Colunas


Coluna Fato&Comentário

Por Coluna Fato&Comentário -

CULTOS AFRICANOS EM ITAJAÍ: RESISTIR E SOBREVIVER


As primeiras referências a cultos das religiões de matriz africana em Itajaí vêm do século XIX, mas de forma transversa e proibitiva. Elas estão expressas no primeiro Código de Posturas do Município, do ano de 1868. Nesse código, em dois artigos, 31 e 39,  estavam embutidas proibições e criminalização de  práticas religiosas dos cultos africanos.

 

Bora virar assinante para ler essa e todas as notícias do portal DIARINHO? Usuários cadastrados têm direito a 10 notícias grátis.


Esqueci minha senha




Se você ainda não é cadastrado, faça seu cadastro agora!


 







 





A aversão e o preconceito contra o que fosse oriundo da cultura e das tradições dos escravizados negros estavam enraizados na sociedade branca e escravocrata, também daqui. 

Os cultos africanos sempre tiveram forte ligação com a cura de doenças. Benzedeiras, rezadeiras e curandeiros eram presenças comuns nos terreiros de culto. Pois o artigo 31 considerava semelhantes curas “meios supersticiosos”, “embustes” e cominava multas a todo aquele que tivesse tal proceder. Do mesmo modo, pelo artigo 39 ficavam proibidas as reuniões de escravizados ou libertos negros para formarem batuques. Acontece que os atabaques são instrumentos tocados durante o culto.  Eles são imprescindíveis à função religiosa, o que significava dizer que se impediam as aglomerações para cultuar a religiosidade africana.

Tal atitude discriminatória e pejorativa chegou até  o século XX. Em meados desse século, por exemplo,  a imprensa de Itajaí taxou de “macumba” o culto africano que vinha sendo praticado num terreiro de umbanda, que funcionava na Avenida Sete de Setembro, quase na esquina com a Avenida Joca Brandão, reclamou a pronta ação “moralizadora da polícia” para proibir aquelas reuniões, que dizia,  “ilícitas” e considerou mero pretexto, julgar-se “aquela batucada e cantoria exótica” como manifestação religiosa.

A nota do jornal, claramente equivocada, expressava a visão de época da sociedade branca que, mesmo abolida a escravidão negra (ontem, por sinal, completaram-se 133 anos), ainda demonstrava ignorância e preconceito para com a cultura afro-brasileira. A nota, mesmo assim, permite conhecer da resistência e  sobrevivência da religião de matriz africana na cidade.

Aliás, no meio do século passado, dois líderes religiosos dos cultos afro-brasileiros vieram a se destacar em Itajaí e foram responsáveis por sua sobrevivência e expansão na cidade: Maria Lopes Klüser, ou Maria Cartola (1922/2006), e Altamiro José Pereira (1937/2011).

Maria Cartola, alcunha que herdara do marido conhecido por Cartola, mulher negra natural de Florianópolis, em 1953 instalou seu centro de culto religioso no Quilombo, nos altos da Rua Blumenau, um conhecido território negro da cidade. Altamiro, itajaiense,  filho-de-santo e genro da conhecida mãe-de-santo Malvina Ayroso Pereira, também itajaiense,  dona do Centro Espírita São Jorge, de Florianópolis, tornou-se pai-de-santo em 1958 e expandiu a religião afro-brasileira em Itajaí, com vários filhos e filhas-de-santo.

Conhecer essa história se faz necessário para que se valorize a africanidade presente na cultura brasileira, desenvolva-se uma pedagogia interétnica  e se faça a erradicação do racismo em definitivo.


Comentários:

Deixe um comentário:

Somente usuários cadastrados podem postar comentários.

Para fazer seu cadastro, clique aqui.

Se você já é cadastrado, faça login para comentar.

Leia mais

Coluna Fato&Comentário

Itajaí: Município “sem razão e utilidade pública”

Coluna Fato&Comentário

Santíssimo sacramento de Itajaí

Coluna Fato&Comentário

Colégio São José - 80 anos: “irmãs alemãs” X “irmãs colonas”

Coluna Fato&Comentário

Música ao longe

Coluna Fato&Comentário

Semana santa e a cultura do povo

Coluna Fato&Comentário

Rua Pedro Ferreira ou do Commercio - certas histórias

Coluna Fato&Comentário

Itajaí (também) precisava da BR-59

Coluna Fato&Comentário

Praia Brava e o Centenário

Coluna Fato&Comentário

Vacinas e resistências: casos contados por aqui

Coluna Fato&Comentário

Mais um patrimônio histórico a perigo

Coluna Fato&Comentário

Eventos históricos da 3ª década do século xxi

Coluna Fato&Comentário

Natal, no ciclo das festas populares

Coluna Fato&Comentário

Um neo-sacerdote e os padres itajaienses

Coluna Fato&Comentário

Africanidade e territórios negros em itajaí

Coluna Fato&Comentário

A eleição do primeiro prefeito de itajaí

Coluna Fato&Comentário

100 Anos da presença Adventista em Itajaí

Coluna Fato&Comentário

Cabotagem, marinheiros e boemia em Itajaí

Coluna Fato&Comentário

100 anos da “Pequena Pátria”

Coluna Fato&Comentário

Luteranos em Itajaí: 150 Anos – 3

Coluna Fato&Comentário

Luteranos em Itajaí: 150 Anos – 2 | Fundação da comunidade, cemitério e igreja



Blogs

Blog Doutor Multas

Como desbloquear carteira de motorista?

Blog do JC

Sonhando com o pai Atanásio

A bordo do esporte

Baixe o Aviso de Regata da Semana Internacional de Vela de Ilhabela 2021

Blog Clique Diário

Pássaros

Blog da Jackie

Fondue

Blog da Ale Francoise

Que tal um kombucha que hoje!?

Blog do Ton

Habbitat

Bastidores

Um olhar sobre o teatro de escola



Entrevistão

Vinicius Lummertz

"A grande aliança é para a retomada com saúde. São Paulo fará vacinas para o Brasil e América Latina ”

Élcio Kuhnen

“O maior ensinamento que a covid vai deixar: a ciência está muito à frente da sua opinião”

Heli Schlickmann

" Nas cidades arborizadas as pessoas são mais felizes”

Liba Fronza

"O Navegay traz uma multidão de pessoas, não gera receita financeira e causa uma demanda social muito grande”

TV DIARINHO

Confira os destaques desta segunda-feira



Podcast

Minuto DIARINHO 21/06/2021

Publicado 21/06/2021 20:51


Especiais

Mundo da pesca

Oceanógrafo criou raízes, mesmo que aquáticas

Urbanismo

Desafio da praia Brava é crescer mantendo as características de paraíso

Economia

Atividade pesqueira requer atenção especial

Bom momento

Construção civil ganha destaque na economia

Itajaí do rio e do mar

Empresas dos setores náutico e naval reforçam economia



Hoje nas bancas


Folheie o jornal aqui ❯