Matérias | Geral


Itajaí

Diversão na Beira Rio: uma noite na balada insana do La Cabana

Redação DIARINHO [editores@diarinho.com.br]

Um lugar cheio de jovens com óculos escuros, correntes chamativas no pescoço, pirulito na boca e qualquer porcaria na cabeça. Assim estava a maioria dos frequentadores do La Cabana, na madrugada de sábado, dia 17 de dezembro, quando o DIARINHO foi conferir o que rola na balada que atormenta vizinhos pelo barulho e pais e mães pela suspeita de que menores peixeiros vão ao local pra se drogar.


 

Bora virar assinante para ler essa e todas as notícias do portal DIARINHO? Usuários cadastrados têm direito a 10 notícias grátis.


Esqueci minha senha




Se você ainda não é cadastrado, faça seu cadastro agora!


 







 






Ao som de eletro house, eletro funk e eletro sertanejo, a movimentação no La Cabana, que fica na avenida Beira-rio, em Itajaí, começa pouco antes da meia-noite. Os seguranças perfilados do lado de fora indicam que a festa já vai começar. São 00h30 quando entramos na fila, depois de pagar 10 reais pelo ingresso. Na entrada, a revista é rigorosa, com os frequentadores tendo que tirar tudo dos bolsos, pra daí sim passarem pelo raio-x de mãos.

Continua depois da publicidade



A itajaiense C.S., 49 anos, disse ao DIARINHO em entrevista pra série de reportagens “Meninos do Tráfico”, publicada em outubro deste ano, que o La Cabana, junto com outros locais da city peixeira, seria ponto de aliciamento e recrutamento de crianças e adolescentes pra venderem drogas. Na noite em que fomos até lá, não flagramos nenhuma cena de venda ou consumo de drogas dentro do bate-coxa, mas vimos jovens – alguns menores de idade – bebendo vodca e energético, com uma euforia que lembrava a mesma dos frequentadores das baladas eletrônicas, que geralmente são movidas a drogas sintéticas.

Algumas pessoas com quem a reportagem conversou garantem: os homens e mulheres que vão ao La Cabana tomam ecstasy, a popular bala, pra encarar a festinha, que tem uma proporção bem maior de manos do que de minas. No dia da visita da reportagem alguns frequentadores garantiram que escolhemos uma sexta-feira fraca, já que havia várias formaturas pela cidade. Segundo ele, o lugar costuma bombar mais. Nesta noite, apenas um dos salões estava lotado. A entrada do banheiro era o único lugar sinistro na balada, pois ali uma turminha grande discutia entre si. Todos com os olhos estralados e falando demais.

Não rolaram fortes emoções na noite de sábado no La Cabana. Sem brigas, sem confusão, apenas com jovens doidões e uma menina em cadeira de rodas que curtia a balada. Diferente da madrugada do dia 26 de novembro, também não foram encontradas jovens grávidas curtindo a night. No auge do barulho, as 04h10, as luzes da boate foram acessas e o pessoal começou a ir embora. Lá fora, pessoas ainda alucinadas sacudiam os carros que passavam pela avenida. Isso acompanhado de gritos. Nesse momento deu pra entender o dilema de quem vive no entorno da balada insana.

 

Continua depois da publicidade




Comentários:

Somente usuários cadastrados podem postar comentários.

Para fazer seu cadastro, clique aqui.

Se você já é cadastrado, faça login para comentar.


Envie seu recado

Através deste formuário, você pode entrar em contato com a redação do DIARINHO.

×





18.206.238.77

TV DIARINHO


Entrevistão com Heli Schlickmann - Técnico Agrícola e Gestor ambiental



Podcast

Minuto DIARINHO 14/05/2021

Publicado 14/05/2021 20:29



Blogs

Blog do JC

Morre Bruno Covas

Blog Doutor Multas

Cadastro do Bom Motorista: o que é e como fazer o seu?

A bordo do esporte

Team Childhood vence etapa prólogo da The Ocean Race Europa

Blog Clique Diário

A Ilha de Pedra

Blog do Ton

Maior importadora de móveis do Brasil abre a primeira loja própria em Santa Catarina

Blog da Ale Francoise

Ervas do bem para o estresse!

Blog da Jackie

Hering comprou a Arezzo

Bastidores

Um olhar sobre o teatro de escola



Entrevistão

Heli Schlickmann

" Nas cidades arborizadas as pessoas são mais felizes”

Liba Fronza

"O Navegay traz uma multidão de pessoas, não gera receita financeira e causa uma demanda social muito grande”

Volnei Morastoni

"Estamos vivendo a politização da covid”

Marcelo werner

"Quando o Estado publica um decreto às 11 horas da noite para que no dia seguinte seja cumprido, está faltando sintonia com a sociedade”



Hoje nas bancas


Folheie o jornal aqui ❯