Matérias | Esporte


Itajaí

Catê morre em porradaço de trânsito

Campeão mundial e ex-técnico do Cambu não resistiu a porradaço na manhã de ontem na Serra Gaúcha

Redação DIARINHO [editores@diarinho.com.br]

Um acidente de trânsito tirou a vida de Marcos Antônio Lemes Tozze, 38 anos, o Catê, campeão mundial com o São Paulo em 1993, campeão mundial sub-20 com a seleção brazuca no mesmo ano e ex-treinador das categorias de base do Camboriú Futebol Clube.


 

Bora virar assinante para ler essa e todas as notícias do portal DIARINHO? Usuários cadastrados têm direito a 10 notícias grátis.


Esqueci minha senha




Se você ainda não é cadastrado, faça seu cadastro agora!


 







 






O acidente rolou por volta das 10h30 de ontem no km 154 da rodovia ERS 122, na cidade de Ipê, na Serra Gaúcha. Catê dirigia seu Fiat Uno Mille com placa de Itajaí no sentido sul da rodovia, em direção a cidade de Antônio Prado, quando bateu de frente com uma carreta Scania com placa de São Bento do Sul/SC e que vinha no sentido contrário. Com o porradaço, o Uno ficou completamente destruído e o ex-boleiro ficou preso as ferragens, onde acabou morrendo. O motorista da carreta saiu inteirinho. O corpo de Catê foi levado pro instituto Médico Legal (IML) de Caxias do Sul.

Continua depois da publicidade



“Meu contato com ele foi só profissional, mas era uma pessoa muito boa de trabalhar. Muito tranquilo”, lembra José Henrique Coppi, onde Catê trampou como técnico da base no começo de 2010.

Início arrasador

Natural de Cruz Alta, região noroeste do Rio Grande do Sul, bom de bola desde pequeno, por isso até ganhou o apelido Catê (abreviação de categoria), o jovem foi um das eternas promessas do futebol brazuca que não vingaram. Ele começou no Guarany, de sua cidade natal, e rapidamente chamou a atenção de empresários que o levaram pra Sampa no começo dos anos 1990. Catê chegou nas categorias da base do São Paulo na mesma época do Paulo Jamelli, hoje técnico do Marcílio. “Começamos juntos na base, depois passamos pro aspirante e pro profissional em 1992. Nós subimos juntos. Era um cara super alegre, tinha um astral sempre positivo. Ele vivia contando piadas, animava o pessoal”, lembra o amigo que soube da notícia pela televisão, enquanto almoçava. “Fiquei chocado. Foram quatro anos jogando juntos. Tô muito chateado em perder um amigo nessas estradas perigosas. Não é o primeiro ex-jogador ou primeiro amigo que a gente perde dessa forma”, lamenta Jamelli.

Foi ainda na base que a dupla passou por seu momento mais marcante junta. Aniversário da cidade de Sampa, 25 de janeiro de 1993. São Paulo e Corinthians entravam em campo no Pacaembu pra final da tradicional copa São Paulo de Futebol Júnior. Título pros bambis, o primeiro da história, com vitória por 4 a 3. “Eu fiz três gols, mas o melhor em campo foi ele. Jogou muito, meus gols saíram em jogadas dele”, relembra o agora treinador do Cílio.

Continua depois da publicidade



Apesar de não ter entrado em campo, Catê estava entre os relacionados na final do Mundial Interclubes de 1993, que o São Paulo conquistou o bicampeonato contra o Milan por 3 a 2. Era a melhor fase da carreira do boleiro. “O Telê [Santana, na época treinador do São Paulo] adorava ele, deu várias chances. Fizemos uma excursão pela Europa e o Barcelona tentou contratá-lo, ele jogou muito”. A relação entre Catê e Telê só foi afetada com o treinador de um esporro no boleiro por ter comprado um carro esportivo, enquanto sua mãe ainda morava num casebre em terras gaúchas. No mesmo ano, mas em março, Catê ajudou a seleção brazuca e levar o título do campeonato Mundial sub 20. Titular absoluto com a camisa sete, Catê chegou a marcar um dos gols na semifinal contra a Austrália (2 a 0). O título veio contra Gana, no dia 20 de março, por 2 a 1.

Em 1994 teve uma passagem sem brilho pelo Cruzeiro do jovem Ronaldo Nazário (o Fenômeno) e voltou pro São Paulo onde foi decisivo na final da copa Conmebol, marcando três dos seis gols contra o Peñarol na vitória por 6 a 1. Depois de um 1995 apagado nos bambis, o atleta foi pro Chile, pro Universidad Católica. Lá, o técnico Fernando Carvallo tirou Catê do meio e o levou pra lateral-direita. Ele virou herói local e foi eleito o melhor da posição na competição. Depois disso, Catê não se achou mais.

Decadência

Por dois milhões de dólares, Catê foi comprado em 1998 pela Sampdoria, da Itália. O atleta fez só um gol em 15 jogos, não fez boas atuações e a equipe foi rebaixada pra Série B. Em 2000, Catê chegou ao Flamengo. Jogou só oito jogos no ano, perdendo espaço pra atletas mais jovens. O boleiro voltou a fazer sucesso quando jogou pelo New England Revolution, da Major League Soccer, nos Isteites. Ainda passou, sem brilho, por Chongqing Lifan (China), antes do voltar pro Brasil e defender o 15 de Campo Bom. Depois começou idas e vindas do país, passando pela Arábia, Venezuela e Chile, antes de pintar na Santa & Bela.

Fim de carreira na Santa & Bela

Catê veio pras terras catarinas defender o Brusque em 2008. Em crise, a marrecada fez um péssimo campeonato Catarinense e acabou rebaixada. O técnico Agenor Piccinin caiu na penúltima rodada do turno e Catê treinou de forma interina o Brusque contra o Marcílio Dias. Vitória peixeira por 2 a 0 no Augusto Bauer. No ano seguinte chegou a ser anunciado como reforço da Portuguesa de Navegantes, que disputou o campeonato Catarinense da Divisão de Acesso, a Terceirona, mas não chegou a jogar.

Em 2010, o ex-campeão mundial chegou na Capital do Mármore pra treinar as categorias de base do Cambu. “Ele ficou cerca de quatro meses aqui, foi um período tranquilo. Estávamos em contato todo dia”, conta o presidente do Cambu, José Henrique Coppi. “Ele tinha planos de assumir o profissional, a gente tinha conversado sobre isso, mas não houve acerto. Houve uns problemas com jogadores na base e achamos melhor não”, explica.

José Henrique e Catê se encontraram pela última vez na edição do ano passado do Jogo das Estrelas, em Cambu. “Nos cumprimentamos e conversamos um pouco só”. Jamelli também não conversava com o amigo há um bom tempo. “Foi há um ano mais ou menos, eu ainda era gerente do Santos e ele me indicou dois atletas da cidade dele. Mas não conversamos pessoalmente, foi por telefone”.

Catê morava há alguns anos na cidade de Balneário Piçarras, desde que chegou na Santa & Bela. Na cidade, Marta do Pilar Tozze, sua esposa, tocava uma padaria, que depois virou um comércio de massas. Atualmente, segundo seu ex-companheiro de equipe Zetti, em entrevista ao portal Terra, Catê morava em Floripa. O ex-boleiro deixa três filhos: Isabella, 12, Catherine, de oito, e Marco Antônio, de seis.

Ficha técnica

Nome completo: Marcos Antônio Lemos Tozze

Data de Nascimento: 07/11/1973

Local de Nascimento: Cruz Alta (RS)

Como jogador: Guarani de Cruz Alta/SP, São Paulo, Cruzeiro, Universidad Católica (Chile), Sampdoria (Itália), Flamengo, New England Revolution (Isteites), Chongqing Lifan (China), XV de Campo Bom/RS, Al- Qadisiya (Arábia Saudita), Glória/RS, Unión Maracaibo (Venezuela), Remo/PA, Palestino (Chile), Esportivo/RS e Brusque.

Principais títulos: Campeonato Mundial sub 20 (1993), Copa São Paulo de Futebol Júnior (1993), Copa Libertadores (1993), Mundial Interclubes (1993), Copa Conmebol (1994) e Campeonato Carioca (2000)

 


Comentários:

Somente usuários cadastrados podem postar comentários.

Para fazer seu cadastro, clique aqui.

Se você já é cadastrado, faça login para comentar.


Envie seu recado

Através deste formuário, você pode entrar em contato com a redação do DIARINHO.

×





3.236.231.61

TV DIARINHO


Confira os destaques desta terça-feira



Podcast

Minuto DIARINHO 11/05/2021

Publicado 11/05/2021 22:10



Blogs

Blog Clique Diário

A Ilha de Pedra

Blog Doutor Multas

Modelo de recurso de multa online

Blog do JC

Salvo pela velha política?

A bordo do esporte

Inmarsat será pela sexta vez parceira de comunicações via satélite da The Ocean Race

Blog do Ton

Maior importadora de móveis do Brasil abre a primeira loja própria em Santa Catarina

Blog da Ale Francoise

Ervas do bem para o estresse!

Blog da Jackie

Hering comprou a Arezzo

Bastidores

Um olhar sobre o teatro de escola



Entrevistão

Liba Fronza

"O Navegay traz uma multidão de pessoas, não gera receita financeira e causa uma demanda social muito grande”

Volnei Morastoni

"Estamos vivendo a politização da covid”

Marcelo werner

"Quando o Estado publica um decreto às 11 horas da noite para que no dia seguinte seja cumprido, está faltando sintonia com a sociedade”

Marquinhos Kurtz

“[...} O meu posicionamento é contrário ao fechamento total. Eu acho que nós temos que trabalhar, nós temos que ter cuidado, e as coisas precisam funcionar”



Hoje nas bancas


Folheie o jornal aqui ❯