Matérias | Geral


Itajaí

PM mata bandido durante troca de tiros

Gerente do restaurante conta como viu a morte de perto por duas vezes ontem pela manhã. Outro criminoso tá malemal no hospital. Um terceiro fugiu

Redação DIARINHO [editores@diarinho.com.br]

Dois bandidos mortos e um que siscapuliu durante uma troca de tiros com a polícia Militar do Balneário Camboriú. Assim terminou o assalto frustado que rolou ontem pela manhã no restaurante chiquetoso Chef Waldermar, na Via Gastronômica, na Vila Real. O momento mais tenso da ação foi quando, durante a negociação com a PM, um dos dos bandidos apareceu numa das portas do restaurante apontando a arma para a cabeça de um dos nove reféns, ameaçando matá-lo.


 

Bora virar assinante para ler essa e todas as notícias do portal DIARINHO? Usuários cadastrados têm direito a 10 notícias grátis.


Esqueci minha senha




Se você ainda não é cadastrado, faça seu cadastro agora!


 







 






Era perto das 10h quando os bandidos invadiram o restaurante pela cozinha. Eles estavam de cara limpa, com armas em punho e logo anunciaram o assalto. “Mandaram não olhar pra eles e ir pro depósito”, conta a cozinheira I., 36, que foi a primeira a vê-los. Ela e outros sete funcionários foram levados pro depósito. “Um deles ficou lá apontando a arma pra nossa cabeça”, lembra a cozinheira com lágrimas nos olhos. Enquanto isso, os outros dois ladrões foram até o escritório onde estava o gerente G.S.O.

Continua depois da publicidade



Pros funcionários do restaurante, tudo indica que os bandidos estavam de tocaia, já que a porta da cozinha costuma ficar cadeada e somente foi destrancada pra receber uma carga de verduras. “Eles deviam estar es-perando, porque aproveitaram que a porta estava aberta pra entrar”, comenta S, 41, também cozinheira.

Mas foi o gerente quem passou pelo pior. Por duas vezes viu a morte de pertinho. Na primeira, contava a dinheirama do final de semana quando foi surpreendido pelos bandidos de arma em punho. “Eu estava no escritório. Só vi quando eles já estavam lá dentro”, contou ao DIARINHO, completando: “Foi a pior experiência da minha vida. Botaram a arma na minha cabeça e pediram o dinheiro”.

Vizinho chamou a polícia

Continua depois da publicidade



Um vizinho que viu os criminosos entrando no Chef Waldemar com a arma na mão, avisou à polícia. Quando a PM cercou o restaurante, G. passou pelo segundo estresse. Na breve e frustrada negociação com os homidalei, um dos assaltantes levou o gerente até uma porta lateral e ameaçou estourar seus miolos. “Eles começaram a discutir. Ele estava com a arma na minha cabeça. Foi horrível”, relatou G.

Sem negociação

A negociação com a PM foi frustrada. “Pedimos que entregassem as armas, mas eles não quiseram conversa”, contou o tenente Geraldo Rodrigues Alves, que participou do cerco aos bandidos.

A conversa entre ladrões e polícia foi seguida de um tiroteio. O bandido que tinha G. sob a mira do revólver largou o gerente e tentou escapar correndo. Pela versão oficial, na fuga o ladrão meteu bala pra cima dos homidalei. Acabou levando três balaços no bucho e morreu no quintal de uma baia vizinha.

Até ontem à tarde, o bandido não tinha sido identificado. Com ele foi recolhida uma arma calibre 38 e cerca de 300 pilas roubados do restaurante.

O assaltante Elias Luis Schats, 27, também tentou fugir na correria e mandando tiro na polícia. Não foi longe. Levou um tiro na barriga e caiu ainda perto da porta do restaurante. Ele foi socorrido pelo pessoal do Samu e levado pro hospital Ruth Cardoso. Ontem à tarde, Elias passou por cirurgia e continuava malemale. Por conta disso, ainda não foi ouvido pelos homidalei.

Helicóptero foi usado pra caçar bandido que siscapoliu

O terceiro assaltante conseguiu siscapulir. S., uma das funcionárias do restaurante, ao perceber a chegada dos bandidos se escondeu próxima à maquinha de fritura das batatas. De lá, agachadinha, viu quando o bandido arrebentou o forro da cozinha e siscapuliu pelo teto. Os policiais reviraram o Chef Waldemar e não encontraram o assaltante.

Um vizinho contou à polícia que viu um homem entrar num carro branco, que estava no meio do matagal que tem nos fundos do restaurante. O cara simandou em alta velô pouco depois do tiroteiro. .

A polícia Militar chegou a usar o helicóptero Águia, com atiradores de elite, pra caçar o bandido fugido. O avião de rosca rodou por quase uma hora na região, voou sobre os matagais e as margens do rio Camboriú. Mas o criminoso não foi encontrado.

Bandidos sabiam da rotina

Logo depois do tiroteio, policiais civis foram até o restaurante e conversaram com os trabalhadores que ficaram como reféns dos bandidos. O delegado Márcio Colatto abriu um inquérito e ainda esta semana vai começar a ouvir testemunhas e os PMs que participaram da troca de tiros com os assaltantes. O dotô não descarta a possibilidade que os bandidos sabiam da rotina do restaurante. “Ninguém veio do acaso. Com certeza foi algo bem premeditado”, comentou.


Comentários:

Somente usuários cadastrados podem postar comentários.

Para fazer seu cadastro, clique aqui.

Se você já é cadastrado, faça login para comentar.


Envie seu recado

Através deste formuário, você pode entrar em contato com a redação do DIARINHO.

×





3.236.231.61

TV DIARINHO


Confira os destaques desta terça-feira



Podcast

Minuto DIARINHO 11/05/2021

Publicado 11/05/2021 22:10



Blogs

Blog Clique Diário

A Ilha de Pedra

Blog Doutor Multas

Modelo de recurso de multa online

Blog do JC

Salvo pela velha política?

A bordo do esporte

Inmarsat será pela sexta vez parceira de comunicações via satélite da The Ocean Race

Blog do Ton

Maior importadora de móveis do Brasil abre a primeira loja própria em Santa Catarina

Blog da Ale Francoise

Ervas do bem para o estresse!

Blog da Jackie

Hering comprou a Arezzo

Bastidores

Um olhar sobre o teatro de escola



Entrevistão

Liba Fronza

"O Navegay traz uma multidão de pessoas, não gera receita financeira e causa uma demanda social muito grande”

Volnei Morastoni

"Estamos vivendo a politização da covid”

Marcelo werner

"Quando o Estado publica um decreto às 11 horas da noite para que no dia seguinte seja cumprido, está faltando sintonia com a sociedade”

Marquinhos Kurtz

“[...} O meu posicionamento é contrário ao fechamento total. Eu acho que nós temos que trabalhar, nós temos que ter cuidado, e as coisas precisam funcionar”



Hoje nas bancas


Folheie o jornal aqui ❯