Matérias | Geral


Itajaí

A regata que pode mudar a cara de Itajaí

Sediar a etapa da maior regata do mundo pode ser um despertar definitivo para a vocação náutica da city peixeira

Redação DIARINHO [editores@diarinho.com.br]

O DIARINHO inicia uma série de reportagens sobre a preparação que Itajaí passa para abrigar a etapa da Volvo Ocean Race no ano que se aproxima. Hoje, o leitor será apresentado às obras que estão sendo feitas para receber a regata e, principalmente, aos projetos que podem representar um salto na qualidade de vida dos itajaienses.


 

Bora virar assinante para ler essa e todas as notícias do portal DIARINHO? Usuários cadastrados têm direito a 10 notícias grátis.


Esqueci minha senha




Se você ainda não é cadastrado, faça seu cadastro agora!


 







 






Na edição de amanhã, o DIARINHO mostrará os pontos favoráveis e os entraves para abrigar um evento desse porte. Também traremos informações sobre a capacitação de profissionais que ocorre pra garantir atendimento às milhares de pessoas que devem passar pela cidade durante os 18 dias do evento .

Continua depois da publicidade



Por Leonardo Thomé

Fotos Patrick Formosinho

O mês de abril de 2012 pode significar a abertura de um novo capítulo na história de Itajaí. Nele, o município de 151 anos renasceria revigorado por sediar um evento grandioso e que pode dividir a história peixeira em antes e depois, fazendo com que a cidade nunca mais seja a mesma. Pelo menos é nisso que acredita uma série de pessoas que foram ouvidas pela reportagem do DIARINHO nas últimas semanas e que garantem que Itajaí pode experimentar um gás no seu potencial econômico, turístico e esportivo a partir da etapa da Volvo Ocean Race (VOR).

A principal promessa é que a competição vai fortalecer a identidade de todos os peixeiros, aumentando a autoestima e deixando um legado que poderá ser aproveitado tanto em obras de infraestrutura como na formação de uma cultura voltada aos esportes náuticos.

Continua depois da publicidade



O deputado Federal Paulinho Bornhausen (DEM), secretário de Desenvolvimento Econômico Sustentável da Santa & Bela e considerado o padrinho da vinda da Volvo Ocean Race (VOR) a Itajaí, garante que a cidade só tem a comemorar pelo que está por vir.

O incremento econômico que Itajaí vai experimentar, de acordo com Paulinho, será de proporções jamais vistas. De três a quatro mil empresários do mundo todo, afirma, vão passar por Itajaí durante os dias da parada. “Isso vai otimizar tudo que Itajaí construiu até hoje, além de incentivar negócios na área imobiliária, turística e de lazer”, considera, acrescentando que, diferentemente do que dizem os críticos, as pessoas mais carentes de Itajaí também vão participar da regata. “Teremos programas de visitas das escolas e linhas de ônibus especiais durante os dias da Volvo. Tudo pra que as pessoas possam usufruir do evento”, revela.

Voltar o olhar ao rio e ao mar

Diz a lenda que a bandeira de Itajaí já conteve a inscrição: “Do rio vem a minha grandeza”. Hoje, tempos da bandeira amarelo, azul e sem frases de efeito, a cidade segue tendo uma relação intensa não só com o rio, mas também com o mar. A atividade portuária e a pesqueira, as praias e as cheias potencializadas pelos rios são alguns exemplos desta ligação. Outro exemplo, que só vem à tona de vez em quando, é a natural vocação que o município tem (ou teria) para os esportes náuticos.

O arquiteto e urbanista Dalmo Vieira Filho, superintendente do Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (IPHAN) na Santa & Bela, reforça que a city peixeira tem o dever de perceber a importância de se relacionar com o rio. “A náutica de lazer é uma ótima oportunidade pra colocar as pessoas em contato com a natureza. Isso precisa ser aproveitado por Itajaí pra recuperar nos moradores da cidade a vocação náutica”, afirma.

A mudança de paradigma, termo muito citado pelos organizadores da regata, contudo, ainda não emocionou o cidadão comum, que ignora ou participa pouco da organização do evento. Mesmo diante desta constatação, o coordenador da etapa peixeira da VOR, o ex-prefeito Amilcar Gazaniga, garante que já repara num envolvimento maior dos peixeiros com o evento. “Talvez ainda não seja o envolvimento necessário, mas já vejo as pessoas comentando a regata”, comemora.

Amilcar diz que a capacitação profissional que será oferecida a alunos da Univali e aos profissionais da prestação de serviços, como motoristas de táxi e frentistas; a limpeza das ruas, dos muros e dos terrenos, através de desconto no IPTU, e a exposição espontânea na mídia do mundo todo são exemplos pra balizar a dita mudança que pode acontecer. “Nós também temos um projeto que prevê a construção de sete espaços em vários pontos da cidade, como se fossem lan houses, pra acessar gratuitamente a internet e acompanhar a regata. Isso vai seguir funcionando depois da Volvo”, conta.

Não apenas do ponto de vista turístico, mas também no que se refere à melhora da infraestrutura e do potencial econômico da city, os dividendos que a VOR trará, segundo João Luiz Demantova, secretário executivo do Comitê Central Organizador (CCO) da etapa, são inegáveis. Pra ele, Itajaí deve se espelhar no exemplo de Alicante, na Espanha. “Alicante não conseguia vender seu destino na Espanha, principalmente em função de outros destinos turísticos que já existiam dentro do país. Então, ela viu na VOR a possibilidade de trazer um evento que tem uma exposição brutal na mídia internacional. Deu certo, porque hoje a cidade é destino pra milhares de turistas o ano todo”, expõe.

Como conectar os itajaienses com a Volvo?

O sociólogo Sérgio Saturnino, que é professor da Univali, sugere três formas diferentes de alcançar o povão e fazer com que o mesmo participe ativamente da VOR. “É necessário fortalecer a cultura local, valorizar a identidade de todos os itajaienses e apertar o botão dos princípios republicanos. Só assim teremos um envolvimento maior da comunidade”, explica.

Segundo Sérgio, o povo de Itajaí precisa ficar atento porque serão muitas coisas acontecendo ao mesmo tempo. No entanto, as mudanças que a cidade deve viver só serão percebidas em seu conjunto e isso, de acordo com o professor, significa qualidade de vida.

O envolvimento do povão, acredita Sérgio, vai aumentar com a proximidade da regata. Com isso, ele afirma, a própria convivência com outros povos vai deixar os moradores itajaienses mais confiantes, respeitosos e atenciosos com os conterrâneos e visitantes. “Talvez as pessoas aprendam que, numa República, primeiro vem o dever do cidadão e depois vem o direito. Na Europa é assim, mas aqui no Brasil é o contrário”, avalia.


Comentários:

Somente usuários cadastrados podem postar comentários.

Para fazer seu cadastro, clique aqui.

Se você já é cadastrado, faça login para comentar.


Envie seu recado

Através deste formuário, você pode entrar em contato com a redação do DIARINHO.

×





3.226.76.98

TV DIARINHO


Confira os destaques desta quinta-feira



Podcast

Minuto DIARINHO 22/04/2021

Publicado 22/04/2021 22:04



Blogs

A bordo do esporte

The Ocean Race anuncia nova iniciativa sobre a mudança climática

Blog da Jackie

Novidadeiras

Blog do JC

Aditivo

Blog da Ale Francoise

Fortificante Natural de Uva!

Blog Clique Diário

Primeira Foto do voo inaugural do helicóptero Ingenuity Mars da NASA

Blog Doutor Multas

CNH Bloqueada? Veja o que fazer para regularizar

Blog do Ton

Terrazza Praia Brava

Bastidores

Um olhar sobre o teatro de escola



Entrevistão

Volnei Morastoni

"Estamos vivendo a politização da covid”

Marcelo werner

"Quando o Estado publica um decreto às 11 horas da noite para que no dia seguinte seja cumprido, está faltando sintonia com a sociedade”

Marquinhos Kurtz

“[...} O meu posicionamento é contrário ao fechamento total. Eu acho que nós temos que trabalhar, nós temos que ter cuidado, e as coisas precisam funcionar”

Fabrício Oliveira

"Se nós tivéssemos leitos hospitalares nós não estaríamos discutindo lockdown'



Hoje nas bancas


Folheie o jornal aqui ❯