Matérias | Geral


Itajaí

NO NOSSO CARTÃO-POSTAL

A avenida mais famosa de Itajaí é território livre pra venda e consumo de drogas

Redação DIARINHO [editores@diarinho.com.br]

Por Leonardo Thomé


 

Bora virar assinante para ler essa e todas as notícias do portal DIARINHO? Usuários cadastrados têm direito a 10 notícias grátis.


Esqueci minha senha




Se você ainda não é cadastrado, faça seu cadastro agora!


 







 






Fotos: Patrick Formosinho

Continua depois da publicidade



O relógio marcava 00h40 na avenida Victor Konder, a popular avenida Beira-rio, no início da madrugada do dia 26 de novembro de 2011. Perto do contêiner que faz às vezes de depósito dos barcos da associação Náutica de Itajaí (ANI), três homens conversam num círculo fechado. Depois de receberem o que aparenta ser crack nas mãos, dois deles se afastam. O terceiro segue em direção à ANI e esconde um saco plástico no meio das embarcações. O vai-e-vem de viciados ali é intenso. Uns chegam caminhando, outros de bicicleta. A maneira de aparecer é variada, os rostos também, mas o objetivo deles é o mesmo: vender, comprar e usar drogas num espaço público nobre da cidade, que a noite vira ponto de tráfico de entorpecentes.

Cenas como a descrita acima são frequentes nas noites de sextas-feiras e madrugadas de sábado. No entorno de alguns dos restaurantes e bares mais badalados de Itajaí, tendo como cenário o Saco da fazenda, e a morraria da Atalaia, homens de diversas idades vendem e fumam crack ou maconha.

O presidente da ANI, Cláudio Copello, já conhece a cena. Ele disse que não aguenta mais ver a estrutura da entidade servir de esconderijo pra malandragem. “Alguém precisa vir aqui e limpar essa área”, constata.

O DIARINHO captou alguns desses flagrantes, que vão desde o achaque de motoristas atrás de uma moedinha, passando pelo uso da rua como banheiro até a distribuição de drogas em meio à vegetação. Tudo isso rola num trecho de cerca de 200 metros, que vai desde o restaurante Boqueirão Dupera até a imobiliária 1000 imóveis, no sentido do passeio de Sodegaura em direção ao Centreventos. Fantasiado de flanelinha, um cara de camiseta vermelha anda de um lado pra outro e, vez por outra, fuma pedra numa lata na margem do rio. A movimentação de traficantes e dependentes é intensa, principalmente entre a meia-noite e às duas da madrugada.

Continua depois da publicidade



É nesse horário, segundo Sandra Dreissig, 33 anos, pedestre que passa pela Beira-rio todo dia na caminhada de ida e volta pro trabalho, que a criminalidade corre solta, com homens de aspecto sujo e rostos transtornados andando de um lado pra outro e, por vezes, entrando no meio dos arbustos pra consumir drogas. As latas, os fósforos, as bitucas de cigarro, são alguns dos objetos com que Sandra se depara diariamente na calçada. “Como eu passo de dia, vejo muita sujeira e em alguns pontos um forte cheiro de urina. Quando passo de noite, vejo o movimento estranho de pessoas no meio do mato”, revela.

Com três meses de vida, a professora E.B., 63 anos, peixeira nata, se mudou pra avenida Beira-Rio, na casa que ainda vive nos dias de hoje. As lembranças de um lugar calmo da cidade, onde as noites eram silenciosas e tranquilas, ficaram no passado. Atualmente, segundo E., apenas a paisagem é a mesma. “Eu vejo a venda de drogas direto. Eles tiram do bolso e passam ali mesmo, no meio das árvores ou na beira do rio. E isso sempre acontece de madrugada. À noite eu não consigo dormir, não só pelas drogas, mas principalmente pelo barulho insuportável”, conta, antes de dizer que também já teve a casa assaltada.


Comentários:

Somente usuários cadastrados podem postar comentários.

Para fazer seu cadastro, clique aqui.

Se você já é cadastrado, faça login para comentar.


Envie seu recado

Através deste formuário, você pode entrar em contato com a redação do DIARINHO.

×





3.236.231.61

Últimas notícias

Balneário Camboriú

GM prende foragidos que aprontavam no trânsito

INVERNO

Rede Sustentável de Entidades promove Campanha do Agasalho em Penha

Camboriú, Penha e Bombinhas

Campanha Zera Dívida segue com descontos de até 70% na fatura de água

Flagra

Mercadorias para camelôs, avaliadas em R$ 50 milhões, são aprendidas

NAVEGANTES

Bandido é morto roubando o banco Sicoob

BALNEÁRIO

Clientes levam surra por esquecer de pagar dois chopes em bar

Quinta e domingo

Definidas as datas das finais do Paulistão

Balneário Camboriú 

PA da Barra volta a funcionar após reformas

Imbituba

Casal é preso com mais de 200 quilos de maconha

Morte no hotel  

MC Kevin teria tentado pular na piscina 



Colunistas

Coluna do JC

Show de horrores

Coluna Esplanada

Urna inauditável!?

Coluna Exitus na Política

Qual o nome que o nome tem?

Canal 1

“Salve-se Quem Puder,” gravada na pandemia, estreia hoje sua última fase

Coluna Animal Humano

Cidade que te quero verde

Via Streaming

“Mais Uma Rodada”

Coluna do Ton

Coluna do Ton

Clique diário

Cabeçudas

Coluna Fato&Comentário

CULTOS AFRICANOS EM ITAJAÍ: RESISTIR E SOBREVIVER

Espaço InovAmfri

Faça chuva ou faça sol

Coluna do Frei Betto

Resta-me humanidade?

Coluna Tema Livre

“Tudo Bandido”

Coluna do Janio

Semifinal marcada

Jackie Rosa

Às mamães com carinho

Na Rede

Na Rede

Coluna Existir e Resistir

Direito invisível

Artigos

Livros embarcados

Coluna Adjori SC

Economia de Santa Catarina inicia 2021 com confiança e expectativa em alta



TV DIARINHO


Entrevistão com Heli Schlickmann - Técnico Agrícola e Gestor ambiental



Podcast

Minuto DIARINHO 14/05/2021

Publicado 14/05/2021 20:29



Blogs

Blog do JC

Quer tudo?

A bordo do esporte

The Ocean Race e TIME firmam parceria

Blog Doutor Multas

Cadastro do Bom Motorista: o que é e como fazer o seu?

Blog Clique Diário

A Ilha de Pedra

Blog do Ton

Maior importadora de móveis do Brasil abre a primeira loja própria em Santa Catarina

Blog da Ale Francoise

Ervas do bem para o estresse!

Blog da Jackie

Hering comprou a Arezzo

Bastidores

Um olhar sobre o teatro de escola



Entrevistão

Heli Schlickmann

" Nas cidades arborizadas as pessoas são mais felizes”

Liba Fronza

"O Navegay traz uma multidão de pessoas, não gera receita financeira e causa uma demanda social muito grande”

Volnei Morastoni

"Estamos vivendo a politização da covid”

Marcelo werner

"Quando o Estado publica um decreto às 11 horas da noite para que no dia seguinte seja cumprido, está faltando sintonia com a sociedade”



Hoje nas bancas


Folheie o jornal aqui ❯