Matérias | Geral


Itajaí

Emasa vai implantar rede de esgoto e água nas praias agrestes do Balneário

Redação DIARINHO [editores@diarinho.com.br]

O aperreio dos moradores das praias agrestes de Balneário Camboriú com a falta de saneamento básico tá chegando ao fim. A direção da empresa Municipal de Água e Saneamento (Emasa) anunciou que conseguiu uma grana do governo federal pra implantar a rede coletora de esgoto e o abastecimento de águas nas praias do Estaleiro, Estaleirinho, Taquaras, Taquarinhas e Laranjeiras. São quase dois mil moradores que vão contar com serviços essenciais. A previsão pra concluir a obra é até dezembro do ano que vem.


 

Bora virar assinante para ler essa e todas as notícias do portal DIARINHO? Usuários cadastrados têm direito a 10 notícias grátis.


Esqueci minha senha




Se você ainda não é cadastrado, faça seu cadastro agora!


 







 






A bufunfa pra resolver o problema veio através do programa de Aceleração do Crescimento (PAC 2). A Emasa vai investir R$ 30,2 milhões pra fazer a rede de esgoto nas praias e outros R$ 6 milhões vão pra encanar a água. O engenheiro Eduardo Hamond Regua, diretor técnico da autarquia, informa que em 30 de dezembro vai rolar a assinatura do contrato de financiamento pra Emasa poder receber o dindim. O cronograma prevê pra março a entrega e aprovação dos projetos.

Continua depois da publicidade



A direção da Emasa tá querendo começar também em março a licitação pra contratar a empresa pra tocar o trampo. A intenção é que as obras comecem em maio, diz o engenheiro Eduardo. A princípio, o esgoto e a água canalizada vão estar prontinhos em dezembro do ano que vem.

O berreiro do povão com a falta de água encanada e de esgoto é antigo. Em outubro do ano passado, o DIARINHO publicou matéria relatando a situação. Quem se instalava em algum dos novos loteamentos das praias agrestes, somente conseguia água se construísse poços artesianos. O problema atingia ainda as quatro escolas da comunidade. A criançada só não ficava sem o líquido precioso porque a prefa pagava um caminhão-pipa pra abastecer os colégios.

Como vai funcionar

A Emasa vai ampliar o sistema pegando água dos encanamentos que passam pela ponte sobre o rio Camboriú e que têm 40 centímetros de espessura. A rede se ramificará por tubulações de 30, 20 e 15 centímetros e a água vai passar através de estações chamadas de recalque, pra que possam ser bombeadas até reservatórios nas comunidades. De lá, serão distribuídas ao povão.

Continua depois da publicidade



As bombas vão ser instaladas no Estaleiro, Estaleirinho, que já é abastecido pela companhia Águas de Itapema, além de Taquaras e Laranjeiras.

O esgoto de Laranjeiras irá pra estação de tratamento de Taquaras, que já existe, através de uma linha de recalque e uma estação elevatória. As redes de esgoto do Estaleiro e do Estaleirinho vão ser direcionadas pra estação do bairro Nova Esperança, no mesmo esquema que Laranjeiras.


Comentários:

Somente usuários cadastrados podem postar comentários.

Para fazer seu cadastro, clique aqui.

Se você já é cadastrado, faça login para comentar.


Envie seu recado

Através deste formuário, você pode entrar em contato com a redação do DIARINHO.

×





3.226.76.98

TV DIARINHO


Confira os destaques desta quinta-feira



Podcast

Minuto DIARINHO 22/04/2021

Publicado 22/04/2021 22:04



Blogs

A bordo do esporte

The Ocean Race anuncia nova iniciativa sobre a mudança climática

Blog da Jackie

Novidadeiras

Blog do JC

Aditivo

Blog da Ale Francoise

Fortificante Natural de Uva!

Blog Clique Diário

Primeira Foto do voo inaugural do helicóptero Ingenuity Mars da NASA

Blog Doutor Multas

CNH Bloqueada? Veja o que fazer para regularizar

Blog do Ton

Terrazza Praia Brava

Bastidores

Um olhar sobre o teatro de escola



Entrevistão

Volnei Morastoni

"Estamos vivendo a politização da covid”

Marcelo werner

"Quando o Estado publica um decreto às 11 horas da noite para que no dia seguinte seja cumprido, está faltando sintonia com a sociedade”

Marquinhos Kurtz

“[...} O meu posicionamento é contrário ao fechamento total. Eu acho que nós temos que trabalhar, nós temos que ter cuidado, e as coisas precisam funcionar”

Fabrício Oliveira

"Se nós tivéssemos leitos hospitalares nós não estaríamos discutindo lockdown'



Hoje nas bancas


Folheie o jornal aqui ❯