Matérias | Polícia


Itajaí

Número de CDs e DVDs piratas pegos no camelódromo chega perto de 190 mil

Até ontem, polícia ainda não tinha acabado de contar a muambada

Redação DIARINHO [editores@diarinho.com.br]

Os policiais que participaram da operação Natal Original, responsáveis por cumprir mandados de busca e apreensão em 53 camelôs do centro de Balneário Camboriú, continuam na peleia pra classificar e contar todos os produtos falsificados apreendidos na quarta-feira no camelódromo do Balneário Camboriú. Ontem, já se sabia a quantidade de CDs e DVDs piratões recolhidos: 186.522. Falta ainda terminar a contagem das roupas, óculos e bolsas.


 

Bora virar assinante para ler essa e todas as notícias do portal DIARINHO? Usuários cadastrados têm direito a 10 notícias grátis.


Esqueci minha senha




Se você ainda não é cadastrado, faça seu cadastro agora!


 







 






A polícia divulgou ontem que na verdade foram presas 10 pessoas e não nove, como havia sido informado no dia do atraque (veja o listão ao lado). Nove delas, guentadas na hora. A décima, muito caruda, esperou a polícia ir embora pra reabrir seu boxe, contou o delegado André Manoel de Oliveira Filho, da depê da Maravilha do Atlântico. O carudo não sabia que havia tiras à paisana e acabou indo também pro xilindró.

Continua depois da publicidade



Os camelôs tão arriscados a pegar de dois a quatro anos de prisão, se condenados. Como o crime é afiançável, eles pagaram fianças no valor de R$ 1090 e foram soltos pra responder a bronca em liberdade.

Investigação continua

Os tiras não conseguiram prender todos os donos dos boxes que vendiam os produtos falsificados porque, assim que eles souberam da operação, fecharam seus comércios e fugiram. Foram 11 fujões, ao todo. “Mas o camelô foi aberto e o material apreendido”, fez questão de dizer o delegado André. Eles vão responder a um inquérito policial, assim como os 10 presos.

Os camelôs

Continua depois da publicidade



Cassiane Sommavilla, 28 anos

Emerson Meneguetti, 33

Maria do Socorro Silva Pereira, 29

Mailon José dos Santos, 22

André Leonardo A. de Lima Vieira, 18

Maurilio Zucatelli Junior, 25

André Francisco Sitro Silva, 27

Amando Cesar Laux, 58

Natanael Machado Corrente, 33

Marta Vieira da Silva, 37

Ontem tinha boxe vendendo mercadorias iguais as que foram apreendidas

Apesar da muvuca da quarta-feira, quando mais de 50 policiais com armamento pesado tocaram terror nos comerciantes que vendiam produtos fajutos, ontem o camelódromo do Balneário Camboriú parecia ter voltado ao normal. Só 28 dos 280 boxes estavam fechados. Alguns até vendiam óculos, relógios e camisetas de marcas famosas, praticamente as mesmas mercadorias recolhidas durante a operação Natal Original.

O camelódromo fica na quadra entre as ruas 1400 e 1520, na frente da igreja católica de Santa Inês. O povão circulava ontem à tarde de buena pelos corredores do local e os vendedores trampavam como se nada tivesse rolado. Dos 28 boxes fechados, em três deles os donos tavam na mó trabalheira repondo mercadorias, na clara intenção de reabrir o comércio.

Pelo menos 10 lojinhas estavam comercializando óculos de sol e de grau, bonés, bolsas, camisetas e bermudas que apresentavam a logo de marcas famosas, como a Adidas e Puma. Mercadorias igualinhas às apreendidas no dia anterior. Os vendedores não quiseram comentar o assunto.

O movimento do povão era o mesmo dos dias tradicionais que antecedem o Natal. Os boxes estavam cheios de compradores, escolhendo produtos e pechinchando preços. Muitos sequer tinham ideia da megaoperação policial da quarta-feira. “Prefiro comprar aqui porque é mais em conta mesmo e nem sempre é de má qualidade”, comentou a professora Lurdes Alves, enquanto escolhia uma mercadoria.

Pro chefão dos camelôs, movimento diminuiu

Apesar da montoeira de gente por lá, o presidente da associação que reúne os camelôs, Luiz Carlos Moscon, afirmou que o movimento despencou depois da operação. Afirmou que mais de mil pessoas circulam por lá por dia, e ontem o número havia diminuído. “Eles sabeam que muitos produtos foram recolhidos e nem vêm”, comentou. “Quando acontecem apreensões assim, o pessoal começa a procurar firmas que estão dentro da lei”, completou.

Moscon disse ainda que as banquinhas do camelódromo da Maravilha do Atlântico geram pelo menos 560 empregos diretos pra city e, por isso, argumenta, ajudam a movimentar a economia local.

 


Comentários:

Somente usuários cadastrados podem postar comentários.

Para fazer seu cadastro, clique aqui.

Se você já é cadastrado, faça login para comentar.


Envie seu recado

Através deste formuário, você pode entrar em contato com a redação do DIARINHO.

×





3.226.76.98

TV DIARINHO


Confira os destaques desta quinta-feira



Podcast

Minuto DIARINHO 22/04/2021

Publicado 22/04/2021 22:04



Blogs

A bordo do esporte

The Ocean Race anuncia nova iniciativa sobre a mudança climática

Blog da Jackie

Novidadeiras

Blog do JC

Aditivo

Blog da Ale Francoise

Fortificante Natural de Uva!

Blog Clique Diário

Primeira Foto do voo inaugural do helicóptero Ingenuity Mars da NASA

Blog Doutor Multas

CNH Bloqueada? Veja o que fazer para regularizar

Blog do Ton

Terrazza Praia Brava

Bastidores

Um olhar sobre o teatro de escola



Entrevistão

Volnei Morastoni

"Estamos vivendo a politização da covid”

Marcelo werner

"Quando o Estado publica um decreto às 11 horas da noite para que no dia seguinte seja cumprido, está faltando sintonia com a sociedade”

Marquinhos Kurtz

“[...} O meu posicionamento é contrário ao fechamento total. Eu acho que nós temos que trabalhar, nós temos que ter cuidado, e as coisas precisam funcionar”

Fabrício Oliveira

"Se nós tivéssemos leitos hospitalares nós não estaríamos discutindo lockdown'



Hoje nas bancas


Folheie o jornal aqui ❯