Matérias | Reclamações


Itajaí

Guria detona doida que matou cachorrinho na porrada e pede punição

Funcionário da Famai diz que órgão faz pouco caso pras ocorrências na região

Redação DIARINHO [editores@diarinho.com.br]

A adolescente Brida Eloísa da Silva, 14 anos, ainda não esqueceu o que a enfermeira Camilla Côrrea Moura, 22 anos, aprontou. A mu­lher espancou e matou um cãozi­nho da raça yorkshire na cidade de Formosa/GO. A agressão ao animal foi filmada, repercutindo em todo país. Brida e mais algumas amigas participaram do movimento de di­vulgação do crime por meio do Facebook e querem lançar aos sete ventos o máximo de informações possíveis sobre o caso, pra evitar que sacanagens como essa se repi­tam. “Sabemos que existem muitos crimes piores. Mas acreditamos que essa pode ser a primeira de muitas conquistas para um mundo melhor”, comenta a guria. As ima­gens do espancamento ao cãozinho indefeso são chocantes e mostram o animal sendo violentamente arre­messado na parede e chutado pela enfermeira, tudo na presença de uma criança de três anos.


 

Bora virar assinante para ler essa e todas as notícias do portal DIARINHO? Usuários cadastrados têm direito a 10 notícias grátis.


Esqueci minha senha




Se você ainda não é cadastrado, faça seu cadastro agora!


 







 






O DIARINHO foi saber se a city peixeira já registrou casos pareci­dos. O que a reportagem descobriu é que em Itajaí não há estatísticas sobre maus tratos contra animais. Um funcionário da fundação do Meio Ambiente de Itajaí (Famai),

Continua depois da publicidade



que não quis se identificar, afirmou que a fundação atende denúncias de maus tratos, mas não registra as ocorrências. “Sinceramente, não controlamos isso”, afirma o funcio­nário.

O biólogo do núcleo de Contro­le de Zoonoses de Itajaí, Edimar Garcia, disse que recebe animais feridos com frequência. Porém, na maioria das vezes, não é pos­sível determinar o tipo da agres­são: se foi violência do dono ou por atropelamentos e brigas com outros animais. “Geralmente, são vira-latas que aparecem por aqui. Apareceu aqui um rottwei­ler com a pata destroçada. Não tenho como saber o que causou isso. Por isso, não conseguimos contar quantos dos animais que cuidamos vieram pra cá após algu­ma agressão proposital”, explica.

Polícia Militar peixeira registrou três casos de maus tratos neste semestre

Continua depois da publicidade



Por meio de assessoria de im­prensa, a Polícia Militar peixeira afirmou que registrou três ocor­rências de agressões a animais no semestre. A PM informou que, se pego em flagrante, o desalmado que estiver batendo em algum animal pode ir pro xadrez. Após ser recolhido, o animal agredi­do é enviado ao núcleo de Zoo­nose da city. A PM acredita que o número de ocorrências seja pequeno, pois poucas pesso­as denunciam as barbaridades. Abandono e maus tratos é crime A lei federal nº 9.605/98 é clara e proíbe o abandono, maus tratos, envenenamento, mutilação e falta de cuidados com os animais. Sa­canagens assim podem render ao desalmado prisão de três meses a um ano, além de multa. Caso o animal maltratado morra, a pena pode ser aumentada de um sexto a um terço. Denúncias podem ser feitas para a Polícia Militar, atra­vés do telefone 190.


Comentários:

Somente usuários cadastrados podem postar comentários.

Para fazer seu cadastro, clique aqui.

Se você já é cadastrado, faça login para comentar.


Envie seu recado

Através deste formuário, você pode entrar em contato com a redação do DIARINHO.

×





3.227.249.155

TV DIARINHO


Confira os destaques desta quarta-feira



Podcast

Minuto DIARINHO 05/05/2021

Publicado 05/05/2021 23:45



Blogs

Blog do JC

Na curva do rio

A bordo do esporte

Ex-equipe de Martine Grael confirma presença em regata europeia da The Ocean Race

Blog do Ton

Maior importadora de móveis do Brasil abre a primeira loja própria em Santa Catarina

Blog Clique Diário

Dica de fotografia

Blog Doutor Multas

Multa por excesso de velocidade acima de 50: qual é o valor?

Blog da Ale Francoise

Ervas do bem para o estresse!

Blog da Jackie

Hering comprou a Arezzo

Bastidores

Um olhar sobre o teatro de escola



Entrevistão

Liba Fronza

"O Navegay traz uma multidão de pessoas, não gera receita financeira e causa uma demanda social muito grande”

Volnei Morastoni

"Estamos vivendo a politização da covid”

Marcelo werner

"Quando o Estado publica um decreto às 11 horas da noite para que no dia seguinte seja cumprido, está faltando sintonia com a sociedade”

Marquinhos Kurtz

“[...} O meu posicionamento é contrário ao fechamento total. Eu acho que nós temos que trabalhar, nós temos que ter cuidado, e as coisas precisam funcionar”



Hoje nas bancas


Folheie o jornal aqui ❯