Matérias | Geral


Itajaí

Prefa de Itajaí admite que brutos pesadões ajudaram a detonar ainda mais a ponte que leva às praias

Passagem tá interditada até amanhã pra vigas receberem reforços. Depois trânsito será aberto com restrições

Redação DIARINHO [editores@diarinho.com.br]

Os sabichões da prefa admitiram que os brutos pesadões, que traziam areia do parque do Atalaia, ajudaram a detonar de vez a ponte do ribeirão Schneider, no bairro Fazenda, em Itajaí. Na sexta-feira passada apareceram rachaduras na ponte e os engenheiros da secretaria de Obras constataram que a estrutura cedeu cerca de 20 centímetros. Ontem, desde as 14h, a ponte foi interditada pro trânsito. Tudo para facilitar o trabalho dos peões que estão colocando um reforço nas vigas. Apenas ziquinhas e pedestres podem passar pelo local. A prefa espera liberar o tráfego a partir de amanhã.


 

Bora virar assinante para ler essa e todas as notícias do portal DIARINHO? Usuários cadastrados têm direito a 10 notícias grátis.


Esqueci minha senha




Se você ainda não é cadastrado, faça seu cadastro agora!


 







 






Segundo Marcelo Souza, engenheiro da secretaria de Obras e responsável pela reforma, a parte estrutural da ponte já tava capenga, mas o tráfego diário de brutos carregados de areia do parque do Atalaia terminou de detoná-la. Os caminhões socados de terra chegavam a pesar 15 toneladas. “A estrutura já estava comprometida. O que houve foi a aceleração desse processo de arruinamento da estrutura de concreto. Um caminhão cheio de areia chega a ter 15 toneladas de peso. Mas não tínhamos muitas opções”, analisa o engenheiro, que ainda informou que a prefa monitorou o risco de desabamento. “Se não fosse pela ponte, os caminhões poderiam arrebentar o calçamento das ruas do caminho alternativo. Mas sempre controlamos o nível da ponte pra saber se havia ou não risco de cair”, jura o sabichão.

Continua depois da publicidade



A prefa também informou que a ponte de Cabeçudas foi construída em 1949 e que já estava precisando de uma garibada. O secretário de Obras peixeiro, Tarcízio Zanelato, explica que até o final de janeiro a city já deve ter uma nova estrutura no local. “Se fôssemos fazer uma ponte nova, contando com o processo de licitação e tudo mais, levaria no mínimo seis meses. O sistema de galeria é uma solução mais ágil. Não é necessário fazer licitação e vai sair mais barato, algo em torno de R$ 150 mil”, afirma o bagrão.

Por onde passar

A Codetran avisa que tem uma rota alternativa pros motoras que não podem passar pela ponte. A recomendação é pra que os motoristas que vêm no sentido centro/praias retornem pra avenida Sete de Setembro através da rua Antônio M. Moreira até chegar à rua Florianópolis (altura do posto do Tibério) e sigam pela rua Gumercindo Rocha até a avenida deputado Francisco Evaristo Canziani. Já quem vem no sentido praia/centro deve seguir pela rua Gumercindo Rocha até chegar na rua deputado Francisco Evaristo Canziani. A interdição permanecerá até que os trabalhos sejam concluídos.

Continua depois da publicidade




Comentários:

Somente usuários cadastrados podem postar comentários.

Para fazer seu cadastro, clique aqui.

Se você já é cadastrado, faça login para comentar.


Envie seu recado

Através deste formuário, você pode entrar em contato com a redação do DIARINHO.

×





3.226.76.98

TV DIARINHO


Confira os destaques desta quinta-feira



Podcast

Minuto DIARINHO 22/04/2021

Publicado 22/04/2021 22:04



Blogs

A bordo do esporte

The Ocean Race anuncia nova iniciativa sobre a mudança climática

Blog da Jackie

Novidadeiras

Blog do JC

Aditivo

Blog da Ale Francoise

Fortificante Natural de Uva!

Blog Clique Diário

Primeira Foto do voo inaugural do helicóptero Ingenuity Mars da NASA

Blog Doutor Multas

CNH Bloqueada? Veja o que fazer para regularizar

Blog do Ton

Terrazza Praia Brava

Bastidores

Um olhar sobre o teatro de escola



Entrevistão

Volnei Morastoni

"Estamos vivendo a politização da covid”

Marcelo werner

"Quando o Estado publica um decreto às 11 horas da noite para que no dia seguinte seja cumprido, está faltando sintonia com a sociedade”

Marquinhos Kurtz

“[...} O meu posicionamento é contrário ao fechamento total. Eu acho que nós temos que trabalhar, nós temos que ter cuidado, e as coisas precisam funcionar”

Fabrício Oliveira

"Se nós tivéssemos leitos hospitalares nós não estaríamos discutindo lockdown'



Hoje nas bancas


Folheie o jornal aqui ❯