Matérias | Geral


Itajaí

Briga termina em morte de pedreiro

Este é o terceiro assassinato no Cidade Nova em pouco mais de um dia

Redação DIARINHO [editores@diarinho.com.br]

Tá virando rotina os assassinatos no bairro Cidade Nova, em Itajaí. Na tarde de ontem mais um homem morreu vítima de tirombaços naquela comunidade. O pedreiro Márcio José Bandura, 43 anos, teria discutido momentos antes com o atirador que, segundo uma testemunha, era seu cunhado. O delegado Osnei Valdir de Oliveira, da divisão de Investigações Criminais (DIC), informou que já identificou o autor do homicídio.


 

Bora virar assinante para ler essa e todas as notícias do portal DIARINHO? Usuários cadastrados têm direito a 10 notícias grátis.


Esqueci minha senha




Se você ainda não é cadastrado, faça seu cadastro agora!


 







 






O assassinato rolou perto das 16h30 na rua dos Hibiscos. Um cortiço que fica no final da rua sem saída era onde Márcio morava com a irmã e o cunhado, contou ao DIARINHO uma vizinha. De acordo com o delegado Osnei, o pedreiro teve uma briga feia momentos antes do crime com o homem que o matou. Depois do quebra-pau, o atirador saiu e voltou logo em seguida num mototáxi pra se vingar. O delegado preferiu não divulgar o nome do suspeito.

Continua depois da publicidade



O balaço que tirou a vida do pedreiro entrou pelo ombro esquerdo e foi parar no coração do coitado. Márcio morreu na calçada, bem na frente do conjunto de quartinhos que alugava, antes mesmo da chegada dos bombeiros.

Ontem à noitinha, o delegado Osnei localizou o mototaxista que teria levado o assassino até o local. O cara já teve um lero oficial com os tiras. “Não sabemos qual a relação dele no crime, nem se ele sabia que o suspeito ia matar alguém” disse o delegado. Na quarta-feira, duas outras pessoa já haviam morrido num atentado no Cidade Nova.

Grana de herança provocou a brigaceira

Continua depois da publicidade



Uma vizinha que testemunhou o crime e conhecia os envolvidos contou ao DIARINHO que a briga entre Márcio e o cunhado teria rolado por conta de grana. O pedreiro e a irmã receberam recentemente o dinheiro da herança do pai. A mana de Márcio teria comprado duas motocas, uma pra ela e outra pro marido. Cabreiro, o rapaz que acabou morrendo discutiu com a irmã e depois caiu na porrada com o cunhado. “Ele foi no quarto e começou a agredir o rapaz que vive com a irmã dele. O cara saiu e disse que ia voltar pra matar ele. Em menos de 10 minutos ele voltou”, relatava a vizinha bem informada, se dizendo espantada com a rapidez do assassino.

Ainda pela história da vizinha, o assassino voltou no mototáxi e houve um novo confronto entre eles. “Ele [o cunhado) chegou atirando pro alto. O Márcio saiu detrás do muro com um ferro e deu na cabeça dele. O cara virou e atirou nele. Em menos de cinco minutos ele [Márcio] morreu, ali na calçada mesmo”, conta a moça.


Comentários:

Somente usuários cadastrados podem postar comentários.

Para fazer seu cadastro, clique aqui.

Se você já é cadastrado, faça login para comentar.


Envie seu recado

Através deste formuário, você pode entrar em contato com a redação do DIARINHO.

×





3.236.231.61

TV DIARINHO


Confira os destaques desta terça-feira



Podcast

Minuto DIARINHO 11/05/2021

Publicado 11/05/2021 22:10



Blogs

Blog Clique Diário

A Ilha de Pedra

Blog Doutor Multas

Modelo de recurso de multa online

Blog do JC

Salvo pela velha política?

A bordo do esporte

Inmarsat será pela sexta vez parceira de comunicações via satélite da The Ocean Race

Blog do Ton

Maior importadora de móveis do Brasil abre a primeira loja própria em Santa Catarina

Blog da Ale Francoise

Ervas do bem para o estresse!

Blog da Jackie

Hering comprou a Arezzo

Bastidores

Um olhar sobre o teatro de escola



Entrevistão

Liba Fronza

"O Navegay traz uma multidão de pessoas, não gera receita financeira e causa uma demanda social muito grande”

Volnei Morastoni

"Estamos vivendo a politização da covid”

Marcelo werner

"Quando o Estado publica um decreto às 11 horas da noite para que no dia seguinte seja cumprido, está faltando sintonia com a sociedade”

Marquinhos Kurtz

“[...} O meu posicionamento é contrário ao fechamento total. Eu acho que nós temos que trabalhar, nós temos que ter cuidado, e as coisas precisam funcionar”



Hoje nas bancas


Folheie o jornal aqui ❯