadora de móveis do Brasil abre a primeira loja própria em Santa Catarina

Blog da Ale Francoise

Ervas do bem para o estresse!

Blog da Jackie

Hering comprou a Arezzo

Bastidores

Um olhar sobre o teatro de escola



Entrevistão

Liba Fronza

"O Navegay traz uma multidão de pessoas, não gera receita financeira e causa uma demanda social muito grande”

Volnei Morastoni

"Estamos vivendo a politização da covid”

Marcelo werner

"Quando o Estado publica um decreto às 11 horas da noite para que no dia seguinte seja cumprido, está faltando sintonia com a sociedade”

Marquinhos Kurtz

“[...} O meu posicionamento é contrário ao fechamento total. Eu acho que nós temos que trabalhar, nós temos que ter cuidado, e as coisas precisam funcionar”



Hoje nas bancas


Folheie o jornal aqui ❯