Matérias | Reclamações


Itajaí

Gurizão lelé que tava apavorando no bairro Gravatá é internado em hospital psiquiátrico

Redação DIARINHO [editores@diarinho.com.br]

Os surtos dum rapaz com problemas psicológicos em terras dengo-dengos vinham tirando o sossego da comerciante F.G., 55 anos. Segundo a muié, o guri tem ataques e sai pela city fazendo arruaça. “Ele vem aqui [na loja dela] e faz a maior bagunça. Quer mexer em tudo. Arrombou carros, até. Pelo que soube, a prefeitura internou ele em uma clínica lá em Florianópolis, mas ele voltou e continua fazendo as mesmas coisas. Tem dia que ele tá normal, mas de repente fica transtornado. Já ligamos pra meio mundo e ninguém faz nada”, lasca. A comerciante não sabe o nome do rapaz, mas acredita que ele tenha família. “Na verdade, a única coisa que eu sei é que ele mora no São Domingos 2 e vem aqui pro Gravatá fazer bagunça. Como ele é transtornado, temos medo de reagir e ele revidar violentamente”, comenta.


 

Bora virar assinante para ler essa e todas as notícias do portal DIARINHO? Usuários cadastrados têm direito a 10 notícias grátis.


Esqueci minha senha




Se você ainda não é cadastrado, faça seu cadastro agora!


 







 






A prefa de Navega informou, no dia 13, que não conhecia o rapaz. No dia seguinte, no entanto, a reportagem foi informada por uma funcionária do centro de Atenção Psicosocial (Caps) que o gurizão tinha sido encaminhado pro instituto Psiquiátrico de São José (IPQ), na grande Florianópolis, onde receberia tratamento. A funcionária, que não quis se identificar, contou que a família abandonou o rapaz. Uma assistente social já foi conversar com os parentes dele para explicar que o cara precisa de cuidados especiais. Se a parentada virar as costas pro guri, pode responder pelo crime de abandono na dona justa.

Continua depois da publicidade



O secretário de Saúde da city dengo-dengo, Juliano de Maria, confirmou a transferência do homi pra Floripa, após a autorização da família do rapaz. O abobrão informou que, em casos mais graves como surtos, os pacientes são encaminhados pro IPQ, já que lá o suporte é mais qualificado. “Geralmente vão para lá casos mais difíceis. Os pacientes ficam de 10 a 15 dias internados. Recebem toda a medicação correta. Quando se acalmam, voltam para cá. Então, aqui no Caps é dado continuação ao tratamento iniciado. É como a diferença entre o hospital e o postinho”, explica.

Como funciona o CAPS

O Caps de Navega está ativo desde 2008. Lá, pacientes com problemas psiquiatrícos ou dependentes químicos recebem tratamento. Juliano explicou que ninguém é forçado a permanecer no centro e que o atendimento surte efeito quando é fruto da própria vontade da pessoa tratada. “Hoje, temos oficinas de artes, costura, música, terapia em grupo e psiquiatra disponível”, conta o abobrão. No Caps, trabalham 12 funcionários, entre enfermeiros, médicos, psicólogos e professores. “O número exato de pacientes não dá para ser calculado, já que varia de acordo com o dia”, comenta. Ao perceberem que as pessoas tratadas não estão recebendo apoio da família, o Caps envia assistentes sociais para conversar sobre o paciente. Caso não resolva, os assistentes fazem um documento que é enviado para o fórum de Navega. A família tem que responder à justa pelo abandono de incapaz.

Continua depois da publicidade




Comentários:

Somente usuários cadastrados podem postar comentários.

Para fazer seu cadastro, clique aqui.

Se você já é cadastrado, faça login para comentar.


Envie seu recado

Através deste formuário, você pode entrar em contato com a redação do DIARINHO.

×





18.206.238.77

TV DIARINHO


Entrevistão com Heli Schlickmann - Técnico Agrícola e Gestor ambiental



Podcast

Minuto DIARINHO 14/05/2021

Publicado 14/05/2021 20:29



Blogs

Blog do JC

Morre Bruno Covas

Blog Doutor Multas

Cadastro do Bom Motorista: o que é e como fazer o seu?

A bordo do esporte

Team Childhood vence etapa prólogo da The Ocean Race Europa

Blog Clique Diário

A Ilha de Pedra

Blog do Ton

Maior importadora de móveis do Brasil abre a primeira loja própria em Santa Catarina

Blog da Ale Francoise

Ervas do bem para o estresse!

Blog da Jackie

Hering comprou a Arezzo

Bastidores

Um olhar sobre o teatro de escola



Entrevistão

Heli Schlickmann

" Nas cidades arborizadas as pessoas são mais felizes”

Liba Fronza

"O Navegay traz uma multidão de pessoas, não gera receita financeira e causa uma demanda social muito grande”

Volnei Morastoni

"Estamos vivendo a politização da covid”

Marcelo werner

"Quando o Estado publica um decreto às 11 horas da noite para que no dia seguinte seja cumprido, está faltando sintonia com a sociedade”



Hoje nas bancas


Folheie o jornal aqui ❯