Matérias | Economia


Itajaí

Importância da economia da região é destaque na revista Exame

De toda a região, Itajaí foi a que ficou melhor na fita em uma pesquisa encomendada pr’uma firma de consultoria

Redação DIARINHO [editores@diarinho.com.br]

Se alguém tinha dúvidas quanto à importância de Itajaí pra economia do país, elas foram embora com a edição desta semana da revista Exame, uma publicação especializada de circulação nacional. A revista aponta a foz do rio Itajaí-açu como integrante de um seleto grupo das 10 regiões que mais crescem economicamente no país e dá destaque especial para Itajaí. Pela reportagem, a city peixeira responde por 70% do produto interno bruto (PIB, que é a soma das riquezas) do conjunto das 11 cidades no seu entorno.


 

Bora virar assinante para ler essa e todas as notícias do portal DIARINHO? Usuários cadastrados têm direito a 10 notícias grátis.


Esqueci minha senha




Se você ainda não é cadastrado, faça seu cadastro agora!


 







 






Itajaí tá muito bem na fita da grande reportagem da Exame chamada “A marca da economia brasileira”. São 18 páginas traçando o perfil das maiores pujanças econômicas do país. O porto e sua logística e a construção civil foram apontados como os setores econômicos mais importantes da região.

Continua depois da publicidade



A matéria tem como base uma pesquisa da empresa de consultoria Deloitte, que a pedido da Exame fez um levantamento minucioso dos novos polos de desenvolvimento econômico brazucas que tão dando um balão nos grandes centros econômicos.

Pra ter uma ideia do que esse grupo de 10 regiões representa pro restante do país, nos últimos três anos sua economia cresceu 45%, enquanto que a média nacional ficou em 16%. Quer mais? Então veja só: sua participação no PIB nacional tende a pular de minguados 4% em 2008 para significativos 12% em 2020. (Veja no gráfico abaixo o que a pesquisa da Exame/Deloitte traz sobre Itajaí e região).

Pela pesquisa, no sul do Brasil despontaram apenas Itajaí e suas cidades vizinhas, em especial Balneário Camboriú e Navega, as cidades gaúchas de Cruz Alta e Não-Me-Toque, no noroeste daquele estado, e as paranaenses Paranaguá e Antonina, no litoral.

A disputa não foi fácil. A foz do rio Itajaí-açu foi selecionada de um universo de 558 microrregiões espalhadas pelo país afora. Além da nossa e daquelas do noroeste gaúcho, foram apontados ainda o sudeste do Pará (Marabá e Paraubebas), o sul do Maranhão (Porto Franco e Estreito), o norte do Rio Grande do Norte (Macau e Guamaré), o sudeste mineiro (Ouro Preto e Itabirito), o norte fluminense (Macaé e Campos dos Goytacazes), o sul de Goiás (Quirinópolis e São Simão) e o norte e o sudeste do Mato Grosso (Primavera do Leste e Sorriso).

Continua depois da publicidade



Pesquisa do IBGE confirma importância de Itajaí

Pesquisa divulgada esta semana pelos sabichões do instituto brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) reforça a importância de Itajaí no cenário econômico nacional. Pela pesquisa do órgão, que pertence ao governo federal, a city peixeira tinha em 2009 o segundo maior PIB do estado. Algo perto de R$ 10,9 bilhões. Só perdia mesmo pra industrializada Joinville, a maior cidade da Santa & Bela, com R$ 13,4 bi. A terceira no ranking é Floripa, com R$ 8,3 bi.

Se fosse dividir toda essa dinheirama por morador da cidade, Itajaí também se daria bem. O PIB per capita (por cabeça) daria em 2009 nada menos que R$ 63,2 mil por habitante. Também o segundo do estado. O primeiro continua Joinville, com um PIB per capita de aproximadamente R$ 83 mil. A pequena Treze Tílias, no meio oeste, fica com a terceira posição, com R$ 52,7 mil.

Pra empresários e dirigentes públicos, cidade vai se destacar ainda mais nos cenários estadual e nacional

A reportagem da Exame, botando Itajaí nos cornos da lua, não foi surpresa pra quem vem acompanhando os caminhos e vieses da conturbada economia itajaiense, castigada de tempos em tempos pela natureza, como as enchentes, alagamentos ou o assoreamento do canal de navegação. “Recebemos a notícia com muito otimismo e alegria, principalmente por ver que Itajaí, de fato, é aquilo que temos falado há muito tempo e que será o centro econômico do estado”, diz, de boca cheia, o executivo Eclésio Silva, vice-presidente para assuntos portuários e do comércio exterior da associação Empresarial de Itajaí (ACII) e que em janeiro assume a vice-presidência executiva da entidade.

Chefão do sindicato das Agências de Navegação Marítimas de Santa Catarina (Sindasc) e diretor da Multilog, empresa privada que tem na cidade um dos maiores portos secos alfandegados do Brasil, Eclésio tem cacife pra afiançar que a Itajaí chegará ao máximo da sua importância econômica pro estado em no máximo cinco anos. “Em 2015, 2016, estaremos ultrapassando o PIB de Joinville”, aposta.

E não é apenas o pessoal do setor privado que esbanja otimismo. “Mesmo as intempéries, como as enchentes, não conseguiram parar o crescimento econômico da cidade e a projeção para os próximos anos é ainda maior”, comenta Clayton Batschauer, secretário de Desenvolvimento Econômico, Emprego e Renda (Sedeer) da prefa de Itajaí.

A tal da projeção da qual Clayton fala vai além do setor portuário e infraestrutura logística. “Temos, claro, um porto e um modal logístico que são referência para o país, mas estamos tendo dois novos mercados em expansão, o da indústria do petróleo e do gás e o náutico, que será de excelência internacional”, afirma o abobrão.


Comentários:

Somente usuários cadastrados podem postar comentários.

Para fazer seu cadastro, clique aqui.

Se você já é cadastrado, faça login para comentar.


Envie seu recado

Através deste formuário, você pode entrar em contato com a redação do DIARINHO.

×





3.238.206.122

TV DIARINHO


Confira os destaques desta terça-feira



Podcast

Minuto DIARINHO 20/04/2021

Publicado 20/04/2021 21:32



Blogs

Blog da Jackie

Novidadeiras

Blog do JC

Aditivo

Blog da Ale Francoise

Fortificante Natural de Uva!

Blog Clique Diário

Primeira Foto do voo inaugural do helicóptero Ingenuity Mars da NASA

Blog Doutor Multas

CNH Bloqueada? Veja o que fazer para regularizar

A bordo do esporte

Tradicional regata Rolex Capri Napoli confirmada em maio

Blog do Ton

Terrazza Praia Brava

Bastidores

Um olhar sobre o teatro de escola



Entrevistão

Volnei Morastoni

"Estamos vivendo a politização da covid”

Marcelo werner

"Quando o Estado publica um decreto às 11 horas da noite para que no dia seguinte seja cumprido, está faltando sintonia com a sociedade”

Marquinhos Kurtz

“[...} O meu posicionamento é contrário ao fechamento total. Eu acho que nós temos que trabalhar, nós temos que ter cuidado, e as coisas precisam funcionar”

Fabrício Oliveira

"Se nós tivéssemos leitos hospitalares nós não estaríamos discutindo lockdown'



Hoje nas bancas


Folheie o jornal aqui ❯