Matérias | Geral


Itajaí

Atraque no camelódromo guenta bagulhos fajutos e leva nove em cana

Mais de 50 tiras com armamento pesado e ordem judicial debaixo do braço deram o atraque em 53 box

Redação DIARINHO [editores@diarinho.com.br]

Nada menos que 53 lojinhas invadidas, nove pessoas presas em flagrante e muita, mas muita mercadoria fajuta apreendida. Este foi o resultado da operação Natal Original, feita ontem pela polícia Civil no camelódromo do Balneário Camboriú. A bagulhada falsificada foi tanta, que a prefeitura da Maravilha do Atlântico precisou emprestar um ginásio de esportes pra servir como depósito. Somente hoje é que os homidalei vão conseguir terminar o levantamento do que foi apreendido.


 

Bora virar assinante para ler essa e todas as notícias do portal DIARINHO? Usuários cadastrados têm direito a 10 notícias grátis.


Esqueci minha senha




Se você ainda não é cadastrado, faça seu cadastro agora!


 







 






A operação começou no meio da manhã. Em poucos minutos, mais de 50 policiais, coordenados pela delegada Luana Cervi, da divisão de Investigações Criminais (DIC) da Maravilha do Atlântico, cercaram e interditaram os corredores de acesso às barraquinha do camelódromo, que fica na esquina das ruas 1400 e 1520, na frente da igreja católica de Santa Inês, no centrão da cidade. Uniformes de combate urbano, fuzis e espingardas de grosso calibre, além de 20 viaturas em volta do local, davam a dimensão da importância da ação policial.

Continua depois da publicidade



E não era por menos tanto aparato. O trabalho de equipes de inteligência do ministério Público Estadual e da polícia Civil identificaram que das cerca de 100 lojinhas do camelódromo, pelo menos 53 delas tavam comercializando produtos piratas. Foram representantes de grandes empresas que tiveram suas marcas falsificadas quem pediram socorro pras otoridades. A operação tinha ordem da dona justa pra acontecer.

Nove pessoas foram presas em flagrante. Até ontem à noitinha permaneciam na sede da DIC. Seus nomes não foram informados pela polícia. Como o crime de falsificação é afiançável, é possível que estejam livres já nesta quinta-feira.

O que tinha por lá

Continua depois da publicidade



A dona justa expediu 53 mandados de busca e apreensão. E os policiais cumpriram todos eles. Em 17 boxs, foram encontrados CDs e DVS fajutos. Nos demais, a polícia apreendeu roupas, sapatos, bolsas e outras mercadorias made in paraguay. Entre as marcas pirateadas estavam Nike, Adidas, Puma e Billabong. “São todos produtos falsificados”, garantiu a delegada Luana, quando no finalzinho da tarde de ontem organizava as milhares de mercadorias apreendidas e que precisaram ser levadas pro ginásio de esportes da prefa, na rua Libéria, no bairro das Nações.

A polícia espera hoje à tarde concluir o levantamento do que foi apreendido. Depois de catalogados, os produtos serão analisados pelos técnicos do instituto Geral de Perícias (IGP). “Os materiais serão depositados em nome das marcas após a perícia”, informa a delegada Luana Cervi. É que as empresas lesadas pela pirataria querem entender como a bandidagem faz pra copiar seus produtos.


Comentários:

Somente usuários cadastrados podem postar comentários.

Para fazer seu cadastro, clique aqui.

Se você já é cadastrado, faça login para comentar.


Envie seu recado

Através deste formuário, você pode entrar em contato com a redação do DIARINHO.

×





3.227.249.155

TV DIARINHO


Confira os destaques desta quarta-feira



Podcast

Minuto DIARINHO 05/05/2021

Publicado 05/05/2021 23:45



Blogs

Blog do JC

Na curva do rio

A bordo do esporte

Ex-equipe de Martine Grael confirma presença em regata europeia da The Ocean Race

Blog do Ton

Maior importadora de móveis do Brasil abre a primeira loja própria em Santa Catarina

Blog Clique Diário

Dica de fotografia

Blog Doutor Multas

Multa por excesso de velocidade acima de 50: qual é o valor?

Blog da Ale Francoise

Ervas do bem para o estresse!

Blog da Jackie

Hering comprou a Arezzo

Bastidores

Um olhar sobre o teatro de escola



Entrevistão

Liba Fronza

"O Navegay traz uma multidão de pessoas, não gera receita financeira e causa uma demanda social muito grande”

Volnei Morastoni

"Estamos vivendo a politização da covid”

Marcelo werner

"Quando o Estado publica um decreto às 11 horas da noite para que no dia seguinte seja cumprido, está faltando sintonia com a sociedade”

Marquinhos Kurtz

“[...} O meu posicionamento é contrário ao fechamento total. Eu acho que nós temos que trabalhar, nós temos que ter cuidado, e as coisas precisam funcionar”



Hoje nas bancas


Folheie o jornal aqui ❯