Matérias | Geral


Itajaí

Casarão abandonado vai pro chão no centro peixeiro

Redação DIARINHO [editores@diarinho.com.br]

Mais um casarão antigo de Itajaí foi parar na chón. Na sexta-feira passada, o casarão que fica na rua 15 de Novembro esquina com a rua Joinville, no centro, foi demolido. Uma construtora de Curitiba seria a dona do terreno. A prefa avisa que tudo foi feito seguindo os rigores da lei e que, apesar de ser antiga, a casa não era tombada pelo patrimônio histórico da cidade. Os moradores da região tão tristes com a derrubada, mas comemoram o fim de mais um local usado por viciados em crack.


 

Bora virar assinante para ler essa e todas as notícias do portal DIARINHO? Usuários cadastrados têm direito a 10 notícias grátis.


Esqueci minha senha




Se você ainda não é cadastrado, faça seu cadastro agora!


 







 






De acordo com os moradores da região, a baia estava abandonada e servia de moradia pra traficas e bandidos, que roubavam quem passava pela frente do imóvel. “É bom preservar casas antigas, mas temque cuidar. Muitos mendigos invadiam a casa e ficavam assaltando as pessoas da rua. O nosso prédio já foi assaltado por eles”, comenta a costureira Idalina Leite, 58, que trampa num prédio comercial do lado do terreno onde estava o casarão.

Continua depois da publicidade



A prefa informou que os proprietários cumpriram com toda a burocracia para demolir a baia. “Eles retiraram o alvará de demolição, como manda a lei. Nós vistoriamos o local e verificamos que a casa não era tombada, então não tem como impedir a demolição”, informa o gerente de fiscalização de Alvarás da secretaria de Urbanismo, Loreno Machado, que também informou que uma construtora de Curitiba seria a dona do terreno e que provavelmente um prédio será erguido ali. Depois da demolição, o local tá funcionando como estacionamento.

Baia não tinha valor histórico

Quando a prefa recebe um pedido de demolição, antes de liberar o alvará pra destruição, a secretaria Municipal de Urbanismo entra em contato com a fundação Genésio de Miranda Lins e checa se há algum impedimento, como a baia ser tombada pelo patrimônio histórico. “Nesse caso, mesmo a casa sendo antiga, não havia nenhum elemento que justificasse o tombamento. Para isso, analisamos três itens: a antiguidade, o valor arquitetônico e o histórico, como quem morou na casa”, ensina o presidente da fundação, Darlan Cordeiro. O presidente não soube informar o ano de construção da casa e nem o estilo da construção.

Darlan também explica que na próxima lei de zoneamento de Itajaí, as áreas históricas da cidade serão preservadas. “Estamos trabalhando junto com a prefeitura na criação da nova lei de zoneamento. Pretendemos estabelecer áreas de interesse histórico, e a rua 15 de Novembro estará entre elas. Nessas áreas, qualquer alteração em residências deverá passar pela aprovação do conselho de Patrimônio Histórico de Itajaí”, conclui.

Continua depois da publicidade



 


Comentários:

Somente usuários cadastrados podem postar comentários.

Para fazer seu cadastro, clique aqui.

Se você já é cadastrado, faça login para comentar.


Envie seu recado

Através deste formuário, você pode entrar em contato com a redação do DIARINHO.

×





3.227.249.155

TV DIARINHO


Confira os destaques desta quarta-feira



Podcast

Minuto DIARINHO 05/05/2021

Publicado 05/05/2021 23:45



Blogs

Blog do JC

Na curva do rio

A bordo do esporte

Ex-equipe de Martine Grael confirma presença em regata europeia da The Ocean Race

Blog do Ton

Maior importadora de móveis do Brasil abre a primeira loja própria em Santa Catarina

Blog Clique Diário

Dica de fotografia

Blog Doutor Multas

Multa por excesso de velocidade acima de 50: qual é o valor?

Blog da Ale Francoise

Ervas do bem para o estresse!

Blog da Jackie

Hering comprou a Arezzo

Bastidores

Um olhar sobre o teatro de escola



Entrevistão

Liba Fronza

"O Navegay traz uma multidão de pessoas, não gera receita financeira e causa uma demanda social muito grande”

Volnei Morastoni

"Estamos vivendo a politização da covid”

Marcelo werner

"Quando o Estado publica um decreto às 11 horas da noite para que no dia seguinte seja cumprido, está faltando sintonia com a sociedade”

Marquinhos Kurtz

“[...} O meu posicionamento é contrário ao fechamento total. Eu acho que nós temos que trabalhar, nós temos que ter cuidado, e as coisas precisam funcionar”



Hoje nas bancas


Folheie o jornal aqui ❯