Matérias | Geral


Itajaí

Empresário acredita que Itajaí pode viver o ciclo do turismo

Redação DIARINHO [editores@diarinho.com.br]

Da varanda do hotel Marambaia de Cabeçudas, na praia de mesmo nome, em Itajaí, a vista é de deixar qualquer um de queixo caído. O proprietário do local, o empresário Guilherme Nunes, que vive há algumas décadas na vizinhança, sabe bem dos encantos que a nossa orla tem. Guilherme, que sempre esteve envolvido nos conselhos municipais de turismo da city, acredita que o impacto da regata será formidável pra Itajaí e região. “Este é o momento de Itajaí alçar voos mais altos. Esta é a chance”, afirma.


 

Este conteúdo é exclusivo para usuários cadastrados.


Esqueci minha senha




Se você ainda não é cadastrado, faça seu cadastro agora!


 







 






A passagem da VOR por terras peixeiras se dará depois da perna mais difícil da regata, que inclui a passagem pelo Cabo Horn, na divisa dos oceanos Atlântico e Pacífico, onde incontáveis naufrágios já ocorreram. Por este motivo, pessoas no mundo inteiro estarão bastante atentas à prova quando os velejadores chegarem por aqui. Guilherme observa que essa visibilidade também pode ajudar Itajaí, porque, com exposição, os benefícios vão aparecer. “O impacto disso pra cidade é inegável, e ele se dará pela visibilidade. Por exemplo, a gente sempre prefere um restaurante que está cheio ao invés de um que está vazio”, compara.

O empresário diz que Itajaí é uma cidade de ciclos, como já houve o ciclo econômico da madeira, da pesca, da atividade portuária, e ele acredita que a passagem da Volvo pode desencadear o ciclo econômico do turismo. Mas, Guilherme sublinha: pra isso acontecer é necessário o envolvimento e a preparação de todos os moradores. “O turismo é uma das nossas vocações, assim como o mar também é nossa vocação. Mas se nós não trabalharmos isso, a gente vai morrer com a vocação e não vai aproveitá-la. Temos que aproveitar a regata e crescer como polo turístico”, avalia.

O maior desafio que Itajaí enfrentará nos próximos quatro meses, na opinião de Guilherme, é a capacitação profissional dos trabalhadores da prestação de serviços, como garçons, recepcionistas e atendentes. De acordo com o empresário, é necessário trabalhar essa qualificação, que ficará também como um legado pra cidade. “Temos que qualificar o nosso pessoal, qualificar os nossos hotéis, quando eu falo isso eu digo toda a região, porque já não se fala mais em turismo em uma única cidade, se fala na região”, aponta.

 


Comentários:

Somente usuários cadastrados podem postar comentários.

Para fazer seu cadastro, clique aqui.

Se você já é cadastrado, faça login para comentar.


Envie seu recado

Através deste formuário, você pode entrar em contato com a redação do DIARINHO.

×





3.235.11.178

TV DIARINHO




Podcast

Minuto DIARINHO

Publicado 04/03/2021 21:22



Blogs

Blog do JC

Manezinho Hélio Costa assina embaixo em projeto de retomada do setor de eventos

Blog Clique Diário

Panorama Itajaí amanhecer ensolarado

A bordo do esporte

The Ocean Race Europe confirma mais uma cidade-sede: Cascais (Portugal)

Blog da Ale Francoise

Folha de louro e seus benefícios

Blog da Jackie

Coluna do impresso

Blog Doutor Multas

Proteção veicular: entenda como funciona!



Entrevistão

Entrevistão com os candidatos à prefeitura de Itajaí (Parte 2)

Entrevistão com os candidatos à prefeitura de Itajaí (Parte 1)

Entrevistão com os candidatos à prefeitura de Balneário Camboriú (Parte 2)

Entrevistão com os candidatos à prefeitura de Balneário Camboriú (Parte 1)

Itajaí

Entrevistão com os candidatos à prefeitura de Porto Belo



Hoje nas bancas


Folheie o jornal aqui ❯