Colunas


Coluna Exitus na Política

Por Sérgio Saturnino Januário - pesquisa@exituscp.com.br

O farelo que cai da mesa


 

 

Bora virar assinante para ler essa e todas as notícias do portal DIARINHO? Usuários cadastrados têm direito a 10 notícias grátis.


Esqueci minha senha




Se você ainda não é cadastrado, faça seu cadastro agora!


 







 





A Constituição Federal é a instituição da ordem política e social em qualquer país. E toda e qualquer lei ou conjunto de leis não pode ser endereçada a um grupo ou a desejos pessoais. Uma lei não pode ter CPF.

No caso brasileiro, a Constituição Federal já não pode ser rememorada por sua origem. As transformações são tão intensas e extensas que não se pode lembrar de seus sentidos na primeira infância. São tantas Emendas Constitucionais rabiscadas pelo Congresso Nacional, tantas designações deferidas pela Suprema Corte [STF], tantos aparelhamentos de origem do Poder Executivo que já não se pode ter a imagem de uma unidade constitucional.

A última das reformas constitucionais, ainda a caminho do Senado Federal, é uma viagem de privilégios e com muitas dívidas ao espírito republicano, minimamente, necessário. Tudo isso tem seu começo com o Fundo Eleitoral, Fundo Partidário, Emendas Parlamentares do Relator que consistem num plano de financiamento público de toda ação político-eleitoral. Como se já não bastassem todos os cantos e encantos da composição de um gabinete parlamentar e seus recursos para tudo o que ainda não é imaginado.

O segundo ato da ópera da aristocracia política, a que estamos submetidos, cobre o sistema de fiscalização e de punição relativo ao uso dos recursos. Agora, com a reforma eleitoral, tudo pode e tudo dá. Cada milhão do sistema eleitoral e do financiamento público permanente de cada dia pode ser usado para compra de imóveis, para pagamento de multas [caso se consiga punir] e pelo afrouxamento completo das punições possíveis. Tudo pode e tudo dá.

O ato seguinte do pavilhão dos palácios políticos é o refazer do que tinha sido considerado um atraso da estrutura de organização política: a volta das coligações partidárias, o ajuntamento dos estranhos para o jantar eleitoral de ocasião. É a desconfiguração de um “passito” de amadurecimento político-eleitoral.

Observado de cima, nunca se pagou tanto ao sistema público e nunca foi tão baixa a satisfação em direitos aos eleitores, que ficam estacionando os carros pretos e grandes, com vidros escuros e que chegam com motoristas particulares. Enquanto os que comem carne ao preço de R$ 1.800,00 [picanha wagyu] o quilo, saboreiam vinhos lustrosos, encomendam frutos do mar de elevada seletividade, nem mesmo as sobras da mesa podem nos ser compartilhadas.

O banquete político de políticos tem para si a faca, a fome e o queijo dos soberanos autocratas. O desprezo pela República [Coisa Pública], pelos eleitores [nem falemos em cidadania, a qual ainda nem chegara perto de nós], pela vida [visto que centenas de milhares mortos ainda não provocaram nenhuma sensibilização ou compaixão em políticos] é a versão mais cruel da política nacional.

Estamos pagando muito e muito caro para ouvirmos mentiras intencionais [fake News] e observarmos a desfaçatez e, ainda, como se vê nas redes sociais, a defesa de políticos pelo fantasma do comunismo [parece o reviver do Manifesto Comunista de Karl Marx e Friedrich Engels, em 1848]. Num mundo de tantos absurdos [termo que tem origem na música e se refere ao que é dissonante, fora de tom e de harmonia], o farelo que cai da mesa é o que é disputado pelos defensores dos comensais, já extasiados e rindo de piadas e sátiras. E muitos a aplaudir a existência do farelo no chão como símbolo que os liga aos poderosos risonhos. Sobre o passado, a gente aprende; sobre o presente, a gente reage.


Comentários:

Deixe um comentário:

Somente usuários cadastrados podem postar comentários.

Para fazer seu cadastro, clique aqui.

Se você já é cadastrado, faça login para comentar.

Leia mais

Coluna Exitus na Política

Conversar para negar

Coluna Exitus na Política

Direitos e privilégios

Coluna Exitus na Política

Formigas, cigarras e gafanhotos

Coluna Exitus na Política

Planejamento, organização e subir escadas

Coluna Exitus na Política

Partes e todo

Coluna Exitus na Política

Independência, pátria, mátria

Coluna Exitus na Política

A finitude do rei, a vida da coroa

Coluna Exitus na Política

Joel Mattias, um garoto mimado

Coluna Exitus na Política

Nadar em fumaça

Coluna Exitus na Política

Tempo, tempo, tempo...

Coluna Exitus na Política

Escravos de fantasmas

Coluna Exitus na Política

A política da prova de cuspe

Coluna Exitus na Política

Liberdade: O “Nós Da Vida”

Coluna Exitus na Política

Arete: fogo e voto

Coluna Exitus na Política

Primus: questão de princípio

Coluna Exitus na Política

O organismo e a saúde civil

Coluna Exitus na Política

Entoli, o dirigente

Coluna Exitus na Política

Jogo confuso, torcida em transe

Coluna Exitus na Política

Esperanças e tolos

Coluna Exitus na Política

A opinião do vento. O argumento do tempo



Blogs

Blog do JC

Baita apoio

Blog da Jackie

Balneário Fashion Best Summer

A bordo do esporte

Brasileiros aprovam desempenho no Mundial de Formula Kite

Blog da Ale Francoise

Magnésio e suas funções!

Blog Clique Diário

Ilha das Cabras - Balneário Camboriú

Blog Doutor Multas

Como comprar o melhor carro dentro de seu orçamento

Blog do Ton

Chefs Bruno Faro e Willian Vieira comandam noite gastronômica nesta quinta-feira no Quatro7, em Balneário Camboriú

Bastidores

Um olhar sobre o teatro de escola



Entrevistão

Guido Petinelli

O melhor empreendimento é aquele que enriquece o bairro.”

Ana Tereza Canziani Pereira Boschi

"O Implanon é tecnologia de ponta, e a gente vai oferecê-lo para as mulheres de Itajaí”

Ana Paula Bastos Cardoso

“O luto tem que ser encarado como uma forma natural da vida”

Fábio da Veiga

"Todos os players do mercado são favoráveis a esse modelo de gestão Landlord”

TV DIARINHO

Confira os destaques desta segunda-feira



Podcast

PODCAST | Bom dia, DIARINHO

Publicado 19/10/2021 11:34


Especiais

AMPLIAÇÃO

Portonave projeta investimentos de mais R$ 500 milhões

NAVEGANTES

Atividade portuária consolida a economia

SANTA CATARINA

Navegantes tem o segundo maior aeroporto do estado

NAVEGANTES

Cluster da construção naval é aqui

MERCADO

Navship volta a contratar



Hoje nas bancas


Folheie o jornal aqui ❯