Matérias | Polícia


Itajaí

Acidente de trânsito é o que mais provoca mortes na região

Redação DIARINHO [editores@diarinho.com.br]

Os funcionários do instituto Médico Legal (IML) de Itajaí já trabalharam mais este ano do que em 2010. De janeiro deste ano até ontem, 289 defuntos tinham passado pelas geladeiras do IML. Pra se ter uma ideia, nos 12 meses do ano passado, o órgão registrou 277 necrópsias, que é como se chama os exames feitos em cadáveres. Ou seja, 12 a menos que este ano.


 

Bora virar assinante para ler essa e todas as notícias do portal DIARINHO? Usuários cadastrados têm direito a 10 notícias grátis.


Esqueci minha senha




Se você ainda não é cadastrado, faça seu cadastro agora!


 







 






Em 30 de novembro, o IML de Itajaí já tinha atingido a marca do ano passado. “Final de ano é uma época em que as pessoas ficam emotivas, naturalmente mais tristes, então esse número pode aumentar bastante”, arriscou dizer uma funcionária do instituto Médico Legal peixeiro, já prevendo que novos cadáveres irão aparecer por até antes do Ano Novo.

Continua depois da publicidade



O número deste ano representa uma média de 25 corpos passando pelo IML de Itajaí a cada 30 dias. Novembro e agosto foram os meses com o maior número deles. Em agosto foram 32 e em novembro 34 cadáveres. O que chama a atenção é a comparação com novembro do ano passado, quando foram registradas 14 mortes violentas na região.

O menor número de necrópsias feitas foi em fevereiro, com 19 casos.

Acidentes de trânsito encabeçam lista

As mortes em acidentes de trânsito, sem contar os atropelamentos, lideram as estatísticas. Entre 1º de janeiro e 12 de dezembro, foram 120 cadáveres que pintaram no IML de Itajaí de gente vítima de alguma trombada na região. O número é o mesmo registrado em 2010.

Continua depois da publicidade



Assassinatos e suicídios ocupam o segundo e o terceiro lugar desse pódio macabro. Há também o conjunto de mortes que o pessoal do IML costuma chamar de “acidentes gerais” e que somaram 54 casos. “Nessa estatística a gente considera mortes por atropelamento, afogamento, queda e os casos de aborto espontâneo”, explica uma funcionária do órgão.

Além da city peixeira, o IML de Itajaí é responsável por Navegantes, Penha, Piçarras, Ilhota, Luís Alves e Barra Velha.

 

O que mais levou gente pras geladeiras do IML este ano

Acidentes de Trânsito – 120 mortes – 41,5% (O mesmo número de 2010)

Homicídios – 84 mortes – 29% (13 a menos que em 2010)

Suicídios – 31 - 10,7% (Três a mais que no ano passado)

Outros* - 18,8% (*ATROPELAMENTOS, AFOGAMENTOS, QUEDAS E ABORTOS ESPONTÂNEOS)

O que mais matou em dezembro

Homicídios – 4

Suicídios – 4

Acidentes – 3

Queda - 1

 


Comentários:

Somente usuários cadastrados podem postar comentários.

Para fazer seu cadastro, clique aqui.

Se você já é cadastrado, faça login para comentar.


Envie seu recado

Através deste formuário, você pode entrar em contato com a redação do DIARINHO.

×





3.236.231.61

TV DIARINHO


Confira os destaques desta terça-feira



Podcast

Minuto DIARINHO 11/05/2021

Publicado 11/05/2021 22:10



Blogs

Blog Clique Diário

A Ilha de Pedra

Blog Doutor Multas

Modelo de recurso de multa online

Blog do JC

Salvo pela velha política?

A bordo do esporte

Inmarsat será pela sexta vez parceira de comunicações via satélite da The Ocean Race

Blog do Ton

Maior importadora de móveis do Brasil abre a primeira loja própria em Santa Catarina

Blog da Ale Francoise

Ervas do bem para o estresse!

Blog da Jackie

Hering comprou a Arezzo

Bastidores

Um olhar sobre o teatro de escola



Entrevistão

Liba Fronza

"O Navegay traz uma multidão de pessoas, não gera receita financeira e causa uma demanda social muito grande”

Volnei Morastoni

"Estamos vivendo a politização da covid”

Marcelo werner

"Quando o Estado publica um decreto às 11 horas da noite para que no dia seguinte seja cumprido, está faltando sintonia com a sociedade”

Marquinhos Kurtz

“[...} O meu posicionamento é contrário ao fechamento total. Eu acho que nós temos que trabalhar, nós temos que ter cuidado, e as coisas precisam funcionar”



Hoje nas bancas


Folheie o jornal aqui ❯