Colunas


Coluna Exitus na Política

Por Sérgio Saturnino Januário - pesquisa@exituscp.com.br

O populismo em preto e branco


O populismo é uma formulação política que credita ao povo uma condição de unicidade ou homogeneidade carregada de valores positivos duradouros. No populismo o povo é autêntico com tradições e conservadorismo que os faz portadores do fundamento da política. Tudo na política deve ser endereçado ao povo, este ser supremo.

 

Bora virar assinante para ler essa e todas as notícias do portal DIARINHO? Usuários cadastrados têm direito a 10 notícias grátis.


Esqueci minha senha




Se você ainda não é cadastrado, faça seu cadastro agora!


 







 





No populismo a vontade do povo é intermediada por um messias, um salvador, um condutor capaz de sintetizar seus sentimentos e vontades. Este ser, quase um super-herói, passa a interpretar os sentidos da vida das pessoas e da política do país. De suas conclusões nascerão os salvo-condutos, a esperança de conquistas e as cargas de vinganças.

Por ser conduzido por uma única pessoa em nome de todos, estabelece a relação maniqueísta entre o bem e o mal, o certo e o errado, o bom e o ruim. Em todos os regimes de formulação populista a história política registra catástrofes sociais e autoritarismos “de fio desencapados”. Nenhum populismo, de esquerda ou de direita, acabou em campos de democracia e de Estado de Direito. A vontade de um não pode imperar a vontade de todos!

E porque a crença na “salvação” está na orientação de “um Salvador” estão dispensados todos meios, todas as negociações, todas as críticas. As nascentes do autoritarismo e de golpes respiram o ar do populismo. A vontade do povo já está interpretada e ajuizada; o bem já está definido; o mal já foi identificado.

Os meios de comunicação ou servem a este Senhor ou são descredenciados de fé pública. Jornais, Programas de televisão ou de rádios ou são alinhados ou são adversários. Já não há notícias ou fatos, mas a vontade do povo interpretada. Os processos de eleição ficam sob suspeita porque, em fundamento, são os depositários de vontade coletiva. Se eleições colocam em xeque o “Senhor da Salvação”, serão consideradas, primeiramente, sob suspeita: “se eu não for o vencedor é porque houve fraude”. E se não servem aos propósitos populistas, deverão ser suprimidos ou modificados ao gosto do “Senhor”.

No populismo o sistema de justiça somente poderá ser justo se contiver os desejos do “Senhor”. Sempre que tal não ocorra o Juiz não poderá está correto, independente da lei ou arranjo legal que possa levar para fundamentar sua conclusão. No populismo “melhor fechar tudo” e deixar ao sabor da vontade do “Senhor da Salvação”.

O populismo em preto e branco

O populismo é uma formulação política que credita ao povo uma condição de unicidade ou homogeneidade carregada de valores positivos duradouros. No populismo o povo é autêntico com tradições e conservadorismo que os faz portadores do fundamento da política. Tudo na política deve ser endereçado ao povo, este ser supremo.

No populismo a vontade do povo é intermediada por um messias, um salvador, um condutor capaz de sintetizar seus sentimentos e vontades. Este ser, quase um super-herói, passa a interpretar os sentidos da vida das pessoas e da política do país. De suas conclusões nascerão os salvo-condutos, a esperança de conquistas e as cargas de vinganças.

Por ser conduzido por uma única pessoa em nome de todos, estabelece a relação maniqueísta entre o bem e o mal, o certo e o errado, o bom e o ruim. Em todos os regimes de formulação populista a história política registra catástrofes sociais e autoritarismos “de fio desencapados”. Nenhum populismo, de esquerda ou de direita, acabou em campos de democracia e de Estado de Direito. A vontade de um não pode imperar a vontade de todos!

E porque a crença na “salvação” está na orientação de “um Salvador” estão dispensados todos meios, todas as negociações, todas as críticas. As nascentes do autoritarismo e de golpes respiram o ar do populismo. A vontade do povo já está interpretada e ajuizada; o bem já está definido; o mal já foi identificado.

Os meios de comunicação ou servem a este Senhor ou são descredenciados de fé pública. Jornais, Programas de televisão ou de rádios ou são alinhados ou são adversários. Já não há notícias ou fatos, mas a vontade do povo interpretada. Os processos de eleição ficam sob suspeita porque, em fundamento, são os depositários de vontade coletiva. Se eleições colocam em xeque o “Senhor da Salvação”, serão consideradas, primeiramente, sob suspeita: “se eu não for o vencedor é porque houve fraude”. E se não servem aos propósitos populistas, deverão ser suprimidos ou modificados ao gosto do “Senhor”.

No populismo o sistema de justiça somente poderá ser justo se contiver os desejos do “Senhor”. Sempre que tal não ocorra o Juiz não poderá está correto, independente da lei ou arranjo legal que possa levar para fundamentar sua conclusão. No populismo “melhor fechar tudo” e deixar ao sabor da vontade do “Senhor da Salvação”.

O Populista é o contrário de um Estadista. Este, o Estadista, faz da política um ato de instituições, fortalece as estruturas e dinâmicas da ação política, se acredita com o dever de informar por meios de comunicação e debater os caminhos com o Congresso Nacional. Não se coloca como salvador e procura legitimar seus atos por leis, regimentos, regulamentos e convenções institucionais.

Um Estadista, em momento de crise, provoca a conciliação e a união dos poderes e instituições, e procura integrar seus representantes. Um Populista, ao contrário, agrava crises, culpa os outros [representantes do mal], vive do conflito e tem adoração pelo confronto.

O Populista é o contrário de um Estadista. Este, o Estadista, faz da política um ato de instituições, fortalece as estruturas e dinâmicas da ação política, se acredita com o dever de informar por meios de comunicação e debater os caminhos com o Congresso Nacional. Não se coloca como salvador e procura legitimar seus atos por leis, regimentos, regulamentos e convenções institucionais.

Um Estadista, em momento de crise, provoca a conciliação e a união dos poderes e instituições, e procura integrar seus representantes. Um Populista, ao contrário, agrava crises, culpa os outros [representantes do mal], vive do conflito e tem adoração pelo confronto.


Comentários:

Deixe um comentário:

Somente usuários cadastrados podem postar comentários.

Para fazer seu cadastro, clique aqui.

Se você já é cadastrado, faça login para comentar.

Leia mais

Coluna Exitus na Política

Carta aos tolos

Coluna Exitus na Política

As instituições se enfraquecem

Coluna Exitus na Política

Pessoas que morrem. Cidadania que falece

Coluna Exitus na Política

Verdades do Potro [*]

Coluna Exitus na Política

Caríssimo ivan lunard

Coluna Exitus na Política

A cidadania sem gênero

Coluna Exitus na Política

O reino de Marte

Coluna Exitus na Política

A culpa é do mordomo

Coluna Exitus na Política

A mitomania como política

Coluna Exitus na Política

A mãe e o parto: estado de colisão

Coluna Exitus na Política

O pão que alimenta o voto

Coluna Exitus na Política

A superioridade da moral e da ética



Blogs

A bordo do esporte

The Ocean Race anuncia nova iniciativa sobre a mudança climática

Blog da Jackie

Novidadeiras

Blog do JC

Aditivo

Blog da Ale Francoise

Fortificante Natural de Uva!

Blog Clique Diário

Primeira Foto do voo inaugural do helicóptero Ingenuity Mars da NASA

Blog Doutor Multas

CNH Bloqueada? Veja o que fazer para regularizar

Blog do Ton

Terrazza Praia Brava

Bastidores

Um olhar sobre o teatro de escola



Entrevistão

Volnei Morastoni

"Estamos vivendo a politização da covid”

Marcelo werner

"Quando o Estado publica um decreto às 11 horas da noite para que no dia seguinte seja cumprido, está faltando sintonia com a sociedade”

Marquinhos Kurtz

“[...} O meu posicionamento é contrário ao fechamento total. Eu acho que nós temos que trabalhar, nós temos que ter cuidado, e as coisas precisam funcionar”

Fabrício Oliveira

"Se nós tivéssemos leitos hospitalares nós não estaríamos discutindo lockdown'

TV DIARINHO

Confira os destaques desta quinta-feira



Podcast

Minuto DIARINHO 22/04/2021

Publicado 22/04/2021 22:04


Hoje nas bancas


Folheie o jornal aqui ❯