Matérias | Polícia


Itajaí

Confusão entre representante comercial e traveco vai parar na delegacia

Um diz que foi vítima de assalto. O outro, que fez programa e não recebeu a grana

Redação DIARINHO [editores@diarinho.com.br]

Uma confusão entre um travesti e um machão terminou na 2ª depê de Itajaí. O traveco J., 18 anos, disse à polícia que o representante comercial A., 42, não quis pagar o programa que fez. Na versão de A., o travesti o atacou quando andava de carro e tentou assaltá-lo.


 

Bora virar assinante para ler essa e todas as notícias do portal DIARINHO? Usuários cadastrados têm direito a 10 notícias grátis.


Esqueci minha senha




Se você ainda não é cadastrado, faça seu cadastro agora!


 







 






O bafão começou na rua Inglaterra, em Balneário Camboriú, por volta das 5h da madruga de ontem, e foi parar em Itajaí. Tanto o traveco quanto o representante comercial registraram um boletim de ocorrência em que um acusa o outro.

Continua depois da publicidade



A versão do machão

A. disse que passava pela avenida do Estado Dalmo Vieira quando o traveco apareceu na frente do seu carro e, antes que ele pudesse se dar conta do que rolava, o gurizão entrou pela porta do carona. O representante acusou J. de tê-lo ameaçado, dizendo que se não lhe entregasse dinheiro iria agredi-lo e depredar seu carango.

Ainda pela versão de A., pra tentar silivrar do suposto ladrão, disse que procuraria um caixa eletrônico pra sacar o dinheiro, e por isso veio pra Itajaí. Na rua Blumenau, perto de um postinho do banco do Brasil, parou o carro e tentou jogar o traveco pra fora, mas o rapaz tava com o cinto de segurança. Os dois então chamaram a polícia Militar. O representante ainda acusa o travesti de lhe ter tomado R$ 50.

A versão do travesti

Continua depois da publicidade



Na versão do travesti, o machão teria parado em seu ponto pra perguntar o preço do programa e concordou em pagar 100 pilas por um rala-e-rola. Os dois foram pra um lugar mais discreto e dentro do carango deram umazinha. Até aí, tudo era só love. O problema apareceu na hora de acertar as contas. Pelo que J. contou à polícia, A., na mó caruda, disse que não tinha grana. Foi por isso que o travesti teria feito o representante comercial procurar um banco pra pagar o que prometeu. Quando vieram pra Itajaí e acharam um caixa eletrônico, o representante comercial tentou silivrar do rapaz, o empurrando pra fora do carango. Ainda pelo relato do traveco, os dois brigaram e ele foi até mordido pelo machão. O traveco conseguiu tirar a chave do carro e pediu pr’uma pessoa que passava na hora chamar a polícia.

Como o caso tinha duas versões, os dois prestaram depoimento e foram liberados. Um inquérito policial será aberto pra apurar a verdadeira história.


Comentários:

Somente usuários cadastrados podem postar comentários.

Para fazer seu cadastro, clique aqui.

Se você já é cadastrado, faça login para comentar.


Envie seu recado

Através deste formuário, você pode entrar em contato com a redação do DIARINHO.

×





3.227.249.155

TV DIARINHO


Confira os destaques desta quarta-feira



Podcast

Minuto DIARINHO 05/05/2021

Publicado 05/05/2021 23:45



Blogs

Blog do JC

Na curva do rio

A bordo do esporte

Ex-equipe de Martine Grael confirma presença em regata europeia da The Ocean Race

Blog do Ton

Maior importadora de móveis do Brasil abre a primeira loja própria em Santa Catarina

Blog Clique Diário

Dica de fotografia

Blog Doutor Multas

Multa por excesso de velocidade acima de 50: qual é o valor?

Blog da Ale Francoise

Ervas do bem para o estresse!

Blog da Jackie

Hering comprou a Arezzo

Bastidores

Um olhar sobre o teatro de escola



Entrevistão

Liba Fronza

"O Navegay traz uma multidão de pessoas, não gera receita financeira e causa uma demanda social muito grande”

Volnei Morastoni

"Estamos vivendo a politização da covid”

Marcelo werner

"Quando o Estado publica um decreto às 11 horas da noite para que no dia seguinte seja cumprido, está faltando sintonia com a sociedade”

Marquinhos Kurtz

“[...} O meu posicionamento é contrário ao fechamento total. Eu acho que nós temos que trabalhar, nós temos que ter cuidado, e as coisas precisam funcionar”



Hoje nas bancas


Folheie o jornal aqui ❯